Pular para o conteúdo principal

Domingo eu quero ver, o domingo passar


Tudo está fechado
Tudo está fechado
Domingo é sempre assim
E quem não está acostumado?

É dia de descanso
Nem precisava tanto
É dia de descanso
Programa Sílvio Santos

Organizar o tempo faz render o dia. Com esse calor, acordar cedo é quase que automático, não fosse o gato ser mais rápido do que eu e pular da cama às 6h29 [minha tecla do três estragou] da matina, dia sim e o outro também. Daí, por mais que eu queira dormir até às 8 horas de novo, fica difícil. Durante a semana, aproveito para limpar a casa ou lavar roupas. Mas na maioria das vezes já fico de pé, na lida de uma dona de casa mesmo. Um saco!

Cada dia me convenço de que ser mulher é algo penoso demais. Ter que lavar, passar e cozinhar e ainda trabalhar fora para pagar as contas e os luxos, é demais. Isso que não mãe e nem esposa. Daí a jornada seria quíntupla. Não dá para esquecer que a gente também precisa se cuidar e ir no salão de beleza, na loja de roupas favoritas, na sessão de perfumaria da farmácia mais próxima ou então visitar aquela amiga revendedora da Natura ou Avon e encher a cestinha.

E eu, agora que estou numa dieta tabajara, ainda vou para a academia. Na volta estou tão acabada do dia puxado, que penso que ir até o banheiro, tirar a roupa e tomar banho vai me exaurir ainda mais. Mas vou... É bom demais dormir cheirosa e fresquinha nas noites de verão.

Então, meu dia começa lento e agitado ao mesmo tempo. Pra suportar a rotina diária, nada melhor do que elevar a energia da alma e do corpo. Então, eu acordo lentamente, depois de empurrar o Shazan de cima de mim, com aquelas garras que pinicam. Isso lá se vão 29 minutos [entenda-se meia hora]. Ou seja, às 7 horas eu levanto, vou para a cozinhar tomar água, limpar a areia do bichano, trocar a água dele e ainda por comidinha. Depois ponho a aquecer meia xícara de água no microondas para o meu café solúvel horroroso, ligo o MP3 [funcionou a porra!] com meu CD matutino favorito [Astor Piazzolla, Gerry Mulligan e um terceiro que não lembro o nome] e ascendo um incenso que motive minha inspiração, a criatividade e vou fazer xixi e lavar o rosto.

Depois de ligar o computador, arrumo a cama e penso se preciso lavar roupas ou varrer a casa e passar e apenas lavar a louça, ou algo mais pesado... Às 7h30 eu ligo o rádio para ouvir o jornal da manhã e vou para a internet, tomar o café ruim e ler as notícias do dia, ver o Orkut, conferir o e-mail, pensar em pautas localizadas para a edição seguinte e, claro, dar meu bom dia ao Cor de Rosa e Carvão. Às vezes, quando sou rápida, dá até para ver os blogues dos amigos. Depois, banho e esperar o chefe chegar, às 9 horas.

Ao meio dia, vem aquele lance de fazer comida. Como estou de dieta, uma salada geralmente é o que como, às vezes acompanhadas de frango, às vezes de um bife, mas em geral são ovos cozidos mesmo. Em seguida, mais uma conferida nessa merda de Orkut, nos e-mails, mais blogues e coisa e tal. E antes mesmo das 13h30 eu já estou escrevendo. Quando a preguiça não toma conta do corpo, consigo terminar as redações até as 17h30. Daí faço um lanchinho, troco de roupa e vazo pra academia. Na volta, aquela lenga-lenga: descansar acabada na poltrona em frente a tevê, banho, lanchinho de novo, novela, mini-série e internet [ou seja, responder os e-mails da Jana e escrever aqui, além de ler mais blogues], bater papo pelo MSN.

Lá pela meia-noite eu desligo tudo e vou para a cama ler. E quando me dou conta já é quase uma e pouco da manhã, hora de dormir de novo. Mas bom mesmo é quando eu quebro essa rotina perambulando pelo centro da cidade nessas noites quentes de verão ou tomando ceva com os amigos. Ah, delícia... Agora, imagina se tivesse que colocar um filho e um marido nisso tudo? Não, não... Acabaria com a Nêga [mas com certeza até gostaria...]

Por isso que hoje eu acordei cedo, mas fiquei na cama até as 11h30 vendo filminhos no computador. Depois tomei aquele banho e passei a tarde perambulando com a Pollyanna, aquela juvenil consumista. Fui no salão caprichar os pezinhos e ainda me deliciei com um petit gateau. Melhor do que isso, só amanhã, quando ficarei vendo o domingo passar, bem na boa, com os pés pro ar...



Comentários

Dois Rios disse…
Aff, Carvãozinho, haja energia para tanto! Tirando a dieta, que é penitência demais para o meu gosto, todo o resto vai na valsa.
Vida corrida é bom para espantar solidão e pensamentos tortos, além de nos proporcionar a agradável sensação de que valemos todas as penas, inclusive as das galinhas, rsrs...

Beijos,
Inês
jana disse…
aproveita e não faz nada por mim tbm,hj estou trabalhando
depois da noite maravilhosa perambulando pela cidade baixa e incomodando os amigos por msg
nega nós queríamos te enlouquecer mas acho que não deu certo
kkkk
agora tenho o teu número da OI, vai ser mais fácil te incomodar. e-mails, coments, msgs...

guria ontem tomei uma bohemia no "capadocia" realmente era um bar de são jorge, só dragão, e o que é pior, só dragão lésbica. uma viadagem do cacete. kkkkk, nem tu iria gostar, e olha que eu sei que tu gosta de muita coisa

P.S: e não entra na moda de ativar moderador (ou seja la o que for, pura frescura isso) nesse teu blog. meus coments vão continuar os mesmos
eu sei que vc gosta, esse é mais um canal para incomodar a nega. pretendo fazer isso até vc voltar de mala e cuia para poa
kkkk
bjs
saudades
Jana, foi difícil não fazer nada por ti. N consegui nem pra mim mesma. Os vizinhos receberam visitas hoje, que penso que vieram pro café da manhã, de tão cedo que chegaram. Hehehe. Um inferno... Logo, levantei e fui faxinar, cozinhar e me embebedar. Beijo.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe