Pular para o conteúdo principal

Four years in Videira City


Hoje pela manhã me dei contar que fazem quatro anos que cheguei na cidade. Era um 16 de janeiro quando desembarquei na Estação Rodoviária Waldemar Kleinubing, às 7 horas da manhã, depois de uma viagem de aproximadamente 9 horas. Estava com medo e grande parte do tempo eu fiquei acordada, vendo a paisagem noturna e os pontos de parada. Eram muitos!

Embarquei na Estação Rodoviária Veppo de Porto Alegre às 21 horas de 15 de janeiro de 2006. Na hora, determinada, ansiosa, esperançosa e muito curiosa. Mal o ônibus tinha saído da rodoviária e eu já estava com receio de ter tomado a decisão errada. Em Estrela, embarcou meu amigo e colega Nandiko. Parecia que tava adivinhando meu pavor, pois mal entrou no ônibus e foi conferir se não havia desistido.

Não fiz isso. Já desisti de muitas coisas na minha. Até hoje abro mão de pessoas, objetos, momentos, circunstâncias em meu benefício ou em benefício de outros. Mas naquele momento eu não desisti. Alguns minutos de conversa e tava eu revelando que tava toda cagada da aventura pessoal e profissional ao qual estava me envolvendo. Pedi aconchego e vim.

Hoje, quatro anos depois, me sinto vitoriosa de ter vencido barreiras e ganho batalhas. E não foram poucas... Sinto-me orgulhosa de mim mesma por ter dado um passo a frente. Pouco tempo se passou, mas foram tantas experiências, emoções, risos, dores, felicidades, choros, aprendizado, trocas, raiva, amores e tristeza...

Nesses quatro anos eu me achei e me perdi várias vezes. Tive um crescimento pessoal extraordinário, mas mantive a criança bobalhona também. Reconheci a importância e o valor da família... Da minha família. E vi quem são os amigos e quem são apenas pessoas de passagem por minha vida. Aprendi também a me dar mais valor, a saber meus limites, a exigir, ceder, conviver com as pessoas de verdade.

E agora, depois do primeiro dia que marca meu quarto ano por aqui, vejo que tenho muito que comemorar e agradecer. Aos que alegram meus dias e me mantém em pé, firme e forte espiritualmente, aos que me incentivam, me estimulam e me valorizam, meu muito obrigado. Àqueles que promoveram oportunidades a mim, também.

Mesmo sendo uma reclamona, chorona e tudo mais, Videira é uma cidade bacana e que gosto de morar. Mesmo com todos os contras, eu gosto, por que também está cheio de coisas boas, favoráveis. O lance agora é saber o que me guarda o dia de amanhã por aqui, na Terra do Nunca...

Comentários

jana disse…
1) se as fotos não são montagem (kkk) a cidade parece ser uma graça e aconchegante (agora sei pq vc é a única negra da cidade (kkk);
2) videira foi importante em tua vida, fez a diferença mas ao mesmo tempo parece que não tem muito mais a oferecer em termos profissionais;
3) vc vai crescer muito mais profissionalmente quando tiver uma equipe, uma estrutura, um bom salário (pago em dia);
4) vc merece muito mais do que tirar leite de pedra para render matérias e ter que aguentar desaforos de povo mal educado (prefiro não falar o resto para não ofender o povo anônimo da cidade que passa por aqui fara fuxicar(kkkk);

o resto vc ja sabe, ja conversamos sobre o que realamente penso.
Pardal disse…
Abençoados 4 anos.
Obrigado pela presença encantadora e q nos faz pessoas melhores.
Te adoramos...
Beijo triplo (P. S. e L.O.)

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe