Pular para o conteúdo principal

Mês de aniversário no fim...

PP parece o seu Flor... [Portinho, 2007]

A semana inicia com o fim do setembro: o mês da primavera, da árvore, de ações pelo meio ambiente, como Dia Sem Meu Carro. Este mês também teve o dia da independência do Brasil e o meu também. Tem o 11 de setembro, dia que as torres gêmeas sumiram e do nascimento do meu pai. É o mês do 20 de setembro, onde os gaúchos orgulhosamente, mais do que fazemos diariamente, louvamos nossa terra.

Finda na quarta feira, o que chamo de mês de aniversário Elaine. Pra variar fui festejar a data com minha família e amigos. E além do carinho e amor de todos, ganhei presentinhos. E é sobre isso esse post: presentes. Quero agradecer a todos pelos mimos dado a mim, com tanta afeição. Me comovo cada vez que lembro de cada um, sobre essa demonstração material de estima.

Claro que não estou falando daquela que se diz minha amiga: a Janaína Severo. Aquela que recebi em minha casa, no Domingo véspera de aniversário e ao qual servi uma cerveja tão gelada que até congelou. Mesmo gritando em frente ao meu lar, palavras de baixo calão, não recusei abrigo. Minha mãe, tão dócil e amistosa ainda pensou em oferecer almoço a ela e seu namoro, o PP. Esse sim, um rapaz de ouro, mas que infelizmente está enfeitiçado pela guria. Um homem dominado pela Jana BRUXA Severo.

Essa mesma amiga que me ludibriou dizendo que havia escolhido do seu próprio enxoval, presentinhos meigos para me dar. Percebi na hora que era tudo um grande engodo. O copo para preparar caipira e o pote de doces nunca haviam sido embalados para presentes. Era apenas um meio de me convencer a ir com eles até o Parque Farroupilha, num final de tarde entre os vários povos da feira mais popular de Porto Alegre. Mesmo assim, com o dito pelo não dito, ou melhor, presente dado pelo não recebido, eu gosto da rapariga...

No contraponto ao mimo da Jana, trouxe na mala vários outros objetos ganho. Tinha hidratantes para o corpo e mãos da Natura, ganhos da minha cunhada [atual e aparentemente do bem] e da Mirela, cara de panela. O tratamento de choque para os cabelos que o meu pai pagou, assim como a manicure e pedicure; além do salame e queijo que ele fez eu trazer. As compras foram por minha conta, mesmo sendo ele que irá pagar.

Veio também brincos da minha tia Maria [e dinheiro]; mais dinheiro da Tia Iara; e mais dinheiro das minhas tias Ica, Ivone e Ieda, mas, como sou tonta, bloqueei a senha do cartão e nem pensar de conseguir sacar esse precioso mimo ainda. A Letícia, uma das super poderosas, me deu um colar lindo. Ela sabe que gosto dessas coisas. Ela me deu um conjunto super bacana também, de brincos e colar, muito meigo, num outro níver. A Márcia, amiga do coração, também me presenteou com algo que ainda não sei o que é. O pacote era grande e por isso não levou no boteco que fomos. Mas que eu disse para trazer junto com seu corpo para Videira, numa data próspera.

Em Videira ganhei uma caixa de hidratante com sabonetes da Natura da Nô, que sorri até do “sorriso do lagarto”. Essa é pior que eu gente. Nunca vi pessoa mais bem disposta [e debochada] do que ela. Adoro! Ah, em parceria com a Cirlei, elas deram também uma caixinha com trufas com licor, copos de chocolate e uma mini garrafinha de licor, também de chocolate. Estou tentando guardar os copos e a bebida para um momento mais adequado. Mas juro que já pensei em entornar essa garrafinha e engolir os copinhos, de uma só vez...

A Pollyanna, como gosta de se antecipar, me deu uma blusa da Corte Brasil. Mas a dona da loja decidiu fazer corpo mole e ainda não fez o negócio. É de lá que também me dei presentes: blusas, vestidos, uma leg [não sei escrever isso. No meu tempo era fusô, no português bem popular mesmo] e um top. Sim, vou usar um top. Mas se todas essas peças demorarem para chegar, vou precisar doá-las antes mesmo de usar. Talvez seja melhor eu começar por afastar o pratinho de negrinho do lado do laptop e ir dormir...
.
Ai, acho que era isso. O mês de aniversário Elaine trouxe esses mimos todos e muito mais. Mas os meus mimos, dados de mim para mim, falarei em outro post. Setembro, pena que está terminando... Agora, só no ano que vem, se o bom velhinho assim quiser [e ele há de querer, eu sei].

* * *

Não havia dito antes, mas vou aproveitar o post para falar do mimo que a Rou me trouxe de Paris. A foto eu roubei da Polly, porque minha câmera está sendo usada por algum ladrãozinho de meia tigela da cidade.


É uma caderneta de notas, que ela comprou na lojinha da Torre Eiffel, junto com uns lenços de papéis super charmosos, com várias imagens da cidade Luz da Europa. O livrinho é tão lindo, que não tenho coragem de usar para anotar qualquer coisa. Vou guardá-lo até o momento da minha viagem ou então, quando precisar de um diário de bolsa, o que é mais provável que aconteça. Tenho que tirar os pensamentos e impressões do cotidiano e jogá-los num lugar seguro, que não papéis de rascunho.

p.s.: o chaveiro não é meu. E os lenços não estão na foto porque a Pollyanna perdeu entre as coisas dela. Depois a desorganizada sou eu...
.

Comentários

Nanda Assis disse…
despedindo do mes ja com saudades ne amiga.

bjosss...
jana disse…
* hoje estou sem tempo mas vou tirar uma foto do presente e mandar para vc;
* eu não entreguei o presente pq estava braba com vc. desque que saíu de videira estava planejando o meu findi, disse que eu tinha que ir na redenção, me encheu de msgs e depois quase me deu o bolo;
* eu ganhei uma cerveja congelada pq Dona Odete muito simpática disse: "oferece uma cerveja para esse lindo casal". como vc tinha deixado a caixa de ceva atrás da porta para todo mundo ver resolveu oferecer;
he he he he
* eu grito quando vou na tua casa pq sei que todo mundo é surdo;
ha ha ha
* não é fetiço, É AMORrrrrrrrrrr
Silvia disse…
hehe...se ela nao fez a blusa , imagina meu lindo vestido...heheh
Nanda, setembro é o melhor mês do ano pra mim. Hehehehe.

Jana: ...

Silvia: e eu que havia esquecido que iria lá hoje, escolher os tecidinhos? putz!
Rosana disse…
Menina, realmente não vi este post...rsrsrsrs, acho que to ficando meio cegueta...hehehehehe!
Que bom que gostou das coisinhas...
Bjs!

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe