Pular para o conteúdo principal

No pós carnaval, as férias...


O carnaval terminou e hoje o Brasil curte a ressaca dos quatro dias e cinco noites da folia de Momo. Eu, que estava mais pra cá do que pra lá, estiquei a faxina ao longo desse período. Era uma preguiça tão grande, que só fui ao supermercado no sábado por que não tinha mais comida e bebidas em casa.

No domingo, a ressaca que a súdita ficou da noite anterior teve que sumir rapidinho. Um almoço de noivado estava agendado para as 11h30. Engraçado, que esse foi o mesmo horário em que eu abri os olhinhos. Isso significa que, obviamente eu perdi o pedido do noivo. Por outro lado, eu ganhei o amadrinhamento da noiva.

O legal foi que em pleno domingo de carnaval aqui no Brasil, caiu o dia de Valentine’s Day, comemorado em muitos países da Europa e nos EUA. Aqui, a data em louvor a São Valentim não tem um apelo grandioso. Mas sempre tem algum comerciante espertinho que se alerta e dá uma aquecida nas vendas de seu estabelecimento. Eu não esqueci e nem tinha como, pois havia sido convidada para o noivado, há 30 dias, com lembrete freqüente da noiva para que eu não perdesse a data - 14 de fevereiro... Uma boa data para noivar. Com sorte, no final do ano, quando ocorrer a cerimônia de casamento, eu ganhe também um padrinho BBB: Bom, Bonito e Bemrico...

Na segunda, um dia normal para quem não está de férias ou não trabalha em empresa pública. Trabalhinho pela manhã, como todos os dias úteis. À tarde, me dei folga, por que afinal, eu também sou filha de God e ele é brasileiro, segundo muitos crentes. E como diz um dito virtual dos últimos dias, ele é daqui mesmo, se não, Madonna não teria vindo ao Brasil pegar Jesus. Tudo bem, quanta heresia para uma quarta-feira de cinzas somente...

Na terça, a folga que me dei na segunda a tarde teve que ser compensada. Fiquei na cama até bem mais tarde do que o normal, para em seguida preparar minha especialidade: lentilha. Eu tenho a quem puxar mesmo. Minha mãe cozinha bem, mas, ela precisa se esmerar para agradar em consenso. Acho que, na verdade, ela odeia fazer isso. Devo ter herdado o desprazer pela culinária dela. Mas devo ter ganho a habilidade de cozinhar do meu pai, que preparava um rango delicioso e no capricho. Restou aos seus três filhos a arte de cozinhar bem gostoso. Devo confessar que o melhor de nós três é minha irmã, Elenara. Eu creio que empato com meu irmão Jarbas. Mas a minha lentilha não tem quem bata, pois é meu reino.

Como tinha que trabalhar à tarde, reservei parte da manhã para dar sequência a faxina mal sucedida de sábado. Havia trocado o balde e a vassoura por vários copos de ceva gelada com filé de tilápia frito. Precisei só de meia hora para me arrumar a tempo do almoço no sábado, mas de menos de um minuto para dizer ao senhor gentil que Sim. Daí não teve jeito. Sobrou para terça a faxina, que teve uma pausa para o almoço e o trabalho na terça de carnaval. O resultado só poderia ser um: Eu, de bunda pra cima, à noite. Estava mais do que na hora. Um pouco mais na demora e poderia ter sido abduzida pelo "alien" da sujeira que poderia se criar aqui.

Já que tenho mais sorte do que juízo, faltou papel para imprimir o jornal e a edição de hoje ficou para quinta. Isto é, quarta-feira gorda pra mim hoje de manhã. Sabia que a idéia de adiar a rebelião das férias para a próxima semana era a melhor alternativa. Agora é só esperar o sábado, enterro dos ossos, para o gozo final. No meu caso, o começo de meu deleite ocioso, que deverá se estender por 15, maravilhosos, dias.

Como dizem que o ano só começa após o carnaval, ou seja, hoje à tarde, que assim seja. Enquanto o Brasil trabalha, eu, sairei em férias. Ainda bem que uma cigarra só não faz verão.

Comentários

jana disse…
eu tbm andei de bunda para cima esses dias, kkkk
melhor do que faltar papel é quando morre a mãe do chefe, kkk
Juju´s Avon disse…
huhauauiha
Eu tirei o feriadão pra faxina..
Nem pulei mto carnaval.
Parabéns pelo convite de madrinhaa
=***
Olavo disse…
Vc sai e eu volto rs..boa folga.
bjs
menina fê disse…
ei, preta linda!
voltei. rsrs

:D

saudades.
esteja na paz aí.
bjão da fê*

Postagens mais visitadas deste blog

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Ode aos detalhes do cotidiano

Porto Alegre, 6 de julho de 2018.
Vinha distraída pelo caminho, como acontece sempre que caminho e foco o pensamento no que tenho que fazer em seguida e o tempo que disponho.
Cuidava o trânsito, desviava de pessoas e seus cães pelas calçadas úmidas ou irregulares. Engraçado! Um homem de seus 50 anos levava um cão na coleira pelo caminho estreito de pedras. Não sei se ele pensou que iria parar para deixa-los à vontade. Mas, fui condicionada a ser gentil com o próximo. E naquele momento, eu era essa próxima.
Nesta sociedade machista que estamos inseridas, o normal seria o homem e seu cão dar passagem, ao invés de manter seu ritmo firme. Irritada, pensei: se fosse loira e magra, ele até pisaria no barro com seu amigo, sorriria e daria bom dia.
Fiquei chateada com o que cogitava: soberba feminina ou falta de educação alheia?
Alguns diriam que isso é mimimi. Eu chamo de educação. Em algumas situações, poderia conceituar como bom senso. Enfim, segui. Esqueci-me do que só eu percebi e senti n…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe