Pular para o conteúdo principal

Dois dias com câncer


Nunca, mas nunca abram exames médicos se não tiverem noção da linguagem científica. Afinal, eles estudam dez anos para saber traduzir aquela língua, para a nossa. E falo isso por experiência própria. Para que não fiquem pensando que vão morrer, sem nem ao menos estarem doentes.

Como sabem, meu recesso durou duas semanas, mas só na primeira me diverti. Nas demais, fui a médicos e laboratórios fazer exames de rotina. A tia aqui, tem apenas 35 anos, mas há dois faz mamografia. Quando a minha ginecologista solicitou o exame na época, já fiquei assustada. Olhei pra ela e perguntei: Tu está desconfiada de algo? O toque apontou caroço? Não, apenas rotina. Mas aos 33 anos quem vai acreditar nisso? Não eu, certo!

Mas não deu nada. Este ano a mesma coisa. Mamografia, Transvaginal, Papanicolau e, tcharam... uma Ecografia Mamária. Putz, estou com câncer de mama. Não bastou ela me dizer no exame de toque que estava tudo bem, se eu não confiei nela. Ainda mais quando pediu mais este exame. E olha que não tenho casos da doença na família e faltam cinco anos para os 40 – idade que as mulheres começam a fotografar e radiografar as mamas.

Os técnicos buliam em mim com gosto. Eu, bem que preferiria mãos ásperas de homens ao invés das delicadas, mas não poderia escolher. Numa tarde quente em Porto Alegre, troquei os chopes nos cafés e pub das avenidas arborecidas por apertos e torções nas tetas. Logo, não quis saber daqueles exames no final do dia. Fui embora e deixei para pegar no meio da semana, dois dias antes de levá-los à médica.

Na quarta, mais especialistas e exames. Aproveitei que estava no mesmo centro clínico e peguei os tais exames. À noite, na casa de minha tia, abri a mamografia, pois a ecografia a médica disse na hora que estava tudo bem. Nela eu confiei. Não sei por que. Mas quando vi aquilo: “Conclusão – dois benignos achados”, gelei... Estou com câncer de mama!

Naquela noite não dormi. Imaginei pulsão, para diagnosticar a abrangência, depois o tratamento químico, meus cabelos caindo e por fim, meus peitos mutilados. Por 36 horas eu vivi a doença e a superei. Vai dar tudo certo Elaine. Tu vai extrair os negócios, tomar os remedinhos, ficar benevolente e adocicada com todos e ficar boa...

Na manhã de sexta-feira, adentrei o consultório da Dora e gritei apavorada pra ela, choramingando: O que é isso? Eu estou com câncer! Dois anos e desenvolvi dois tumores. Ela olhou os relatórios e as radiografias e disse com toda a calma pra mim: “Teus exames estão ótimos guria. Está tudo normal. Não tem nada alterado aqui. Vai pra casa e volta daqui a dois anos”.

Enxuguei a lágrima da vergonha. Dei-lhe um beijinho no rosto e disse tchau, verdadeiramente envergonhada pelo king Kong da ignorância. Fui... para o próximo melodrama no consultório do oftalmologista. Pois no da ginecologista eu já estava mais do que curada.


Comentários

Rosana disse…
Puta merda, mas vc sabe a diferença entre maligno e benigno???? Se estivesse escrito o contrário ali, aí sim era para vc perder o sono mesmo...
Elaine disse…
Elaine,
Ao ler o título já imaginei o mico... eu não abro exame. Na verdade quase nunca faço. Errada eu...
Beijos, exagerada.
Rou, eu sei a diferença, mas o mwenino bom sempre vem acompanhado...

Elaine, querida, sabe-se lá o que é certo ou errado nessa vida.

Beijo
jana disse…
kkkk
eu abro todos, eu disse TODOS os exames, leio, releio, jogo no google e tiro minhas próprias conclusões. qdo chego no consultório "acho" que sei a metade do que eu tenho, kkkkk pq alguma coisa eu sempre tenho, kkkk
hj levei o resultado da trans para a médica, como ja era de se esperar entrei em outro tratamento, estou com o útreo maior do que o normal,o endométrio esta muito espesso.
resultado: um anticoncepcional mais potente que custa 32, uma pomada que custa 34 e 1 (disse UM SÓ) comprimido que custa 7.
pode isso?
ainda bem que na "toba" não vai nada, kkkk

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe