Pular para o conteúdo principal

Quintas são bem melhores que quartas


No dia seguinte o sol sempre volta a brilhar. É o que digo sempre! E nessa quinta-feira não foi diferente. Aliás, corrijo, foi bem diferente...

Acordei cedo porque teria que continuar a peregrinação atrás de imóvel (chique isso? Na verdade kitnet) para alugar. Ao mesmo tempo teria que trabalhar, imaginar sobre o que escreveria para a edição de sexta-feira. A quarta não havia terminado bem, mas só porque aqueles juízes conhecedores de muitos mercados profissionais haviam derrubado a obrigatoriedade do diploma.

Porém, na quinta pela manhã estava desperta desde as 8 horas, mas só levantei da cama nos tradicionais 15 minutos posteriores ao acordar. De repente me deu uma vontade de começar o dia e antes das 8h30 já havia lido os e-mails e estava no banheiro escovando os dentes com minha maravilhosa Oral B 360⁰ Pró Saúde quando o interfone tocou. Fui até a sacada, ainda de pijamas, claro, e era o vizinho radialista. Queria me entrevistar...

Sim gente, pela segunda vez - memorável - concedi uma entrevista. Só que me senti encabulada. Não fui bem. Mas acredito que tenha consegui manifestar minha indignação. A emissora de rádio queria saber minha opinião sobre a decisão do STF na questão do diploma de jornalistas. É aquele negócio; em casa de ferreiro o espeto é de pau... Engasguei, esqueci, pausei a fala e pedi para regravar. Duas vezes! Talvez na terceira fosse melhor, mas não quis atrapalhar a vida do rapaz por causa da minha total inabilidade ao “microfone”.

Depois disso me banhei e fui para rua. Era chegada a hora de encarar a torturadora, mesmo sem marcar hora. Afinal, pela manhã ela sempre estava lá... 11h05 e nada! A depiladora já havia ido embora ou nem ido naquela manhã. Depois de adiar por uma semana, agora terei que esperar mais alguns dias para a retirada dos pêlos. Que triste eu fiquei (ufa!).

Olhei para o celular e vi que dava tempo de correr até a casa de uma escritora que teria o lançamento do seu primeiro livro hoje. Lá fiz a foto da autora com vários exemplares, apurei alguns dados novos, brinquei com o cachorro, com o filho e pensei: hora de ir almoçar na padaria. Mas então a moça insistiu e já não sabia mais como recusar o convite gentil e subi até a casa de sua mãe para almoçar. No interior é assim gente. Um Oi e o falante já vira notícia pra jornal. Uma entrevista e o repórter ganha a bóia... Menos algo para fazer no dia.

Logo subi para casa num passo apurado porque teria que escrever as duas matérias do dia, com aproximadamente de 3,5 mil caracteres cada. No meio do caminho paro para anotar o número de um celular do anúncio para imóvel comercial para locar. Anotei o número porque poderia haver também uma kitnet para alugar e nem deu tempo para conferir. Do outro lado um cartaz na vidraça de uma loja de autopeças para veículos me atrai. Ali estava outro anúncio: Alugam-se duas kitnets. E o número. Liguei na hora e dois minutos depois estava vistoriando os imóveis. E depois de cinco de conversa com o proprietário reservei um deles para mim.

Dormi mais tranqüila, sossegada ao saber que já tenho onde morar. Que o Shazan terá um pátio para brincar e que tudo está se ajeitando, aos poucos. Ufa! Agora só falta levar a mudança...

Comentários

Nanda Assis disse…
que bom amiga que deu certo. e nem liga pra isso n, pq tenho certeza que a preferencia será sempre de quem tem o diploma.

bjosss...

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe