Pular para o conteúdo principal

Qualquer prazer me diverte!



Ontem fui definir uma questão no trabalho e sabia que não seria fácil ou agradável Sou péssima na dialética. Ou seja, expressão oral é algo que não me pertence. Talvez por isso não seja uma profissional do rádio. Mesmo assim, a gente tem que passar por esses momentos, mesmo considerando que um e-mail bem escrito seja tão eficaz quanto uma explanação oral.

Bom, depois de tudo falado e nada resolvido, como era de se esperar, peguei meu parco dinheiro e fui fazer o que mais me acalma quando estou nervosa, chateada, com raiva ou deprimida. Comprar! Nada de mais, visto que tenho que tenho que ser comedida com despesas. Meu orçamento está estourado há meses e parece tudo uma bola de neve tão grande, que só um prêmio (como o da Fatma de Jornalismo, hehehe) me ajudaria nesse momento.

Então, mesmo querendo comprar o supermercado todinho, peguei só o necessário. Na volta pra casa, paguei as continhas do mês, como sempre fazendo aquele sorteio, quando em frente a Farmácia do Sesi e lembrei do meu creme hidratante para o rosto, do meu óleo bifásico, do desodorante aerosol e da minha escova de dentes. Peguei os quatro itens e somando tudo levei um choque com o total. Logo, só levei o que realmente não tinha em casa, como o creme e a escova (tinha, mas está velha).

Levei vários minutos para escolher a Oral B que procurava. Peguei vários modelos nas mãos, li as características, observei o modelo e nada... Mas, na volta do balcão dos hidratantes, lá estava ela, na gôndola: a Oral B CrossAction Pró-Saúde. Gente, peguei a mercadoria e a primeira coisa que fiz ao chegar em casa foi escovar os dentes. Que delícia!

Tive orgasmos de prazer quando escovei as gengivas e a língua com as costas da escova. Ah, também usei a pasta de dentes da mesma marca (e que veio junto com o modelo) e a sensação de limpeza foi fabulosa. Definitivamente, qualquer prazer me diverte. Nunca investi tão bem em minha saúde bucal, quanto na aquisição desses produtos.

Agora, cada vez que entro no banheiro vejo a minha escova de dentes e penso: ah Nêga, só uma escovadinha...
(depois: “ah... um beijinho agora!”)

Comentários

RosanaK disse…
Ai menina, essas coisas na nossa vida!!! Nos deixam estressadas e nos fazem gastar...eu sou assim, sempre preciso gastar qnd estou mal...rsrsrsrs. Para minha sorte agora só posso gastar nos sábados, outra opção seria passear pelo comércio de LR, mas ainda não fiquei tão mal a ponto de me render a isso. Por enquanto fico satisfeita que não tenho mais tempo para gastar...viu só a vantagem de se trabalhar o dia todo?????
silvia palma disse…
hehehe.ai nêga, tu me mata...
jana disse…
he he he
esta com saudades do Pp é?
NÃO, NÃO ele não viu que vc estava chamando ele no bate papo do yahoo
ha ha ha
eu vi agora
he he he
bjs

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe