Pular para o conteúdo principal

Eu quero mesmo é renascer


Estamos na Semana Santa e daqui a poucos dias chega a data que marca o renascimento da humanidade. Chega a Páscoa. Queria eu renascer em casa este ano. Abrir-me para novos sentimentos, emoções, situações, oportunidades, atividades profissionais e pessoais ao lado do amor físico da minha família. São momentos como este que lamento não ter capacidade de gerar minhas despesas, a ponto de voltar ao berço sempre que aperta o peito.

Mas, na verdade, eu quero mesmo é renascer. É óbvio que tenho plena consciência que o processo de mudanças não acontece só porque termina o ano, se troca a idade ou se é Páscoa. Mas a data simboliza isso e meus sentimentos absorvem essa associação ao meu cognitivo de forma avassaladora. Às vezes, ser e ter um comportamento forte, batalhador, lutador é tão desgastante... É preciso muito mais que razões para sufocar emoções ao ponto de não querer ser um gatinho, que dorme quando se está cansado.

Não quero eu, agora, trocar de vida ou dificultar a minha atual. Apenas renascer em mim mesma. Reforçar meus próprios votos, me regozijar nos pleitos vitoriosos e aprender com os erros de atos impensados ou sem sucesso. Quero apenas me encher de paz, de harmonia, de serenidade e de amor incondicional. De dar e receber bem estar.

Agora eu sei do que gosto na velhice alheia. Passo em frente as casas e admiro as pessoas de idade, em seus momentos de ostracismo. Quem, hoje, tem o que eles usufruem na terceira idade? Ai de mim se tivesse a sabedoria dos velhos, o tempo, as vivências, a parcimônia, a serenidade e o amor despretensioso.

Estou tão cheia de ganância em minha volta que às vezes me sinto repugnar. Tudo tão disfarçado... Um oportunismo pejorativo, ideologias de botequim de beira de estrada, ambições descabidas, consumismo desenfreado, falsidades. O mundo está sumindo em sua vaidade e estão todos nessa maré. Para lutar contra essa correnteza, só renascendo com força, num lugar seguro.


Decepções, insegurança, tristeza geradas pela cegueira humana... Oxalá, meu pai, que possamos ter momentos de iluminação para voltar ao caminho. Sempre! E que neste domingo, tenhamos, todos, um bom recomeço.

Comentários

Nanda Assis disse…
lindo texto, vamos em frente.

bjossss...

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Atrás da folhinha verde?

Eu já cansei desse papo de superação feminina, até no sexo. A gente tem que saber plantar bananeira, beijar a brasileira, a japonês e agora até beijo grego. Tem doido que gosta de mal tempo inclusive na cama e pede para a parceira a chuva dourada ou a chuva negra. Ai, eu gosto de uma "pimentinha", como diz o Enfil, mas essa loucura eu estou passando.

"Eu quero a sorte de um amor [sexo] tranquilo, com sabor de fruta mordida". Pronto. Nem mais, nem menos. Sou a favor de um comportamento ecologicamente correto, mas não estou na pilha de aprender a fazer a folhinha verde. Não, não!

Agora, se quiser saber mais sobre minha indignação a respeito da liberdade sexual, vá no Sexo Verbal e leia meu texto sobre o assunto. Ah! E não esqueça de opinar. Eu gosto tanto de lero, lero... Principalmente sobre sexo.