Pular para o conteúdo principal

Mais ou menos ou o equilíbrio?




A busca pelo equilíbrio é algo que rotineiro na vida do ser humano. E pra mim, que passo tempos ignorando a balança da vida - talvez seja o hábito, já que faço o mesmo com a balança normal -, quando a hora, é a hora. Pra quem vive num oito ou oitenta, ter que buscar a média é algo dificílimo. A única coisa que não evito é o mais ou menos. Ah, isso não!

O que procuro no momento é a estabilidade financeira e para isso tenho que reduzir gastos, além daqueles normais, os que muitos consideram supérfluos, como festas, cinema, um CD novo (isso eu realmente não faço mais há meses! Ainda mais depois que aprendi a fazer download pelo Orkut). Nesse período de crise, o que vai me salvar no cotidiano social é a regalia que recebi para assistir a sétima arte. Maravilha!

Cortes serão feitos muito além disso no momento e sabe-se lá por quanto tempo. Ver a família já é algo preterido no meu calendário. Nada mais de relaxar ou buscar inspiração na piscina da academia durante as braçadas. Uma pausa no inglês no próximo semestre e muita economia... Esses são os contras.

Eu só preciso achar um incentivo para que tudo isso seja justificável, além do fato de por o orçamento em dia. Algo como aconteceu no passado, onde tudo que ganhava com os trabalhos free eram investidos no transporte, hospedagem e alimentação até a universidade em que fazia a pós-graduação. Nossa, valeu a pena todo o sacrifício, o mal tempo, o cansaço, as desavenças entre os colegas, as novas amizades, o conhecimento adquirido...

Nesse momento eu só preciso achar os prós. Aquilo que vai me estimular a continuar por um caminho que não vislumbro perspectivas futuras. Não pensem que estou pessimista. Estou analisando friamente a situação e talvez seja o momento em que novos mares devam ser desbravados, Chega uma hora que se deve enxergar quando a canoa está furada e o quanto ainda se deve remar. E penso, avalio, reflito e não chego a conclusão nenhuma. Estou mais parecendo o capitão aí de cima.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…

Eu, entre o público e o privado

Adoro quando tomo decisões. E agora nem sofro mais. Este ano está sendo tão importante e definitivo para algumas questões, que está me fazendo amadurecer com tranqüilidade e consciência de forma em geral. E isso tem me trazido paz de espírito. Isso é muito bom!

Hoje, eu vejo um possível problema e o tento resolver de imediato. Se não consigo, continuo buscando uma solução ponderada e sem interferência em outros aspectos e pessoas. Por fim, se isso não é possível, trato tudo da melhor maneira possível. E claro, sem perder a graça, a irreverência e o meu jeito todo especial de ser.

Assim também acontece com inutilidades. Apenas listo as tranqueiras da minha vida, ainda dou uma avaliada profunda nos prós e contras, para logo dizer BASTA! Em seguida abro um sorriso e digo a mim mesma: “Estou orgulhosa de ti, Elaine!” E o dia todo cinza de um inverno chuvoso se torna luminosamente ensolarado. E passo a gostar ainda mais de mim e dessa vida.

Nesta terça, a alegria ficou por conta de uma simple…