Pular para o conteúdo principal

Com os bichos soltos

Noite de calor intenso em Videira. Já era um prenúncio disso ao longo do dia, onde aqui embaixo no vale, o asfalto emanava o calor absorvido pelos raios de sol que dominou o dia. Será que posso chamar isso de uma das conseqüências do efeito estufa? O super aquecimento do solo urbano?

Enfim, era um calor dos diabos aqui na terra. No início da noite, de banho tomado e cheirosa, tive que descer para destrocar a confusão que fiz com as fitas da locadora. Daí percebi que chuva forte se aproxima. Estava muito abafado.

Logo, ao chegar em casa me pus a cozer um bolo de aipim, suflê de cenoura com chuchu [adoro] e carré de porco na frigideira. Tudo isso às dez da noite. E como toda mulher que cozinha como forma de reflexão, salguei a comida. Tanto, que estou tomando água até agora, de tanta catarse que fiz com o saleiro.

De porta aberta para aliviar o calor - e mesmo assim não adiantou - nem uma brisa entrava por ela. Só os bichos. Era uma infinidade realmente infinita deles, que passei mais tempo com a vassoura nas mãos do que a colher. Se numa noite de calor foi assim tiver que gastar um tubo de inseticida por semana, vai sair mais barato me mudar. De novo!




O inseto é um símbolo de ganância e prazer sexual. Nos contos de fadas, os insetos normalmente simbolizam precisão: eles são chamados para executarem tarefas impossíveis ao homem. Eles podem representar também praga e destruição, como os gafanhotos que assolaram o Egito na estória Bíblica de Daniel. Representam uma vida curta e efêmera, algumas vezes conectados ao sêmen e à concepção.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Atrás da folhinha verde?

Eu já cansei desse papo de superação feminina, até no sexo. A gente tem que saber plantar bananeira, beijar a brasileira, a japonês e agora até beijo grego. Tem doido que gosta de mal tempo inclusive na cama e pede para a parceira a chuva dourada ou a chuva negra. Ai, eu gosto de uma "pimentinha", como diz o Enfil, mas essa loucura eu estou passando.

"Eu quero a sorte de um amor [sexo] tranquilo, com sabor de fruta mordida". Pronto. Nem mais, nem menos. Sou a favor de um comportamento ecologicamente correto, mas não estou na pilha de aprender a fazer a folhinha verde. Não, não!

Agora, se quiser saber mais sobre minha indignação a respeito da liberdade sexual, vá no Sexo Verbal e leia meu texto sobre o assunto. Ah! E não esqueça de opinar. Eu gosto tanto de lero, lero... Principalmente sobre sexo.