Pular para o conteúdo principal

Prazo de validade


Não costumo dar muita importância a prazos de validade em produtos alimentícios, remédios e coisa e tal após eles vencerem nas prateleiras da minha casa. Mas a respeito de decisões, atos, comportamentos, promessas da vida sim. Isso me toca...

Pois então, o meu prazo de validade está vencido. Um ano já. Vou explicar... Quando cheguei em Videira, disse ao Nandiko que ficaria em Videira por no máximo dois anos. A data de registro seria a da chegada por aqui, que é hoje: 16 de janeiro.
Há três anos desembarquei numa manhã de segunda-feira na cidade; um pouco assustada, com medo, curiosa, ansiosa e disposta a me aventurar. Estava feliz pela decisão e ao mesmo tempo triste. Várias emoções se mesclaram em mim naquele período, que só foram se intensificando com o passar dos meses e com os acontecimentos da vida. Mas como quase tudo na minha vida, não tenho nenhum arrependimento, principalmente em relação a ter aceitado ao convite inusitado do então, recente amigo.

Desde então, muitas coisas aconteceram comigo, numa rapidez como se vivesse na sob a velocidade da luz. Inexplicável! Fui feliz e triste várias vezes, mas numa troca tão rápida, que até o David Coperphild ficaria assombrado. Fui surpreendida, recompensada, tive perdas. Fui amada e odiada. Conquistei amigos, desenvolvi inimigos (item exclusivo daqui). Chorei muito, ri demais também. Me preocupei na mesma intensidade em que sosseguei.

Hoje não sei dizer o que me mantém em Videira. Costumo dizer que é por causa do emprego, afinal, as oportunidades estão raras nos grandes centros e agora parece que o desemprego se espalha também para os pequenos. Mas não... Bem dentro de mim sei bem que não é pelo trabalho certo. Porém, em relação a isso tenho que agradecer a esta cidade, que me deu a chance de atuar como repórter de jornal. De poder errar, assumir e corrigir sem ônus para minha carreira. De tentar experiências e receitas novas no processo jornalístico, de poder aprender sem pressa, de conhecer pessoas e ‘pessoas’. E principalmente de ter liberdade na forma de atuar. Experiência inigualável que nem as desvantagens e dificuldades existentes podem sufocar (afinal, nem tudo – mesmo – são flores).

Mas, uma coisa é certa e isso é algo que valorizo muito e que é único e exclusivo de Videira. Aqui em aprendi a me conhecer melhor. Hoje eu sei do que sou capaz, até onde posso ir, da intensidade dos meus sentimentos, da minha capacidade de julgamento, pré-conceitos, desejos e medos. Hoje eu sei como sou 100%... E isso é o meu maior mérito conquistado nessa cidade. Thanks Videira City! Mas não virei chapa branca não. As críticas continuam fervilhando na mente e estou animada de novo para expô-las. Aguardem...
OBS.
Vai te preparando Eu Mesmo Disse. O debate voltará. Mas acho que agora tu já sabe que pode me expulsar o quanto quiser, que só saio quando eu querer... Huahuahua.

Comentários

Então menina!O importante não é onde estás e sim que sejas feliz.Eu que vim só para saber como era Floripa e aqui estou há seis anos já,aprendendo mais e mais a cada dia.Boa sorte pra nós né.Beijos
Eli, tu tens toda razão baby. Que sejamos todos felizes aonde for que estivermos. E pode dizer que estou assim: feliz!
o casalqseama* disse…
penso que, por experiência própria, o que te segura em videira, não é a cidade... são a tua coragem, persistência, felicidade, transgressão e vontade! afinal, esses sentimentos aconteceriam e qualquer lugar!

parabéns.
gosto de te ouvir!

bjão da fê =D

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…