Pular para o conteúdo principal

Noites Felizes


Beira Mar de Floripa 2009 - by Elisangela Sottili
(roubada do orkut, mas vocês podem ler o blog da guria. É show!)

Uma verdadeira noite feliz o Natal deste ano lá em casa. Delícia! Tivemos tudo que cada um precisava. Companhia, Harmonia, Felicidade, Saúde e Presentes. Eu que tinha receio de ter uma noite tumultuada, com visitas surpresas, algazarras, trabalho extra e coisa e tal, me enganei. Cada um fez a sua parte e ao mesmo tempo descansou o necessário. Festejamos o suficiente, comemos satisfatoriamente, bebemos sem excessos. Rimos, ouvimos músicas, conversamos, trocamos gentilezas e carinhos.
Não tenho as fotos do Natal lá de casa, porque meu excelentíssimo chefe deletou as minhas imagens da minha câmera digital, emprestada a ele. Mas tudo bem, os momentos estão registrados na minha memória. Momentos de pura tranqüilidade e felicidade. Nesses oito dias em Porto Alegre eu sai muito pouco, mas tive a convivência exata e necessária entre o povo lá de casa. Curti mãe, pai e mano. Até a mana, durante dois dias comuns de nossa estada na capital gaúcha. Ainda deu para me deleitar com a companhia divertidíssima do Alexandre e um happy com o Tigre e a Márcia, minha amiga queridona que herdei da pós.
Ainda fui agraciada da presença do PP e da Jana, em plena véspera de Natal. Até pensei que Papai Noel tivesse chego mais cedo e de “Fião” – linha 255, Caldre Fião, de ônibus urbano que atende meu bairro. Depois de despertar lentamente e resistir ao cotidiano da casa, um torpedo me dizia para ir a janela e acenar para os dois... Que desceram na parada certa para tomar um cafezinho amigo. FDP sem etiqueta... Oito horas da manhã não se visita ninguém, oras! Pois esses mesmos se fizeram de difíceis e me deram o bolo. Eram convidados do réveillon aqui de casa, assim como a Mirela, que cumpriu com a palavra e veio. Ao contrário dos dois tratantes... Azar o deles que ficaram ilhados em Balneário Camboriú, enquanto nós entorpecendo de skoll gelada, comidinhas, chope a beira da piscina e cantoria.
E por falar em réveillon, esse foi também no estilo Paz e Amor. Bem como pensei. O reforço pós meia-noite não veio, mas também não fez falta. Tudo que a gente precisava estava ali, ao nosso alcance. Amigos do peito, Saúde, Paz e Amor. Pra que mais que isso para marcar a simbologia no Ano Novo?
.
.
Novos Alvos
Paula Lima
Composição: Mart´nália / Ana Costa / Zélia Duncan

Sempre chega um dia na vida
Chove um outro ponto de vista
Outra porta, outra esquina
Pra me encontrar
Por mais que eu perceba as saídas
Dúvidas são sempre bem-vindas
Estou esperando notícias
De outro lugar
Cansei de olhar espelhos de agora
Vou mirar novos alvos, me solta
Tempo que escorre agora e eu vou, eu vou
Cansei de olhar espelhos
Quero um olhar inteiro e vou
De outro lugar me vejo
Por outra saída eu vou
Quem viver verá meus sonhos
Mudando todos os planos
E voltando pro mesmo lugar

Comentários

Nanda Assis disse…
bacana demais tudo isso,

bjosss...
jana disse…
nega degraçada e bocuda
disse que "adorou" nossa vista e agora fala mal de nós
nó fomos no ano vo pq realmente não deu
vc precisa aprender a confiar mais nas pessoas negona
bjs
caurosa disse…
Olá amiga Elaine, espero que o novo ano seja realmente um ano de novos desafios e grandes projetos surjam para realizarmos. Adorei a música e o vídeo, um trio de peso na composição.
Principalmente a maravilhosa Zélia.

Forte abraço

caurosa
Jana, vou reclamar a ausência de vocês durante todo o ano... huahuahuahua!
Belo post heim!!!Amei que citou meu blog!Sou uma aprendiz ainda,mas quando crescer quero ser como vc!Ah também amei as canções.Temos muitas coisas em comum.Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…