Pular para o conteúdo principal

Meu "namorado"


Ele não é meu namorado, mas assim o chamarei aqui. Aliás, o codinome irônico usado por mim e pela Polly para as nossas 'pegadas' não cai bem para esse ser de quem irei falar. De quem desde sexta-feira tenho tido vontade de vir aqui falar, revelar, traço desse relacionamento efemêro, mas completamente satisfatório.

Eu estou feliz e ele também. E não digo sexualmente, embora nossa relação seja baseada nisso. Mesmo com a conversa inicial, às vezes íntima, às vezes artificial, a base do nosso contato é o sexo. Mas, cada palavra trocada, cada gesto de atenção, físico e de tesão vem sempre com muito carinho. E isso me toca demais. Me emociona e sensibiliza porque meu namorado está ali por mim. Como ele mesmo diz: pelo meu sorriso, minha risada, minhas gírias, minhas brigas, meu toque, meus porquês.

Sou eu e mais nada. Pacote fechado... Um embrulho pra presente completamente seguro e mimado. Assim é o que acontece entre a gente. Eu cedo e ele também. Eu agrado e ele muito mais. Eu falo e ele executa (essa parte é muito mais satisfatória...). A gente se vê pouco, se encontra pouco, se fala pouco, se toca muito pouco, mas cada minuto tem a pureza e a sinceridade que poucos casais têm. Garanto!

Farei agora uma livre adaptação da música Toda Forma de Poder! dos Engenheiros do Hawaí:


O carinho é fascinante

Deixa a gente ignorante fascinada

É tão fácil ir adiante

E esquecer que a coisa toda está errada...

* * *


Casamento

Hoje recebi o convite de casamente de uma das minhas primas. É a segunda tentativa dela e, ao que me lembre, ela tem cerca de 40 anos. Não que a idade tenha "documento". Eu faria a mesma coisa na siuação dela, mas comento isso pela opção que fiz na juventude. Optei pela profissão! Acho que não foi uma boa troca.

Enfim, eu já havia dito que compareceria na cerimônia e recepção e será o que farei! Bem feliz! Afinal, algumas mulheres da família Araújo tem que se dar bem na vida amorosa... Parabéns Izandra. Daqui a 30 dias estarei aí, dizendo Amém contingo.

* * *


Não identificado

Tenho recebido ligações não identificadas novamente no meu celular... Fazem umas três semanas que isso recomeçou e provavelmente é a mesma pessoa que ligava em 2007 e 2008. Ao contrário das outras vezes, agora eu atendo para ver se a pessoa tem coragem de falar comigo. Mas não! É só para bisbilhotar mesmo... Que chato.

Essa pessoa deve ser uma pessoa triste e amargurada demais para ficar se preocupando com a vida dos outros, suas companhias e investida. Eu aprendi que uma hora chega a vez da gente. Que tem momentos que a gente perde e em outros ganha. Simples assim. Dessa vez ela perdeu...

Comentários

* Patty * disse…
E a vida não é mesma de momentos?

Quem sabe numa dessas a gente acaba encontrando aquela peça q está faltando no nosso quebra cabeça!?

Beijão
Que interessante esse romance heim!Estou torcendo por ti garota!Bjs
jana disse…
"meu namorado"?
é quem estou pensando?
RosanaK disse…
Hum....novidades no pedaço, quero saber tudo!!!!
Menina, to perdendo meus seguidores...de 24 passaram a 20... :(
RosanaK disse…
Acabei de ler que houve uma mudança no blogger que reduziu o número de seguidores...ufa, pensei que os meus tinham desistido de mim...rsrsrsrsrs!

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe