Pular para o conteúdo principal

Uma prova de amor



As luzes me encantam. Sempre. Fico imaginando o que pode estar acontecendo no ambiente iluminado de alguma residência ou estabelecimento comercial. É o mar de gente me puxando pra rebentação. Despertando desejos, vontades...

Foi assim na noite deste sábado, quando olhei para uma das ruas principais do centro de Videira e percebi a grande movimentação de veículos desde o início da noite de ontem (31). Bem na noite das bruxas. Mas minha vassoura estava sem combustível. Não adiantou o pé coçar e quase ter pego o celular para fazer os contatos de um sábado à noite. Cai na real... Em tempo!

Em compensação acordei cedo neste domingo, Dia de Todos os Santos. Pesquisei na internet e li artigos interessantes sobre Jornalismo Contemporâneo. Olhei o ambiente virtual, coletei bibliografias, citações e tive idéias. Inclusive escrevi a introdução, mas na memória, para variar. Do trabalho para a especialização não produzi nada, ainda. Mas tudo bem, para a “produção do conhecimento” tenho tempo. O que me falta é concentração.

E por falar em concentração, o que mais prendeu meus olhos, mas soltou as lágrimas, foi o drama “Uma prova de amor”. Chorei desde o início do filme até o final, quando sem lenços suficientes para enxugar o rosto, voltei a realidade. Filme lindo e natural. Ponto.

* * *
Lá em casa, eu é que mando. O Shazan tenta se rebelar, mas não adianta. Quem lhe compra a ração todos os meses e coloca água fresquinha na sua garrafinha de água sou eu. E ele sabe disso. Só não entendo porque os outros bichos que insistem em entrar lá em casa não entendem isso. Por exemplo, sempre tenho que sair na vassoura e nos gritos [que até eu me assusto] com “las cucarachas”. Putz, elas são tão grande, mas tão grandes, que diria que a transgenia funciona bem de onde elas vêm.

E se baratas têm asas e voam, elas são pássaros? Não, porque eu odeio passarinhos!
.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Atrás da folhinha verde?

Eu já cansei desse papo de superação feminina, até no sexo. A gente tem que saber plantar bananeira, beijar a brasileira, a japonês e agora até beijo grego. Tem doido que gosta de mal tempo inclusive na cama e pede para a parceira a chuva dourada ou a chuva negra. Ai, eu gosto de uma "pimentinha", como diz o Enfil, mas essa loucura eu estou passando.

"Eu quero a sorte de um amor [sexo] tranquilo, com sabor de fruta mordida". Pronto. Nem mais, nem menos. Sou a favor de um comportamento ecologicamente correto, mas não estou na pilha de aprender a fazer a folhinha verde. Não, não!

Agora, se quiser saber mais sobre minha indignação a respeito da liberdade sexual, vá no Sexo Verbal e leia meu texto sobre o assunto. Ah! E não esqueça de opinar. Eu gosto tanto de lero, lero... Principalmente sobre sexo.