Pular para o conteúdo principal

Prá começar



Começa o fim de mais um início de semana. Desse lado de cá do mundinho, nada mais a calhar do que uma faxina geral no pequeno lar que acolhe no momento. Tava precisando. Mais um pouco e sairia cobras e lagartos daqui.

Depois de tudo limpinho e cheirosinho [inclusive eu] armei o pinheiro de Natal? O espírito já está em mim desde o final de outubro mesmo. Então, juntar as peças dos galhos ao tronco e pendurar os enfeites foi um ato feito com prazer. Agora, aos poucos, irei enfeitando os quatro cantos de casa. De certo, nem irei precisar de muitos deles, já que tudo é quase miniatura no Flat, com poucas exceções: Eu e o Shazan.

Como todo o ano me prepara para o presente do Papai Noel dos Correios. Nunca estou na cidade no dia da entrega. Queria ver a expressão da criança ao abrir o pacote com a minha doação. Não resisti em 2008 e coloquei um cartão e bombons para a família, junto com a boneca que a guria pediu. Quem não quer um pouco de doçura e palavras de boa ventura para suas vidas? Numa data de tanta melancolia, saudosismo, às vezes de tristeza e às vezes alegria, um gesto de carinho, mesmo que de um estranho, é bem vindo.


Crepúsculo

Porque hoje é segunda, o dia dos começos, começarei a ler o primeiro livro da saga dos vampiros. O prólogo já me animou. Com certeza esse será um livro que quererei ler o epílogo depois das 50 primeiras páginas, mesmo já tendo visto o filme. Acredito que não será difícil ler este e mãos Lua Nova, antes que o filme saia de cartaz. Estou mais animada com este do que com o Código da Vinci, que comprei a milhões de anos, emprestei para 473 pessoas e nem sequer abri o livro.

Agora, com essa mania de ler dois livros no mesmo período, sigo com a leitura de Comer, Amar e Rezar. É como se fossem gotas de sabedoria. Um capítulo por dia. Tenho a impressão, muitas vezes, de ler a minha própria vida na estória de Liz Gilbert. Por isso a demora, creio. Vá que o final seja mais ou menos...


Amigos ao longe

Hoje pela manhã soube de mais um recomeço. Da minha amiga Márcia. Ela teve a oportunidade de ir para a Bahia e está fazendo um período experimental em Feira de Santana, por intermédio da empresa. Tenho certeza de que ela irá se dar bem. A guria tem garra, senso de justiça, é trabalhadora e nem mede esforço para o seu bem e de quem está a sua volta.

Minha segunda felicidade é que já fazemos planos para uma visitinha. E sim, no carnaval, claro. Mas se não der, tudo bem. Na Bahia tem sol, praia e trio elétrico o ano inteiro.


Agora s’embora pra vida gente, que pelo visto, esta semana irá voar, novamente. Boas novas a todos.

Comentários

Nanda Assis disse…
amo natal e ja to no clima tbm.

bjosss...
Oi! :)
Gostei muito de ter recebido a tua visita no Bicha Fêmea, e mais ainda de saber que você quis confirmar presença na festa de aniversário do blog. :)

Muitíssimo obrigada. :D
Em tempo, estou te seguindo no Twiter. Quero te acompanhar mais de perto. Estou ainda me acostumando a ferramenta. :D

O Natal já chegou por aí?:o
Aqui ainda não... ;)
Mas já já ele chega. :D

Beijos!
jana disse…
elaine vc demora quase 3 anos para ler um livro
kkk

sonhei com vc, puta que pariu um sonho nada a ver.
vc estava em poa. te encontrei por acaso, um sol de rachar e vc de jaqueta de couro preta, calça de brim, um blusão azul, por baixo um moleton verde
kkkkk
Lidiane, o Bicho Fêmea é muito legal e a comemoração tem tudo a ver com minha relação bloguística. Não dá para não participar. Beijo guria e obrigada pelo retorno.

Jana, tu tens razão, 3 anos e 3 meses para ler um livro de 333 páginas. Mas tentar, n custa quase nada...

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe