Pular para o conteúdo principal

Diário Dietético: Comida ovolactovegetariana

Já perdi as contas de quantos dias fazem que não passo nem perto da academia de musculação. Mas, com certeza, já fazem mais de 15. Até precisava ir. Perto de lá mora um case bom para ser entrevistado. Sem falar que terei mais material para a minha coluna semanal. Mesmo assim, não passei nem perto do local.

De exercício praticado, apenas minhas caminhadas de trabalho e outras de passeio, com meu visitante ovolactovegetariano - pessoa cuja alimentação é baseada em ovos, leite e seus derivados. Nem um peixinho frito de um dos pesque-pague da cidade ele come. Nem sardinha. Nem atum! Imaginem, uma pessoa que não come atum?

Por conta do visitante que não come carnes, eu passei a semana anterior também sem degustar um bifinho, um franguinho assado ou, então, aquele carré de porco com capa de gordura. A vantagem foi a desforra que fiz hoje ao final da manhã com meu personal trainner. Claro que só eu tive essa sensação, ele apenas considerou o comentário a título de informação. Emagreci um quilo por conta da restrição carnívora. Ah, sem precisar levantar ferro. Diliça!

Gostei tanto disse que até pensei em continuar com a comida mais light. O único problema é ter que dar atenção ao ato de cozinhar. Para quem não gosto disso, apenas faz para amigos e em poucas ocasiões, tornar um hábito é bem mais difícil. Por isso que essa semana eu já voltei a comer carnes. Aliás, comecei no sábado, com 1/2 porção de frango a passarinho e ½ de tilápia. Depois, para comer um mignon no domingo e um frango assado ontem, foi facinho.

O que sei é que, mesmo não tendo retomado a dieta de final de ano e a prática dos exercícios, continuo menos gorda do que em novembro. E isso já me deixa feliz. Ao contrário dos inúmeros convites que os donos de academias fazem quando me vêem na rua: Quando vai voltar a treinar? Ah, se eles lessem pensamentos...




Comidinha vegetariana todo dia dá gases.
Então, se alguém está pensando em trocar a sua alimentação
por algo mais saudável, já aviso:
vai peidar na bolachinha, horrores!

Comentários

Silvia Palma disse…
Puta que pariu...o flat deve estar uma bomba atomica..hehehe
SuNshyne disse…
É raro quando eu como carne, eu não gosto e também sempre vejo o lado dos animais os quais eu AMO demais!
kkkkkkkkk não sabia que dava gases comida vegetariana, quando dei repolho pro meu porquinho da india deu muito gases nele mesmo, custei a aguentar kkkkkkkkkk
Nanda Assis disse…
amigaa q saudades!! eu tava sem net. mas e ai, q bom q da gases ne, pq qnto mais a gente elimina eles do corpo menos inchada a gente fica, vc sabe ne, q a maioria é enchasso. eu to na peleja, força sempre.

bjosss...
Pardal disse…
Eu não gosto de atum.
jana disse…
kkk
bem que senti um tremor aqui em poa. acho que foi vcs dois peidando.
nega te entrega as delicias da culinaria, melhor seria que vc estivesse agarrada em uma linguiça bem gorda.
kkkk
Anônimo disse…
to a quatro dias sendo ovolactovegetariana(pessoas qe comem ovo e derivado do leite mais nao come nenhum tipo de carne)ii nao vi nenhuma diferença,nessa qestao de gases!
Oi Anônimo. Bom, talvez precise de mais tempo com a nova dieta ou cada organismo reagi diferente. Meu amigo é ovolactovegetariano há aproximadamente 20 anos e diz que a fratulência é um fato pra ele. Eu, com 15 dias sob essa alimentação, confesso que tive mais gases do que o normal. Talvez por que tenha comido mais verdeuras e legumes do que o normal e menos carboidratos e carnes. Te confesso que não tenho conhecimento para te contrapor ou afirmar. Só sei o que vivi. Até!

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…

Quati

Ai, acho que estou com um desses nas costas, me tirando as forças e me deixando sem a capacidade de pensar direito... Hummm... Talvez precise voltar pra cama assim que terminar a introdução do meu trabalhinho. Melhor, da produção do conhecimento... [hihihi].