Pular para o conteúdo principal

De vestido e perigosa... Será?!


Na última sexta-feira (13) tive um pensamento maldoso. Mais um... Estava eu na danceteria da cidade, que promovia um showzinho no estilo Clube de Mulheres. No local estavam várias gurias, que se tivessem ao lado dos colegas da Geise [estudante da Universidade Bandeiras de São Bernardo dos Campos], seriam todas expulsas da balada. A muguerada tava toda ao estilo Loira da Uniban.

Aliás, a Universidade Taliban está dando o que falar. E não é a primeira vez que está na mídia. Pelo que me lembro, já houve uma polêmica com alunos antes. É... A propaganda gratuita na tevê e jornais. Os caras não se dão conta que nem sempre é bom estar na mídia, só porque é de graça.
No madrugadão de domingo, até a Maria Paula, do Caceta e Planeta se rendeu. "Só se fala nisso, gente", disse ela no Altas Horas, em relação ao comportamento agressivo sofrido por estudantes universitários da Bandeirantes.

Eu não iria tocar no assunto, que já está bem batido. Para mim, nem valeria manifesto dos acadêmicos, nem de plateia e repercussão nacional, mas é que a Loira Uniban tava no meu programa preferido. O assunto virou um dos temas no programa comandado por Serginho Groisman e causou furor no povinho presente. Não sei de onde saiu tantos jovens hipócritas. Um bando de falsos moralistas, reacionários, todos os presentes ontem no Altas Horas, bombardeando a universitária do vestido curto com perguntas, que na verdade eram críticas veladas. Quem dera tanta disposição fosse voltada para movimentos sociais, trabalho voluntário, entre outros benefícios.

E o local que deveria ser o encontro das diversidades, deixou, se eximiu, se omitiu de seu papel funcional, principalmente como centro de fomento de ideias, para se tornar num campo de guerra contra os mini-vestidos. A inveja é uma merda mesmo. E pelo o que quase aconteceu, pode até matar.

Comentários

Rosana disse…
é menina, agora ninguém mais gosta de saia curta né...tava vendo uma pesquisa, de que os estudantes de curitiba não gostam...kkkkkkkkkkk, conta outra né! agora o povo só quer ver a mulherada de burca, nada das pernocas pra fora!
jana disse…
achei a cor do vestido horrível, ela tem cara de puta. ganhou no mole um aplique loiro falso para juntar aos cabelos feios loiro e falso que ela ja tinha e ainda pode se dar bem pq revistas masculinas estão tentando fazer com que a "moça" pose pelada.
kkkkkkkkkk, falamos sobre isso na sexta.
fora isso o tamnaho do vestido é irrelevante.
eu já usei muita coisa curta e continuo usando
Nanda Assis disse…
acho q quem critica ta com inveja mesmo amiga, deixa as pessoas serem como são. a vida é essa, amor ao próximo, é isso q eu mais prego, amor ao proximo seje ele como for.

bjosss...
Eu achei um verdadeiro absurdo, ouvi falar tanto dessa moça, que estava praticamente pelada,onde já se viu uma coisa dessas e tal que quando vi o video na tv até achei graça...Nem era tão curta assim,minha filhas tem saias menores que aquela e nem por isso sai por aí denegrindo sua imagem. A roupa que usamos não quer dizer nada.
A iniciativa dos acadêmicos é ridicula, mas a muiézinha é feia pra caralho...te cara de traveco.heheh...

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe