Pular para o conteúdo principal

A culpa é da sua mãe!



É o que diz Freud no comercial de tevê do HSBC Direct, sobre a psicanálise. O garoto propaganda, muito bonito por sinal, exclama: “Não seria muito bom se tudo fosse direto ao ponto assim?” Verdade! Então é isso: “A culpa é da sua mãe!” e o Instituto Butantã é aqui.
Nem posso reclamar que estou cercada de serpentes, pois já haviam me avisado. Mas sou brasileira e a esperança é a última que morre, mesmo que seja no ser humano. Como diz outro garoto propaganda, o Zeca Pagodinho, um brahmeiro nunca desiste de seu sonho e também nunca esquece de onde veio. Pois eu me formei jornalista e desempenho a função, um sonho de infância que ainda não acabou, mas já ultrapassou uma grande etapa do planejado: a formação. Como disse a minha prima, Karina, nesse final de semana em Curitiba, eu “sempre quis ser jornalista. Desde pequena. Tai, agora tenho que enfrentar os agouros da profissão, infinitamente em maior quantidade do que os louros...
Bom, voltando a esperança brasileira, é por ela que continuo investindo no relacionamento fora da minha área e digo isso no campo pessoal. No profissional, bastam os colegas de verdade e os de mentira, que aqui sempre querem se sobrepor ao outro, seja por um motivo válido ou não. Porém, “alwais” em benefício próprio, nunca ao Meio, pelos resultados. Êta povo cobra... Por isso que gosto do povão e me dou bem com ele. Entendo a sua linguagem. Primeiro porque vim dele; minha base, minha origem está no proletariado, nos descamisados, nos sem casa, sem dinheiro, nos sem emprego, nos desesperados. Mas são gente simples e sua maldade, que claro, existe, não me atinge, porque depois de algumas décadas, meus pais venceram a miséria, subindo um milímetro na pirâmide social.
Só fico assustada, por que tem tanta mediocridade na classe média baixa e alta. Tanta inveja e arrogância, prepotência e ciúmes. Tanta gente de olho no quintal dos outros, esquecendo que o seu telhado é de vidro. Um dia, mas um dia bem próximo, eu vou pegar uma pedra, mirar e atirá-la, até ouvir os cacos se espalhando pelo chão. Revolta? Não, mas a Cezar o que é de Cezar. E o que não for, que seja de Cleópatra então. Portanto, seus invejosos, ignorantes e patéticos pseudos profissionais: “A culpa é da sua mãe” sim!
* * *
Querem saber? Se de boas intenções o inferno está cheio, me deixem ir pra lá quando chegar a minha hora (e que ela demore muito ainda). Já os outros, que Pedro os receba de portas escancaradas. Lá embaixo eu sei que o “coisa ruim” vai tentar me corromper, afinal, é o trabalho dele. Mas lá em cima, todo mundo diz, e quer, ser “querubim”.

Comentários

Nanda Assis disse…
relaxa pq né só no inferno não, aliás o inferno é aqui mesmo.
sinta-se bem amiga. te adoro.

bjosss...
__**_**
_**___**
_**___**_________****
_**___**_______**___****
_**__**_______*___**
__**__*______*__**
___**__*____*__**
____**_**__**_**
____**___**__**
___*___________*
__*_____________*
_*____0_____0____*
_*___/___@___\___*
_*___\__/...\__/___*
___*_____W_____*
_____**_____**
_______*****
Fernandez disse…
Trust me, a maioria destes comerciais as vezes nao tem o bom-senso, usando apenas o senso-comum. Mais adorei o seu post.
xxx
RosanaK disse…
Menina...não pense que se vc estivesse em outro lugar ia ser diferente! Cobras existem em todos os lugares...só mudam os tipos e as caras!
O mais fácil seria não dar bola pra isso, mas sei que não é fácil assim não....que esse tipo de coisa mexe com a gente!
Mas força na paçoca que a pegada é bruta!
Bjossss
jana disse…
nega por falar em cobra eu tenho uma aqui que vc vai ADORAR. estou falando da anaconda do Pp.
he he he
mas é só para vc morrer de inveja, não sou mais loira, portanto, não sou mais burra. não empresto mais ele e se vc quiser vai ter que pagar e caro.
ha ha ha
bjs
Goreti disse…
Cobras também tem predadores!
Ah!se tem...
Fica bem!
Força aí Nega!!!
Beijos!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe