Pular para o conteúdo principal

Diário dietético:

Eu, no muro das lamentações


Vou me lamentar tanto que o muro pode até cair...

Aquele dito popular: a gente dá a mão e o abusado vai logo pegando o braço, não me sai da cabeça depois de ler alguns comentários aqui no blogue. Especificamente os da Jane e do Hakime. Na verdade, penso que assim está me saindo a abusada da Jana. E do Hakime [Ali Baba para os mais íntimos] também. Fiz um post na madrugada de segunda e já dizem que não venho mais aqui só por que estou de dieta. Não, não!

Estou de dieta, mas não morta, embora a falta de cacau me dê a sensação contrária. Percebi isso hoje, quando analisei minha segunda-feira e percebi que não fui forte o suficiente quando ataquei um chocolate meio-amargo, horroroso, que está no meu armário. Quatro quadradinhos e pensei que estivesse curada da minha crise emocional. Que nada!

Hoje, bem no meio dela, me senti mais cansada. É difícil lidar com pessoas, principalmente quando elas são descaradas e usam de má fé tentando reverter a situação em seu benefício, lógico. Isso me tira as forças, a energia, porque fico chocada com a disposição do ser humano para se dar bem sempre, mesmo com pessoas como eu, que deixo passar batido várias situações para não me desgastar. Só para não deixar a vida complexa ou difícil como os mais frágeis acreditam ser. Abusadas essas pessoas que me tiraram de minha calmaria...

Fazia tanto tempo que não fazia um post no estilo muro das lamentações, mas hoje foi preciso. Fiquei tão indignada, que discuti. Fiquei tão cansada que descontei tudo em comida e bebida. É Hakime, cedo demais para pensar que eu já estivesse pesando como uma pessoa “magra”. Até eu me enganei. Pode ser apenas uma recaída, mas as duas tulipas de chope, mais o ½ prato de Mignon Itália [200g de filé mignon com uva Itália e queijo ementhal, risoto e batata corada] foi a alternativa que tive para descontar o restante da raiva que subia do pulmão paras as narinas, ainda agora à noite.

Talvez seja cedo demais para dizer que não bebo mais. Apenas reduzi a quantidade e a freqüência alcoólica. Já a comida eu radicalizei. Cortei tudo mesmo. Tanto, que depois de ter me transformado em uma vaca, de tanto pasto que como, que quase deixei a metade do ½ prato que pedi. Também pensei em pedir para embalar, mas era um ¼ de comida. Muito pouco. Seria vergonhoso... Nisso, um pensamento de gordo predominou: “Elaine, é comida e comida não se joga fora. Come!” Foi o que fiz, comi. Resultado: subi a lomba pançuda!

Ainda não me pesei essa semana, afinal, abusei e sei muito bem disso. Ignorei a balança da academia nessa segunda e ontem não fui malhar. Tive que trabalhar, fazer uma visitinha na casa de leis da cidade, o que chamo carinhosamente da casa de horrores, afinal, tem cada uma lá... E dessa vez não foi diferente.

Lástima mesmo foi ter perdido o I Leilão de Artes que estaria ocorrendo na mesma ocasião. Seria bem mais interessante... A organizadora disse que teriam peças bacanas com lances a partir de R$ 150, sendo uma ótima ideia para presentear amigos e a família. Já na tarde de hoje fui informada de que teria peças com lance mínimo de R$ 50. Pensei: “Até a hora do evento terá quadros e esculturas com largada de R$ 5”. Tudo bem, estou eu sendo abusada agora, de novo.

O que me atraiu nesse leilão na verdade não foi o lance inicial de algumas mercadorias. Mas sim o processo de venda. Nunca fui num leilão. Deve ser uma coisa bem legal e chique aquele lance de levantar a plaquinha com um código. Até porque também haveria homenagens a algumas personalidades de Videira e, claro, coquetel. O povo daqui adora quitutes e drinks. E eu também... [ainda bem que não pude ir, o estrago calórico seria bem maior].

Enfim, ainda me sinto magra, de dieta e desportista. Mesmo com vontade de matar aquele treinador musculoso que fica na minha cola, como se não houvesse mais dez alunos na sala, para ele supervisionar. O cara fica com a minha ficha na mão, me explicando e trocando os pesos, antes mesmo de eu dar o primeiro passo em direção do aparelho. Acho que sou o brinquedinho dele. Os olhos dele chegam a brilhar quando entro na academia. Fico até imaginando seu pensamento: “Ou essa gorda emagrece em 60 dias, ou troco de profissão e viro pedreiro” - ele está construindo a calçada da casa dele... Abusado esse também. Do bem, mas abusado esse marombeiro.

Agora quer saber por que tantos abusados nesse texto? Então se liga aí meu irmão, que no próximo posto eu conto.

Comentários

Ah, é!? Ali Babá! Aposto que foi pra provocar mas eu gostei! Eu - o Ali Babá! Um Ali Babá gay! (até rimou: gostei, gay... hehehe!).

Olha, não chama isso de recaída, senhora Elaine Barcellos (que chic, com dois "l"...). Se ewstás a comer menos agora, é um grande progresso que esses pratos de mignon Itália sejam tão raros de aparecer no teu prato. Nada de desânimo!

E o conselho que eu havia dado, de fazer exercícios leves em casa, estás a seguir? Não fica só na academia para seres saudável, amiga.

Torço por ti!

Que legal que aí na tua cidade tem leilão de artes. Aqui acho que não tem, e se tivesse eu ia, nem que fosse só pra olhar. Quem sabe no dia em que eu te fazer aquela visita... Me aguarda, hein! Um dia eu ponho o pé na estrada e vou! Até porque não é tão longe. Antes eu morava na Liberdade, centro de São Paulo capital, mas agora estou no sudoeste de Paraná, meu estado natal... deve de ser umas quatro ou cinco horas no máximo, até Videira. Videira... que nome lindo!

PS.: Só falei aquilo de que estás mais ausente no blogue pra encher o saco, não precisava ficar brava. Mas, cá pra nós, adorei ciratres meu nome no teu cantinho! Meu ego foi a mil... Agora só falta retribuíres a visita lá no A Flor do Sul, que afinal é aniversário do blogue, né?!
Je t'attends, mademoiselle!
Silvia Palma disse…
hehehe....escorregar é natural..no stress....quando aos folgados, acho que sei de quem está falando.....hehehhe....mas tu sabia conviver com isso tbem ..heheh lembra do anterior...??...aff...é desaforo mesmo...ô se é...tudo por causa da princesinah da Vila Verde...como diz vc..hehehhehe
Elaine, seu blog tem o nome de um cd da Marisa Monte.Se inspirou nele?
Um abraço.
Faço a mesma pergunta de minha amiga eugênia!
JANA disse…
HE HE HE AGORA SO FALTA A TENTAÇÃO DE CAIR SENTADA, SE É QUE ME ENTENDES
KKKKKK
"CAPISCO", COMO DIRIA O PP
Pelo amor de Allah, Jana, não vamos baixar o nível aquii no blogue da Elaine!
JANA disse…
KKK
ALI BABA
A NANE NÃO SE IMPORTA COM ISSO
CONHEÇO ELA A 28 ANOS
ELA GOSTA
KKKKKKKKKK
Ai, Jana do Céu!
A Elaine é tão bacana! Não fala isso da coitada, não... Chega! Abafa o caso! Ai, ai, ai!

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe