Pular para o conteúdo principal

Dia de Reis

Reis Magos na entrada de Natal

Seis de janeiro, Dia dos Reis Magos. Conta a história que os três seguiram a estrela cadente que anunciava a chegada do menino Jesus. E eles, Melquior, Baltazar e Gaspar queriam conhecer aquele que estava predestinado a ser o salvador. Na bíblia há referência a eles, que levaram presentes ao recém nascido: Ouro, Incenso e Mirra. Cada presente tem um significado, assim como o nome de cada um deles. E os três juntos representava a realeza, que deveria adorar o, então, pequeno profeta.
Pedi um liquificador para a mamãe Noel. Ela me deu dinheiro e disse para comprar um aqui em Videira. Eu fiz o dinheiro render muito. Ou seja, comprei um eletrodoméstico pop e ainda levei um ferro e fiz troco de mais de 50% do valor em dinheiro. Afinal, pra suco e panquecas meu Faet cumpri muito bem a função.

O dia de Reis tem uma simbologia especial para mim. Muitas vezes eu ganhava presentes de Natal nessa data, porque eram mais em conta adquiri-los, sem falar que meu pai já deveria ter recebido o 13º salário, pago as contas e o que sobrasse, comprado meu mimo. Quando pequena não entendia porque nunca ganhava o que pedia, que eram brinquedos da Estrela, caros demais para uma família cuja prioridade era alimentação, saúde e integridade.
Minha tia bordou uma Ipanema com pedrarias. Outra me deu uma carteira prateada. A cunhada do bem um gel de limpeza pro rosto e um perfume Carolina Herrera versão pop. A Rê, minha amiga, um jogo de taças pra vinho no estilo barroco. Papai "Noel" uma caixa de Ferrero Roche. Outra tia uma caixa de bombons especialidades Nestlé. A minha amiga MMs, uma canga da Bahia. E minha amiga Jana, um conjunto para caipirinha e um vidro pra doces. Nem preciso dizer que adorei tudo...

Depois de anos pedindo uma bicicleta Ceci com cestinha, eu ganhei uma Calói usada, cujas rodinhas já vieram tortas. Mesmo assim eu fiquei feliz. Já não precisava ficar olhando as outras crianças se divertindo nas suas, esperando que cansassem para que me emprestassem um pouco e pudesse aprender a pedalar. Por isso, agora, até mesmo uma bala dada com carinho me deixa feliz. Meus pais faziam tanto esforço para presentear os filhos, que hoje eu não meço esforços para mimá-los. E assim como eu, é muito fácil agradá-los. Basta presentear com amor. Piegas? Sempre, mas sentimento verdadeiro é assim. Tolo.

Na volta pra Videira fui informada de que havia ganho um jogo para chá ou café, em inox, de uma loja de R$ 1,99 ao qual sou cliente. O ex-ervilha debochou do meu mimo dizendo que era um escorredor de massas. Mas é um conjunto bem legal. Fiz questão de mostrar pro "invejoso" (hehehe), que nesse momento deve estar se "divertindo" com a sua garça branca pelo litoral catarinense, a bordo de um carro super jovial.

Aproveito a data de hoje para mostrar, em imagens bens ruins feitas por mim, num celular de origem alternativa que ainda não aprendi a manipular direito, para ilustrar este post. Espero não ter esquecido nenhum deles, mas a intenção aqui é mostrar que além de presentear, também gosto de receber presentes por representar o apreço por trás deles. Espero que todos tenham tido um lindo Dia de Reis.

Comentários

Quantos presentes amiga ,sinal que és mui amada, o dia de reis foi legal por aqui tb, um abração.
Esqueci o que eu ia dizer então só me resta te desejar um maravilhoso, glorioso 2010!
jana disse…
kkk essa foto da fora de foco
não estou vendo o socador da caipira
kkkk
Jana PERVERTIDA Severo, dá para ver se estiver com a mente pura. Difícil, eu sei, mas se consegue.

Glaukito, quanto tempo... Bom vê-lo por aqui. Feliz 2010 pra ti tb querido. Eu vou lá te ver.

Gê, é demais Dia dos Reis. Fico imaginando as comemorações no Norte e Nordeste do Brasil. Diliça!
Silvia palma disse…
Eu te dei bolachas da cacau Show.....hehehe mal agradecida...hehe
jana disse…
kkk eu trabalho bem perto da loja da cacau show.
aí fico na dúvida se gasto o r$ com chocolate ou com as bijus da minha loja
kkkk

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe