Pular para o conteúdo principal

Polar de litro, só aqui


A moda agora é tomar Polar de litro, que também usa o mesmo slogan: “No Export”. Uma pena! Cerveja de gaúcho tem que ser encontrada pelos gaúchos em qualquer lugar do Mundo. Ta, tudo bem... Já me dou por contente em encontrar Polar em lata no Texacão em Videira. O único problema é que bebê-la na companhia de amigos, só mesmo no Rio Grande do Sul. Foi o que fiz.

Em Videira, no meio da cerimônia de colação de grau, uma ligação. Era o PP, marcando o encontro de recepção na cidade-lar. Não poderia me furtar encontrá-lo, primeiro por que é meu amigo do peito, segundo pela oportunidade de por a conversa em dia e por último, mas não menos importante, para tomar Polar de litro. A novidade do momento e de preço. Era R$ 5, agora é R$ 6. Mas a gente pagou igual, vários litros dela.

Já o trelelê de estréia ficou para outro encontro. No boteco que promove as cervejas populares – lá também tem Skol e Brahma de litro, a R$ 5, só a Polar que inflacionou -, encontramos de cara, o Arlen, esse guri gente boa e simpático aí da foto [ele ficou assim depois que cresceu, por que na infância ele era possuído pelo capeta]. Na mesma noite conhecemos a Meg, sua namorada de 15 meses [depois de tanta ceva, não sei ao certo se é um ano e três meses ou um ano e oito], que também é gente boa pá caraiô.

Falei horrores. Aliás, o que eu, a Jana e o PP não fizemos em particular, fizemos no coletivo. Exercitamos a língua com conversas da infância, da juventude e um pouco da adultice. Foi uma agradável surpresa meu primeiro happy hour na cidade. Fui à City Down, digo, Cidade Baixa tomar minha cerveja preferida, depois da Serramalte [que é da mesma fabricante], conversar com amigos e reencontrei outro, que me apresentou uma nova. Ai, até parece aquele lance sobre o “Pedro, que amava a Cristina, que namorava o Felipe, que se apaixonou pela Marília, que gostava da Sandra, que era casada com o Antônio, que era amigo da Sônia, que vivia com a Maria, amiga do Carlos, que amava Pedro”.

Enfim, foi uma deliciosa primeira noite no porto dos casais. Aproveitamos a ocasião para marcar um novo encontro para o final de semana, na casa do Alex [que é casado com a Mariana, que estudou no Julinho – Escola Estadual Júlio de Castilhos - no ensino médio com a gente, que estudamos todos juntos no coléginho – Colégio de 1° grau Dr. José Carlos Ferreira -, no ensino fundamental]. Nessa quinta-feira vou ao cinema, numa das salas da Usina do Gasômetro, em companhia de um amigo das antigas também. Vamos conferir uma produção argentina, que terá a sessão comentada posteriormente. Adoro!


[Atualizando: Dei o bolo no amigo das antigas. Fui no Barra Shopping Sul com mãe e tia e perdi a hora. Desculpe Mairã...]


Posto Programado [De férias]

Comentários

Nanda Assis disse…
to adorando ver vc feliz!!

bjossss...
jana disse…
kkkk, dar o bolo é o que vc mais faz em poa...
pois então, a ceva estava ótima como sempre, o arlen realmente evoluiu, kkkk, a meg uma fofa....
nosso papo não rolou, a não ser pela ida a cidade baixa qdo falamos do tamanho do p... que as mulheres preferem e na volta qdo falamos mal dos outros, kkkk

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe