Pular para o conteúdo principal

Chega!



Xente! Desculpe, mas esse ano vai ser foda. Espero que no sentido literal também. 2008 foi muito fraquinho... Mas não vim aqui falar de sexo. O que quero prevenir-lhes é que este ano não vou disfarçar, dissimular ou esconder meus sentimentos. Não quero nada represado dentro de mim por mais de 24 horas. Não quero palavras não ditas ou presas na garganta, muito menos ficar remoendo emoções ou fantasiando conversas. No esquema do vai ou racha, tudo vai.

No ano passado tentei preservar mais as pessoas em minha volta. Isso não faz parte de mim. Tudo que eu sinto eu falo, eu digo. Sempre fiz assim e não vai ser por mais 12 meses que conterei as emoções. Também é respeito a quem amo e me cerca ser o que sempre fui: sincera. Então se preparem para ouvir, ver e serem tocados (fisicamente, pois falo com as mãos também) quando estiver feliz ou triste, com amor ou ódio, cansada ou com vigor, boa ou má, irônica ou delicada, rindo ou chorando.

2009 é o ano do oito ou oitenta, mas sempre com sentimentos verdadeiros. Afinal, não tenho e nunca tive que ter vergonha dos meus sentimentos, porque sou assim, um ser repleto de sensações e emoções ambulante. Tenho um músculo que pulsa no lado esquerdo do peito. É dele que emana para todos os membros esse cenário complexo de reações, impulsionadas por uma mente criativa, nada sensitiva, mas de pura adrenalina sentimental.

Chega! Quando for hora do riso, rirei. Quando tiver que chorar, chorarei (é bem verdade que choro muito...) e quando tiver que gritar, espernarei, socarei e, por fim, gritarei... Catarse pura! Bom, é melhor já antecipar também os agradecimentos: obrigada gente, pela futura paciência...

Explode Coração
By Gonzaguinha

Chega de tentar dissimular
E disfarçar e esconder
O que nao da mais pra ocultar
E eu não posso mais calar
Já que o brilho desse olhar foi traidor e
Entregou o que você tentou conter
O que você nao quis desabafar e me cortou

Chega de temer, chorar, sofrer
Sorrir, se dar, e se perder, e se achar
Que tudo aquilo que e viver,
Eu quero mais e me abrir
E que essa vida entre assim
Como se fosse o sol
Desvirginando a madrugada
Quero sentir a dor dessa manhã

Nascendo, rompendo, rasgando,
E tomando meu corpo e então eu
Chorando, sofrendo, gostando, adorando, gritando
Feito louco, alucinado e criança
Sentindo o meu amor se derramando
Não da mais pra segurar
Explode coração

Comentários

RosanaK disse…
É bom a gente não segurar os sentimentos...por tudo para fora, mas às vezes é difícil né....Sorte pra ti!
beijinhos...
Nanda Assis disse…
o linda o seu jeito é muito especial e nem deve ser mudado.

bjosss...
§ρΗІПЖ disse…
Existem momentos na vida que precisamos dar um basta! E nem o céu é o limite para que uma atitude, uma postura, transmute em benéfico uma situação de conflito, somos de carne, osso e sentimento.

E se esse é o teu momento de decisão, decida-se pelo melhor pra ti, encontre a peça do quebra-cabeça que está faltando, mas jamais pense em desistir, nunca deixe que a fadiga das intempéries coloque em xeque suas convicções

Força amiga

§ρΗІПЖ
o casalqseama* disse…
yeahhhhhhhhhh!
engolir emoções faz mal à saúde!!!



menina linda,
que o teu 2009 seja de pura inspiração e inteeeensa transpiração!

bj carinhoso da fê =D
caurosa disse…
Olá querida Elaine, você fechou com chave de ouro este post. O grande e genial Gonzaguinha sempre me traz saudade. Parabéns pela bela escolha.

Saúde e paz,

forte abraço

caurosa
O Profeta disse…
Um abrigo feito de pedras
Uma porta sem entrada
Uma janela fugida à luz
Aprisiona alma desencontrada

Um tecto feito de estrelas
A Lua brinca com fios de luz
Um cometa passou rasante
Um coração o outro seduz



Bom domingo


Mágico beijo

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…