Pular para o conteúdo principal

Comer, Amar, Rezar




Lá vou eu a economizar um livro novamente. Empolgada pelo ânimo da Mayara, sobrinha da Silvitcha, pedi esse livro para ler. Na mesma noite degustei o prefácio e mais um capítulo da primeira parte. Poucas páginas. E larguei o negócio ao lado da cama, mesmo tendo simpatizado com a história.
No último final de semana levei o livro para Porto Alegre, na esperança de continuar com a leitura enquanto esperava a prova do concurso começar (escreverei sobre isso em breve). Que nada! Tava tão cansada que sai de casa em cima do laço e só tive tempo de chegar a minha sala, dez minutos antes do tempo regulamentar. Com isso, Comer, Amar e Rezar foi o que pratiquei em 48 horas, ao invés de ler.
Ao voltar para casa, depois de um dia cansativo e sonolento, entrei no ônibus da Unesul, rumo a minha outra casa, em Videira. Sem sono e com 20 minutos de espera para zarpar da rodoviária de Porto Alegre (não teve filminho desta vez) decidi abrir o livro e relê-lo desde o início. Bastou relembrar o primeiro capítulo e comecei a chorar com a história de vida da Liz Gilbert. Nunca passei por sua experiência, mas já chorei muito no banheiro, passei noites em claro e foi pela dor, assim como ela, que pedi fervorosamente a Deus para deixar de amar, contradizendo muitas lágrimas anteriores, anos antes, que pediam um amor para findar com minha solidão juvenil. Bastou lembrar disso que já me pus a chorar entre as linhas...
De repente ela se vê com desejos. Vontade de aprender uma língua estrangeira, de viajar sem ser a trabalho e de se permitir a amar. Engraçado... Quando se passa por momentos tristes, sejam eles a natureza que for, a gente pensa mais na gente ao mesmo tempo que na humanidade também. Afinal, sempre pode existir alguém em pior situação que a nossa... É dessa maneira que a gente cria vergonha na cara para levantar a cabeça e ver que; sim, nossos problemas são importantes e merecem atenção, mas não os únicos do mundo e que, portanto, podem ser resolvidos de alguma forma, ao contrário do que a miséria na África do Sul, a Guerra Santa e os desastres naturais. Aí sempre achamos que merecemos melhores momentos e nos presenteamos com prazeres mundanos e isso parece e ainda me é muito natural após momentos de desespero. Daí os desejos, às vezes insanos...
Por isso compreendo bem os desejos da personagem autora do livro Comer, Rezar, Amar. Me apaixonei pelo livro, que tem poucas páginas e que portanto sei bem que vou começar a racionar a leitura. Pelo menos até que me peçam o livro de volta...

Sinopse

Elizabeth Gilbert estava com quase trinta anos e tinha tudo o que qualquer mulher poderia querer, mas em vez de sentir-se feliz e realizada, sentia-se confusa, triste e em pânico. Enfrentou um divórcio, uma depressão debilitante e outro amor fracassado. Até que decidiu tomar uma decisão radical: livrou-se de todos os bens materiais, demitiu-se do emprego, e partiu para uma viagem de um ano pelo mundo - sozinha. "Comer, Rezar, Amar - A Busca de Uma Mulher Por Todas as Coisas da Vida na Itália, na Índia e na Indonésia", da editora Objetiva, é a envolvente crônica desse ano. Em Roma, estudou gastronomia, aprendeu a falar italiano e engordou os onze quilos mais felizes de sua vida. Na Índia dedicou-se à exploração espiritual e, com a ajuda de uma guru indiana e de um caubói texano surpreendentemente sábio, viajou durante quatro meses. Já em Bali, exercitou o equilíbrio entre o prazer mundano e a transcendência divina. Tornou-se discípula de um velho xamã, e também se apaixonou da melhor maneira possível: inesperadamente. Escrito com ironia, humor e inteligência, o best seller de Elizabeth Gilbert é um relato sobre a importância de assumir a responsabilidade pelo próprio contentamento e parar de viver conforme os ideais da sociedade. É um livro para qualquer um que já tenha se sentido perdido, ou pensado que deveria existir um caminho diferente, e melhor.


Ficha Técnica

Título: Comer, Rezar, Amar

Subtítulo: A Busca de Uma Mulher Por Todas as Coisas da Vida na Itália, na Índia e na Indonésia

Autor:
Elizabeth Gilbert
Editora: Objetiva

Edição: 1a. edição, 2008

Idioma: Português

Número de páginas: 344 páginas

Comentários

Nanda Assis disse…
boa dica deve ser bom.

bjosss...
RosanaK disse…
Dae Bagacêra!!!!

Descobri um tal de bubbleshare, que faz uma apresentação de imagens, para o teu selo como vc queria.
O site é http://www.bubbleshare.com/ e se quiser ver melhor como fica, vá até o final do blog http://monique-conversaafiada.blogspot.com/ que tem lá...acho que era isso que vc procurava.
Tem meme pra vc lá no meu blog.
Bjks da Patty
caurosa disse…
Olá querida amiga Elaine, me parece que o livre é bem interessante. O título está na ordem certa. Comer, sem comida o corpo não funciona. Rezar, a oração é o alimento do alma. O amor é o complemento final na busca por uma vida feliz.

Saúde e paz,

Forte abraço

caurosa
Quase Trinta disse…
Não conhecia esse livro mas lendo seu post e depois a sinopse acho q preciso ler urgentemente...rs

Quanto a pergunta no meu blog, meu nome é Fabiana...

beijos e ótimo final de semana
Também gostei.Logo que terminar o outro vou começar a ler esse.Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…