Pular para o conteúdo principal

O bom do cotidiano é o dia a dia...

claro, sem o urubus com os rasantes


Coisa doida é a vida. As pessoas estão sempre agitadas, apressadas, correndo de um lado pro outro, sem tempo se quer para levantar e ir ao banheiro. Eu, como sou ágil como um cágado, chego ao cúmulo de ir ao banheiro antes de sair de casa e só voltar a utilizar um sanitário no final do dia. Mas, às vezes, não dá. Preciso de um intervalo para sorrir, tomar água [e eu saio da redação, onde não há bebedor, para buscar o líquido no prédio da frente, onde trabalham os amigos], conversar, trocar experiências...

Não sei como funciona com todos, mas para mim viver é usufruir o melhor do cotidiano. Caindo no pleonasmo: o dia a dia. Nele está o tempo para o afago e a troca de miados com o gatinho; a conversa com a vizinha; o bom dia para o locatário e ouvi-lo comentando sobre as notícias, que eu mesmo escrevo, enquanto leio, entenda-se folhear, A Notícia dele sobre o balcão. É trocar sinais, mímicas, ou bilhetinhos com o João, que é mudo, durante o almoço na padoca da frente. É apurar dados, entrevistar, pesquisar na internet e se divertir com isso.

Mas minha alegria com o dia a dia se vai com a suposta superioridade de alguns daqui. Com suas soberbas, prepotência e ignorância. O difícil mesmo, para mim, ainda é entender o que faz as pessoas acharem que são melhores que as outras. Em cada esquina, dá para encontrar um rei ou uma rainha.

Ultimamente tenho me incomodado bastante com o deboche das pessoas. Talvez, quando eu começar a ridicularizar as mulheres pelo fato de seus quadris chegarem antes do resto do corpo na esquina, ou por serem tão brancas que a menor queda na temperatura já as ruboriza pelo resto da semana, como se fossem leitoas matrizes; ou ainda, por serem tão comuns e insignificantes na comunidade que estão, que precisam recorrer as diferenças dos outros para se destacarem.

Ah... Cartase das letras sempre foi benéfica para o meu espírito incomodado. O bom de tudo mesmo é que sou tão instável, que logo recupero o humor e volto a sorrir sozinha, pelas ruas, a lembrança de algum fato cômico de minutos, hora, ou dias atrás. Ainda bem...

Comentários

Rosana disse…
Que post bonitinho menina....mesmo com a indignação retratada, ele se torna muito agradável à leitura!
Parabéns....
Oi pessoa
tem mais um selo pra ti:

http://opublicoalvo.blogspot.com/2009/09/4-selos-numa-socada-souauuuuu-gozei.html

beijooo
Glaukito, querido, nem fiz o desafio-convite e já tenho outro selo? Ai, quanta responsa agora... Brigadú!

Rou, o dia que esse povo mala deixar de me inspirar, estico a perna pra essas criaturas qdo passarem por mim com esse risinho... hua hua hua [gargalhada fatal].

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe