Pular para o conteúdo principal

Roletrando: Preta 36




Sinto-me como num jogo de roleta. Tenho 35 anos, mas já assumi os 36. Não consigo me desvencilhar desse número. É como se os 35 não estivessem acontecendo ou já passou. O número pelo menos é bonito. 36. Preta, 36. Até parece mesmo que a bolinha está rodando, pipocando na roleta bicolor, ameaçando parar no 35, mas, no último suspiro, fica mesmo é no 36.

Creio que seja a minha preocupação indireta com a meia idade. Afinal, faltam menos do que cinco anos para os 40, a tal idade da Loba. Mas eu sou gente. Nasci gente, embora a paixão por animais e o desejo em reencarnar felina ou borboleta. Cachorro não. É um bicho muito dependente, sentimental demais. Desse jeito basta a minha forma atual, a minha espécie, que sempre depende de uma coisa e outra e, alguns, em nome do amor chegam até a matar o próximo.

Hoje, em excepcional, me sinto mais cansada do que os outros dias. Talvez seja porque o Shazan passou a noite fora de casa e chegou no meio da manhã, rengueando das patas traseiras. Tive um sono intranqüilo de “mãe”, pensando que meu baby tivesse sido atropelado ou alguém tivesse decidido praticar tiro ao alvo nele, de novo. Dormi tarde, preocupada e acordando frequentemente.


Mas não é só isso, ando lendo demais. Esses romances de vampiros não me deixam dormir antes da 1h30 da manhã e, por conseqüência, não consigo sair da cama antes das 8h30. Com dores nas costas, claro. Talvez porque agora eu esteja as portas dos 36 anos, talvez seja o excesso de peso que volta a dominar meu corpo tradicionalmente roliço. Não sei.

Só sinto que hoje, mais do que os últimos dias, estou com as energias esgotando-se. De repente, me vi pensando em recarregar as baterias em casa, ao lado de mãe e pai. Já me imaginei articulando tudo. O dinheiro para adquirir as passagens, as roupas para levar, o que fazer quando chegar em casa e, preparar o baby para a hospedagem na petshop - mesmo dodói. Mas cada olhar para o bichano me dá uma dor no peito que logo mudo de idéia. Afinal, daqui a alguns dias já é Natal.

Porém, a necessidade de descansar fora da cidade, ou me cansar em outro ambiente, está forte. E já penso em coisas malucas, como ir à uma praia paranaense, e ainda chamar um amigo virtual para ir junto. De certo, uma coisa não mudou com a suposta idade; continuo instável.


Enfim, das primeiras 13 horas do dia, alguma coisa divertida aconteceu. Na descida pro centro, eu, uma mulher que quase 36 anos, cruzou com um homem de quase 30 e bem mais magro. Paramos, nos cumprimentamos e conversamos. Ele, esbaforido, começou:

- Eu queria estar no mesmo sentido que tu agora.

- Mas logo eu terei que subir. Aliás, a primeira, de talvez, três subidas.

Enquanto conversávamos cordialmente, fiquei feliz. Ele, com menos de 30, mal conseguia subir a segunda quadra da Avenida Brasil, uma rua íngreme, mas nem tão difícil assim. E eu, que faço isso diariamente, duas vezes ao dia, canso, reclamo em pensamento, às vezes converso com alguém (por pura educação, claro), mas nem de longe, fico esbaforida como o jovem homem.

É Preta 36... Mesmo cansada, o Mundo é bom!

Comentários

Dois Rios disse…
Carvãozinho,

O corpo sinaliza quando a cabeça tá dando pau. Não tem nada a ver com o peso ou idade. Quem dera! Se fosse assim, emagreceríamos e correríamos atrás de fórmulas milagrosas para retardar o inevitável e implacável envelhicimento. O que cansa mesmo é a repetição, a saudade, a solidão nas horas em que não se quer estar só, a carência....etc. Para esse tipo de cansaço só mesmo um bom colinho de pai e mãe. O resto é conversa pra boi dormir, ou melhor, Shazan.

Beijos,
Inês
Ai, amiga, que tristeza é essa? Acho que é TPN, isso mesmo, TPN e não TPM.
A boa e velha Tensão Pré-Natalina. Muita gente se deixa afetar, não é mesmo? Até eu que não sou mais cristão sinto uma certa tristeza por conta da aproximação do Natal, com todo mundo entrando de f´rias e pensando mais na vida, visitando parentes e amigos, fazendo compras pra esquecer a ansiedade (ou aumentá-la?), preparando aquelas comidagens todas, estocando panettone em casa, as árvores enfeitadas por toda a cidade, filmes sentimentais na televião, as mensagens de "feliz Natal" que chegam o tempo todo na forma de cartões e mensagens de amigos virtuais pela internet... ai!

Mas, não sei se é só isto. Sei que deves estar cansada mesmo, e não é só por conta do final de ano. A família te deve mesmo fazer muita falta, eu sei. A mim também faz, e nem imaginas o quanto. Lembras daquele texto que fiz sobre as mães? Pois é, amiga.

Porém fique calma, que tudo é fase. Vai passar, e sei que 2010 será um ano diferente (para melhor ou para pior, né! Brincadeira, torço que seja pra melhor).

Às vezes também tenho vontade de deixar tudo pra trás (já fiz isso umas 3 vezes nos últimos 3 anos e meio), mas por enquanto não dá. Te entendo quando desejas não voltar a este mundo na forma de cão numa próxima encarnação, cães são sijinhos mesmo, né? Por que não pedes a Deus que te faça voltar à vida como gato? Gtos, além de independentes, são muito admirados por todos, quase todos mesmo, e são tão meigos também...

Adorei as fotos, mas esa última... Pelo amor de Allah! Onde é que estavas com a cabeça, guria?

Ok, beijão e fica com Deus. Nunca te esqueças de postar, pois faz falta te ouvir sempre que ficas ausente mais do que o habitual. E podes crer que passo aqui muito mais do que parece. É que como tu tenho fases, e não é sempre que tenho algo de bom a dizer. Mas é um prazer te ler. Sempre.
Bom Natal, desde já.
Unknown disse…
Concordo com teu amigo aí em cia..é TPN mesmo....ou um vírus que anda circulando por aí....tô mais ou menos na mesma onda que tu...que venha logo esse tal de 2010...mas me recuso a adiantar a idade....crta ela já está adiantada demais..hehe
jana disse…
kkkk
idade é foda mesmo
tenho 35 mas não me sinto com 36, e não imagino os 40.
nossa aparência não é de 35 (incluo vc nessa também), me sinto muito mais jovem do que realmente eu sou.
será que não cresci?
na verdade não penso: AH! TENHO 35 ANOS.
idade não faz a diferença, eu vivo o que tenho que viver e sou feliz assim.
se para os outros uma mulher de 35 anos não deve fazer "certas coisas" não é problema meu

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe