Pular para o conteúdo principal

Aumento da população

Hoje já não somos só eu e o Shazan no flat. Houve um aumento na população aqui de casa. Graças ao meu querido bebê, agora temos a presença do Jerry, que escolheu um espaço até que considerável para um camundongo. Ele mora no balcão da pia do banheiro, especificamente “porão” dele.

Mas acredito que ele não permaneça lá por muito tempo. Na verdade, se for bem esperto, sairá de lá antes mesmo que eu detetize o local com um eficiente produto que darei jeito de adquirir brevemente. Mas, se ele gostar das acomodações, já pensei em chamar o senhorio, assim que o banho de água sanitária e detergente que dei nele, comece a fazer efeito. Ou não!


Pernalonga do capeta

O coelho é uma coelha. Sim, para ficar tão incomodada só poderia ser uma fêmea mesmo. Afinal, até no mundo animal [irracional] o gênero me incomoda. Sabe ‘cumé’, odeio concorrência de qualquer espécie. E nos últimos dias, como se não bastasse um animal de estimação, agora cuido de dois: meu baby e a coelha. Essa Pernalonga do capeta não me pertence, mas é bom assegurar sua integridade física quando o Shazan está solto.

Uma manhã dessas cheguei até a pensar: Se o meu baby está feliz, eu também estarei feliz. Então, se ele quer caçar coelhos, que cace! Mais tarde, à noite, ele trouxe a primeira versão do Jerry pra casa. Porém, a coelha continuava viva...

P.S.: Vou chamá-la de Lilica agora.

E sim, ficarei triste quando ela morrer.

Na verdade, ela é bem meiga e nem quero que morra de verdade.
Mas que ela atrapalha a gente, ah... isso sim.

Happy Hour

Todas as segundas e quase todas as sextas, saio para um happy hour com meus amigos Fê e Jujuba. Às vezes o número de participantes aumenta, às vezes é apenas eu e o dono do ervilha [um scenic verde metálico com película, que só não é mais escandaloso porque o Felipe tem cara de homem respeitável]. Nesta segunda estávamos os três. Sedenta, fui logo fazendo guti-guti num copo de Original, bem gelada, até que o seu Nelson perguntou se não íamos tomar caipira. Putz! Mil vezes putz!!! Claro que tomamos. Não só uma, mas umas cinco [parei de contar] delas. De estanheguer ainda. Delícia...

Resultado: cheguei em casa bêbada, com uma fome do caralho, fiz bolo de frutas e fui dormir, como se estivesse no deserto, sob o sol do meio dia. Ou seja, com aquela secura por dentro. E a Jana ainda queria que lesse e respondesse torpedos, que nem percebi chegarem...

Despertar!

Gente, hoje bem que tentei acordar cedo, novamente, e escrever mais uma daquelas novidades prometidas. Mas não consegui abrir os olhos. Na verdade até os abria, a cada 15 minutos para desligar o “soneca” do celular. Depois da terceira vez, teclei no “parar” e adormeci até às 8h30, quando finalmente me arrastei para fora da cama rumo ao banheiro. O banho não deu certo. Então fui para a opção number two. Café!

Enquanto sorvia o líquido negro, liguei o lacraia para baixar os emails. Foi então que sentei na beira da cama e em seguida pensava no calor das cobertas, na leveza do corpo enquanto se adormece e que não haveria mal nenhum se ficasse só aquela manhã na cama... Putz! Tava quase sucumbindo ao quati de dentro de mim quando lembrei que tive um pesadelo pela manhã cedo, com o ator Adam Sandler. Fechei o lap e fui trabalhar.


Comentários

jana disse…
ai, vc não matou esse coelho ainda.

putz vc me acorda todas as noites, qdo tento fazer o mesmo não da certo pq vc esta bebum (e isso não é novidade)
Anônimo disse…
Nega sua traidora...falando do ervilha pelas costas..se não fosse ele, não haveria nem os encontros de sexta. Deve ser sua vontade de dirigir aquele veículo, fato que não deverá se concretizar enquanto ele estiver no meu nome...kkkkkk...Bjos!
Querido, pense eu mim tendo orgasmos de prazer ao segurar o volante, descendo meus dedos fofos pela sua circunferência, ouvindo o ronronar suave do motor e a curvatura dos corpos pelas estradas de Pinus Black... Ai que delícia! Um dia, mas um dia isso há de acontecer e tu nem irá chiar o bico. Hehehehe.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe