Pular para o conteúdo principal

Lévi-Strauss is dead


Um contrato como professor no Brasil, nos anos 30, mudou para sempre a vida de Claude Lévi-Strauss. O autor de 'Tristes Trópicos' morreu em França, centenário e venerado por políticos e intelectuais de todo o mundo


O homem que lançou as bases da antropologia moderna e foi o principal teorizador do estruturalismo morreu sexta-feira, a poucas semanas de completar 101 anos. Claude Lévi-Strauss morreu na sexta-feira e o seu funeral realizou-se segunda-feira em Lignerolles (centro de França), mas a família só ontem autorizou a Academia Francesa a dar a notícia, "receando ser invadida e ultrapassada pela mediatização da morte e das exéquias".
Filósofo de formação, foi no Brasil que começou, nos anos 30, a sua acção como etnólogo, estudando a vida dos milhares de índios que ainda sobreviviam a poucos quilómetros de São Paulo.
No seu livro mais famoso, Tristes Trópicos (uma espécie de autobiografia intelectual que venceu o prémio Goncourt em 1955), Lévi-Strauss escreveu: "Odeio as viagens e os exploradores." Era já uma crítica ao etnocentrismo, que ocupou parte importante de uma obra que empreendeu a reabilitação do pensamento primitivo.
Nascido em Bruxelas, filho de judeus franceses, formou-se na Sorbonne e estava destinado a uma carreira universitária "normal" se a sua infatigável curiosidade e a aceitação de um convite para dar aulas no Brasil não tivesse dado uma irremediável volta à sua vida. Dessa curiosidade nascem então investigações plasmadas em livros como Estruturas Elementares de Parentesco (1949), Antropologia Estrutural (1958) e O Pensamento Selvagem (1962), que Manuel Maria Carrilho considera "a trilogia que todos liam e que a todos influenciou". Philippe Descola, que lhe sucedeu na direcção do laboratório de antropologia social no Colégio de França, salientou a importância de O Pensamento Selvagem: "Não se trata do pensamento dos selvagens, mas do pensamento selvagem. É uma forma que é apanágio de toda a humanidade e que podemos encontrar em nós, mas preferimos ir procurá-la nas sociedades exóticas."
As suas concepções estão presentes em livros como Raça e História (1952) ou Mito e Significado (1978). Membro da Academia Francesa desde 1973, Lévi-Strauss legou ao Museu do Quai Branly importantes colecções, incluindo fotografias documentando o seu trabalho no Brasil nos anos 30.
Tímido, melómano, admirador da civilização japonesa, atraído pelo budismo nos últimos anos de vida, Lévi-Strauss recusou comparecer a todas as homenagens que lhe prestaram em Novembro de 1008 por ocasião do seu centenário. Manteve-se céptico até ao fim: "Penso no presente e neste mundo: não é um mundo que ame."Mas deixou herdeiros. Muitos poderão hoje como Dinah Ribard, da Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais de Paris: "Todos os antropólogos franceses são filhos espirituais de Lévi-Strauss."
.
Fonte: DN Artes

Comentários

Ele dizia odiar as viajens e os exploradores, mas de certa forma foi um desbravador da alma humana. É pena não ser uma leitura fácil, e eu confesso que não me esforcei muito em tentar compreendê-lo. De fato, só li algo sobre ele , não propriamente ele. Isto, nas aulas de filosofia, quando o professor que eu tinha nos mandava dizer se seríamos ou não pessoas diferentes nascendo em culturas diferentes...
Que nomão o dele, né? Mas a vida é assim mesmo, morrer talvez tenha em si uma necessidade. Imagina o planeta Terra sobrecarregado com todos os seres que já nasceram desde o começo da vida aqui!
Ainda assim, sou da opinião que ele tinha. Penso muito no mundo, e queria que ele fosse diferente. este mundo não me agrada muito, apesar d'eu amar demais a vida. Qual será o papel de cada indivíduo para fazer algo em relação ao estado em que o homem se encontra. Primitivos, somos todos nós por dentro, e nossos instintos não são apenas brutos. Também temos uma ternura que é instintiva, que vem de dentro. Acho que essa é uma questão a se levar em conta quando se pensa em fazer alguma coisa.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe