Pular para o conteúdo principal

É caminhando que se compra



Pronto! Agora, além de admitir minha realidade, estou conformada e resignada de que sou pedestre. Portanto, nada mais normal do que ter que caminhar para me deslocar. Ah, e garantir um pouco de autonomia também. Esse lance de "só vou se tiver carona"; já era. Basta o tempo estar seco e me convidarem com antecedência que estou lá [preciso me preparar psicologicamente ainda].

Obviamente não passei a gostar de caminhar. Não! Ainda odeio essa prática. Também não é por que estou matriculada numa academia de musculação que amo puxar ferro. Não! Estou adaptada e consciente da minha condição agora. Ou seja, de pedestre e gorda fora de forma.

Com visita em casa até o meio-dia , pouco pude fazer em relação aos pontos turísticos mais afastados da cidade. Mas o que estava por perto, como Museu do Vinho, Observatório e até o Pesque-pague do Picolly, rolou. Tudo nas pernonas [táxi não tava dentro do meu orçamento doméstico e de anfitriã]. Nada que uma conversa aqui e outra acolá não tenha nos distraído. O que para mim é fácil de acontecer. Eu mesmo me basto. Se não com meus pensamentos pervos, me distraio com o MP3. Daí, sentir a caminhada só quando se relaxa.

No meu caso, que ando pra dedéu por toda cidade, uns metros a mais não fazem a diferença. O único problema nisso tudo é que é caminhando que se compra. Pelo menos comigo. Foi num dia desses por aí, cansada de caminhar e com o Lacraia nos braços, com chuva, que pensei: "O que não dá é pra carregar peso..." E foi pensando na minha praticidade e agilidade que decidi investir num Net Book. Sim! Gastei dinheiro nos últimos dias. Aliás, gastei muito dinheiro. Como sou impulsiva e não tenho controle sobre meu orçamento, acabei comprando várias coisas nos últimos dias. Bens que vinha programando em comprar desde o ano passado.

Por exemplo: uma mesa pequena com quatro cadeiras para eu comer bem acomodada na cozinha e não mais no quarto, entre blocos, papéis de rascunho, livros e canetas. Lógico que quando ela chegou, o pensamento já era outro [preciso inaugurá-la chamando os amigos para um jogo de pocker]. Também dei uma de mulherzinha e investi nuns produtinhos de beleza da Boticário, que me custaram quase os olhos da cara. Mas como era para ressaltar a beleza deles mesmo, os fechei e disse Sim à vendedora na hora da compra. E, claro, também acabei adquirindo a minha tão sonha cafeteira modelo italiano, mas mais brasileira do que eu mesma até.

No final das contas, tudo isso é investimento. Que se fosse uma pessoa lúcida e econômica nem pensaria em comprar. Mas, agora, o que me mais me deixar feliz é saber que posso pegar minha bolsinha e sair para apurar as matérias sem ter um lap top monstruoso abaixo dos braços. Diria que, sou portadora agora de uma agenda eletrônica com editor de textos. Oba! Ah, e o nome dela é Frida. Frida Kahlo.


O Lacraia sentiu que a barra pesou para o lado dele e se mordeu de inveja.
Está, na verdade, tendo surtos eletrônicos a cada 6 horas.
Ta bege comigo, a biba.

Comentários

Silvia Palma disse…
Hummmmmmm..chique de doer.....mas agora que tu é a melhor jornalista de Videira merece isso e muito mais.....quem sabe aquela moto que vc sempre diz que vai comprar..heheh

Parabéns pelas aquisições....e ah..minha cafeteira italiana é uma bomba....heheh não funciona....o fim da várzea...me lasquei...
rosana disse…
Putz...se só agora vc se deu conta da tua condição de pedestre, o que você era antes disso????? uhauhauahuahauhauhaua
Como é que vc aguenta ir até o piculinho a pé???? Não rola não...tem q ter mta força de vontade....ujauhauhuhauahau!
No mais vc está chique hein mulher....adorei o seu net book. Eu até que queria um, mas o que eu quero é mais caro que um note...hihihihihi. Aproveito agora o momento em que meus instintos e impulsos consumistas estão adormecidos e economizo...os planos para 2010 são grandes, e preciso me conter!
Rou
Elaine Gaspareto disse…
Elaine,
Eita que coisa chique!
Mas porquê Frida Kahlo? Logo ela, que era tão feinha...talentosa mas feinha.
Beijos, menina pedestre.
Hehehe. Angélica, nem me fale desse lance. Só por God... Cheguei a bloquear minhas poucas fotos do orkut. Só vê quem tá nelas. Hehehe. Como diz a Rou, me caiu o cú da bunda.

Rorrou, eu vi uns net book muito mara na internet e caríssimos. Mas também muito melhores que os notes. Esse meu é melhor [e menor, claro] que o lacraia inclusive, mas tão pop quanto. Hehehe. Agora taí uma coisa que quero ver de perto: tu economizando... Hehehe. Capaz de no inverno tu querer ir pra Costa do Sauípe ou esquiar em Auspen.

p.s.: antes eu não era pedestre, era caroneira. hehehe.

Elaine!!! Bom te ver por aqui. E sim, tu tens razão, a coitada da Frida Kahlo, nunca sei onde coloco esse H era feia demais. Mas a bicha sabia se expressar como ninguém. Diria que superava, até, Salvador Dali. Hehehe. Mas, gosto de nomes fortes.
SuNshyne disse…
Olha e é rosa a sua agenda eletronica com editor de textos!
Eu quando saio as comprar vou da apé mesmo!
Também to na academia e não sou fã de puxar ferro!
Ai credo, so de lembrar me da uma preguiça!
SuNshyne disse…
Ah Menina, eu não consegui te seguir no twitter é esse endereço que esta escrito @negacorderosa?
jana disse…
kkk
isso aí negona, agora gostei. 1º compra e depois abre o bocão.
que bom que vc não tem essa frescura, continua caminhando.
te garante nas pernocas. melhor isso do que fingir que ta podendo.
kkkkk
putz,essa visita pagou a estadia em dolar ou vc ganhou na mega da virada?
venha a poa e ande muito de ônibus, agora é por conta do Pp. comunico que ele passou no concurso da carris.
kkkkk, agora vou ter que casar na marra
bj

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe