Pular para o conteúdo principal

O mapa do lar, doce lar


Chalé da Praça XV

Ontem, durante o encontro mensal com os amigos associados do Museu do Vinho em Iomerê, rolou um papo sobre cidades, vínculo e lar. Breve, mas rolou. Eu não me manifestei. Pensei na hora que meu lar é onde estão meus sapatos, como canta a dupla Sá e Guarabyra. E os meus sapatos estão calçados em Porto Alegre. É na capital dos gaúchos que estão minhas referências.


Usina do Gasometro

Hoje, quando me perguntam se estou adaptada a Videira, e sempre me questionam sobre isso, eu digo que sim, pois estou mesmo. Já tenho outro ritmo, outros costumes, rotina, vivências, mas, ainda nada que supere ao berço [esplêndido para mim]. Reconheço pessoas por aqui, conheço outras pessoas aqui, tenho amigos, ganho o pão de todo dia e tenho a oportunidade de dar sequência a planos traçados há tempos. Mas meu coração bate é no Porto dos Casais.

Rua da Praia [ou dos Andradas ou, ainda, Calçadão]

Não dá para descrever em palavras o que sinto. Melhor, dá sim. Dá para tomar emprestado O Mapa, de Mário Quintana, para descrever sentimento tão arraigado por aquelas ruas. Aliás, quem melhor do que o velho poeta alegretense, mais portoalegrense do que eu mesma, que nasci “alegre”, para explicar Porto Alegre?


Prefeitura de Porto Alegre

O MAPA
Olho o mapa da cidade
Como quem examinasse


Praça da Alfandêga

A anatomia de um corpo…
(É nem que fosse o meu corpo!)
Sinto uma dor infinita
Das ruas de Porto Alegre



Parcão - Moinhos de Vento

Onde jamais passarei…
Há tanta esquina esquisita,
Tanta nuança de paredes,
Há tanta moça[o] bonita


Pedalinhos do Parque Farroupilha [Redenção]

Nas ruas que não andei
(E há uma rua encantada
Que nem em sonhos sonhei…)
Quando eu for, um dia desses,

Monumento ao Expedicionário - Parque da Redenção

Poeira ou folha levada
No vento da madrugada,
Serei um pouco do nada
Invisível, delicioso
Que faz com que o teu ar
Pareça mais um olhar,
Suave mistério amoroso,
Cidade de meu andar
(Deste já tão longo andar!)

E talvez de meu repouso…


Mario Quintana
[no Hotel Majestic]

Comentários

Rosana disse…
Menina...teve uma época de minha vida que eu era doente por PoA. Meu sonha e ideal de vida era morar lá. Até tentei a seleção para um mestrado lá, mas não passei...rsrsrs! Por conta disso, me aproveitei de uma amiga da faculdade que foi trabalhar lá e não saía da casa dela. Fui infinitas vezes pra casa dela....e como eu adorava aquele lugar...
Bem, mas o destino quis diferente...quis que eu viesse mais para o sul, mas não tanto assim...tanto que cheguei em Vda. E por aqui fiquei, me acostumei, e não quero sair...rsrs!
Como é a vida né...Bjs.
Unknown disse…
Eu não conheço POA..vamos todas pra lá um dia desses??
jana disse…
Nega não moraria em videira ou qualquer outra cidade pequena do interior por nada. Lugar onde nada acontece não é comigo
POA é tudo.
Não me imagino sem esse agito cultural.
Santander, gasômetro, margs, cinemas, shopping,CCMQ, bienal, daqui alguns dias feira do livro e por aí vai. Sem contar com os bares, os retaurantes, os lugares para dançar, os parques... hum
DILICIA
Quer noite melhor do que a de POA?

Volta nega, aqui matamos 374 leões por dia mas vale a pena.
O que adianta ganhar muito dinheiro se não tem onde gastar, não gasta com qualidade.
Boteco, padoca, churras, pipoca, baile, cinema aqui pode ser BEMMMMMMMM MELHORRRRRR
kkkkkkkkkkk
Sem contar nos "belos" gaúchos, homem de pé rachado, barriga verde, fanho, que fala "CORI CORI BATI COM A BARIGA NO MURO E MORI" ninguém merece
kkkkkkkkk
Hehehehe. Jana DO CARAIÔ Severo, tu acaba comigo assim guria. Eu penso nisso todos os dias. Minto, quando estou de ressaca não penso nisso tudo e muito mais. E para piorar, meu e-mail está em todos os mailing de restaurantes, teatros, pub's, cinemas e livrarias. "Mori" um pouco a cada leitura deles... Bjo
jana disse…
quero deixar claro para os homens do meio oeste catarinense que essa é MINHA opinião sobre vcs e sua cidade.
para os que assumem que passam por aqui e para os que passam escondidos não adianta reclamar com essa adorável moça.
sem represálias hein
comportem-se
sejam educados
kkkk
jana disse…
quero deixar claro para os homens do meio oeste catarinense que essa é MINHA opinião sobre vcs e sua cidade.
para os que assumem que passam por aqui e para os que passam escondidos não adianta reclamar com essa adorável moça.
sem represálias hein
comportem-se
sejam educados
kkkk

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Atrás da folhinha verde?

Eu já cansei desse papo de superação feminina, até no sexo. A gente tem que saber plantar bananeira, beijar a brasileira, a japonês e agora até beijo grego. Tem doido que gosta de mal tempo inclusive na cama e pede para a parceira a chuva dourada ou a chuva negra. Ai, eu gosto de uma "pimentinha", como diz o Enfil, mas essa loucura eu estou passando.

"Eu quero a sorte de um amor [sexo] tranquilo, com sabor de fruta mordida". Pronto. Nem mais, nem menos. Sou a favor de um comportamento ecologicamente correto, mas não estou na pilha de aprender a fazer a folhinha verde. Não, não!

Agora, se quiser saber mais sobre minha indignação a respeito da liberdade sexual, vá no Sexo Verbal e leia meu texto sobre o assunto. Ah! E não esqueça de opinar. Eu gosto tanto de lero, lero... Principalmente sobre sexo.