Pular para o conteúdo principal

Cor de Rosa no jornal


Toc, toc! Tem ladrão em casa?

Faz algum tempo, alguns comerciantes da Rua João Zardo, na localidade do bairro De Carli, falaram de suas aflições. O assunto? Insegurança. A cabeleireira já perdeu as contas de quantas vezes entraram no seu estabelecimento, até que as grades fossem postas no local. Mesmo assim, os ladrões apenas trocaram de porta. A senhora residente no piso de cima do salão de beleza passou a ter a casa freqüentemente arrombada pelos larápios. Por precisar de ajuda, devido a saúde debilitada, passa grande parte dos dias fora e quando volta sempre sente falta de algum pertence. Um eletrodoméstico, roupas, calçados... Não é mais nem surpresa para ela.
Os proprietários de mercados ao longo da rua também são outros recordistas. Pelo menos uma vez já foram assaltados no local. Mas fica a preocupação de quando poderá ser a próxima vez. A torcida de quem já foi vítima de roubo ou furto no bairro é sempre para que não haja violência física, mas a perda material não deixa de ser menos importante também. Afinal, é fruto do trabalho diário de cada comerciante ali.
Já as donas de casa sofrem com a audácia dos jovens infratores, que levam roupas e tênis do varal. Os mais audaciosos entram nas residências vazias e levam alguns bens como liquidificadores, aparelhos de som e imagem. Mas o que mais as indigna é quando pedem ajuda da Polícia Militar. Uma moradora revelou que suas vizinhas ouviram dos agentes, que eles até sabem quem são, mas que não podem prender sem um flagrante. Outras vezes elas chamam a polícia, que nem sequer aparecem no local, revoltando ainda mais a população do bairro.O major da Polícia Militar garante que todos os chamados são verificados, mas lembra que o pouco efetivo dificulta o atendimento a comunidade. Resta agora esperar que o Governo do Estado destine mais policiais militares, a exemplo da Polícia Civil, que teve o advento de mais dez pessoas para o trabalho na região.


* * *

Pois então, a divergência de opiniões gera o debate e isso alimenta o intelecto de um povo. O único problema que vejo é quando a vaidade das pessoas está envolvida nesse processo. O texto acima foi publicado na minha coluna no Jornal Correio de Videira, no último sábado. Depois de blablablás pra lá e outros pra cá, houve o denominador comum que cada um tem sua opinião e ninguém arreda o pé.

Em casa, com os meus botões, concluí: Nem o Papá diz amém pra tudo, eu, que cumpro meu papel de comunicadora, muito menos. Mas se vocês querem saber, penso que uma polêmica no final sempre é divertido. Agita as idéias, mas sem a juba, porque pra isso eu não tenho paciência...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…