Pular para o conteúdo principal

Pastel com caldo de cana



Adoro caldo de cana com suco de limão. Seja inverno, seja verão, basta a banquinha estar aberta, um solzinho gostoso e a garganta seca, que lá vou eu. E de ressaca então? Nossa, ideal!

Mas hoje foi diferente. Parecia mulher grávida. Desde ontem eu estava com vontade de comer pastel. Passei na padaria e nenhum dos sabores que gosto estava na estufa. Tomei um expresso com leite vaporizado e pedi um pedaço de cuca de banana caramelizada para acompanhar. Lá foi a gorda pra casa com seu desejo. Que ruim deve ser ter um filho com cara de pastel. Pior! Que ruim deve ser ter um filho pastel.

Bom, fazia tempo que não degustava essa comidinha tão tipicamente de rua. No Rio de Janeiro eu me deliciava a cada esquina que passava. Caldo de cana e pastel... Ia na feira só para o lanche. Então, hoje fui no super só para comer o pastel da padaria, que não é o melhor, mas no fundo do estacionamento tem uma banquinha de caldo que fica aberto o ano todo. Nem me importei de ter que caminhar da class the english até o supermarket, pois sabia que me “auto recompensaria”.

O mais agradável do breve passeio gastronômico, digamos assim, foi ter avistado a família passarinho: Pardal, Sandroca e o LO. Lindo demais o guri. Foi a primeira vez em que me viu, considerando que a cada encontro ele estava sempre dormindo. Também fui recompensada: ganhei vários sorrisos e até expressões na língua dos bebês. Se ele gostou não sei, mas que apertei do guri, ah, isso eu cansei de fazer.

Depois de alguns desejos satisfeitos, voltei para casa, lépida e contente, ouvindo a trilha sonora de Juno no MP3. Bem a fim de terminar o livro da Bruna Surfistinha. Só uma observação: tirando a tal chuva dourada e negra, a suruba feminina, acho que seria uma puta bem melhor do que ela. Muito sem graça essa sua vida de garota de programa. Aliás, muito sem graça a sua vida. Mas fiquei curiosa, vou lá dar uma olhada no blogue da guria.

Agora vou jantar, porque o lanchinho da tarde foi só um petisco...

Comentários

RosanaK disse…
Além de pastel e caldo de cana vc ADORA o rio de janeiro e montevideu né....rsrsrsrs!
Ai, minhas bichas estão se remexendo....fiquei com vontade de tomar caldo de cana com limão...ou abacaxi! Ai que delícia mesmo....

Aquelas chuvas da surfistinha...que horror né...KKKKKKKKKKKKKK!!!!!
O Rio eu adoro menos que Montevideu, claro! Hehehehe. Diria que A.D.O.R.O Minas Gerais (BH e Ouro Preto) e o Montevideu em niveis de igualdade. Rou, programei um post para mais tarde. Um luxo guria! Hahaha.
Nanda Assis disse…
humm deu ate fome!!!
bjosss...
Dois Rios disse…
Carvãozinho querida!

Miss you tomate (don't forget the english class, rsrs...)

Depois de um sábado cinzento, chuvoso e frio nada melhor do que passar aqui para dar umas boas gargalhadas com os teus sempre bem-humorados e hilários textos.

A-do-rei!

Tava faltando algo no meu reino. Agora sei o que era, rsrs...

Beijos, minha flor!

Inês
Inês, que saudades de ti guria. Bom te ver por aqui, mas melhor ainda é ir ler-te. Adoro tuas seleções. E volte sempre, aos poucos vou recuperando meu ânimo pelo cotidiano, hehehe. Bjo

Nanda, queridona, sempre presente. Bjo no coração.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe