Pular para o conteúdo principal

As beldades da Vale Samba



Elas não contam ponto para a escola, mas todos, principalmente os homens, dão nota 10 às mulheres que vêm à frente da bateria. Receber o título não é para qualquer uma. Em geral, as “deusas” de uma escola de samba precisam muito mais atributos do que só a beleza. É preciso samba no pé, carisma e envolvimento com a agremiação. Mesmo com tantas exigências, sobram candidatas dispostas a receber o posto mais cobiçado do desfile. Afinal, elas são o alvo preferido dos flashes, ganham destaque da imprensa e olhares de admiração do público.Assim, todo ano, as diretorias sempre têm um problema nas mãos para a definição. “A mulher que desfila em frente ao batalhão de homens tocando seus instrumentos de percussão tem uma responsabilidade ímpar. Ela tem que estar linda e saber sambar muito bem, além de mostrar sua simpatia e sensualidade”, explica o presidente da Vale Samba, Carlos Alberto de Pelegrin, o Preto. A escola, desde o ano passado, vem logo com três lindas meninas: musa, rainha e madrinha. Todas pratas da casa.Ingrid Lima, Priscilla Severo Rodrigues e Samara Telles são as privilegiadas. Além dos corpos esculturais, elas têm outras semelhanças: ensaiam muito; dão atenção especial à preparação física e vêm da comunidade. O trio tem pais, mães, irmãos, toda a família, enfim, engajada com a escola. Em comum, ainda há o luxo, brilho e bom gosto das fantasias. Agora, é esperar para conferir o efeito que provocarão. Qual fará mais sucesso em 2009? A resposta é impossível. Quando surgirem na avenida, o público ficará de pé na lotada XV de Novembro do carnaval de Joaçaba.

A musa

Mesmo com apenas 18 anos, o currículo já é extenso dentro da Vale Samba. Em oito anos de participação, foi passista, destaque de chão, destaque de carro, integrante de ala coreografada. Samara Telles é filha do vice-presidente, Jaime Telles. A mãe, There Telles, também faz parte da diretoria, ajuda na confecção de carros alegóricos e desfila. Tudo começou com a irmã mais velha, Sarita, que também contagiou o irmão, membro da bateria. Ufa! A família dá mesmo o sangue pela escola.No ano passado, a convite do presidente e do carnavalesco Jorge Zamoner, Samara ganhou o cargo de musa. O samba no pé foi o grande motivo. Aprendizado adquirido quando a bateria ensaiava na rua, bem perto de sua casa. Para manter o passo cadenciado, ela ensaia todas as noites. Fora isso, o preparo também envolve a alimentação. Mas, com 49 quilos, ela diz que ao contrário do que todos imaginam, come ainda mais nessa época. “Preciso ficar forte para agüentar o pique”.No dia da grande apresentação, o corpo ganha um descanso. Em casa, onde funciona o salão de beleza da mãe, recebe maquiagem e penteado especiais, que levam duas horas para ser finalizados. A fantasia tem de ser vestida com ajuda de alguém. É muita pena e pedra que não pode sair do lugar. Só com 30 minutos de antecedência, Samara chega à concentração. “Ficar esperando na avenida acaba sendo ruim. A gente cansa e fica mais nervosa”. No dia esperado por um ano, nada pode dar errado.

A madrinha

Ingrid Lima sempre, 20 anos, foi torcedora da Vale Samba, apesar de o pai, o intérprete Augusto Lima, comandar por anos o samba da Unidos do Herval. Por dois anos, ela desfilou como destaque de chão da azul e branco. Com a chegada da adolescência, afirma ter ficado em dúvida sobre o que agradava. Parou por seis anos. A volta ao universo do Carnaval aconteceu no ano passado em grande estilo. Ela desfilou à frente da bateria como madrinha depois de topar a proposta feita por dirigentes da escola em um comunicado oficial.“Pensei por um mês, mas depois que me decidi, comecei a ensaiar e não parei mais”. Esse ano, continua carregando a faixa. “Sei que minha responsabilidade é muito grande, pois tenho dezenas de afiliados”, comenta. A retribuição pela confiança que a escola deposita nela vem na forma de dedicação. “O que posso fazer é me manter bonita, aprimorar meu samba e freqüentar a quadra. Sem contar em tratar bem a todos e interagir com o pessoal da bateria”.Estudante de educação física e integrante de grupos de dança, ela se mantém em forma o ano inteiro e sabe que toda madrinha de bateria precisa seguir algumas dicas. Entre elas, não se exaltar no início do desfile para estar com fôlego até o fim. Muita água, sempre, e sono no dia do espetáculo também são regras que segue. “A disciplina vale a pena, pois quando a bateria começa a tocar e os fogos brilham no céu, a emoção é tão grande que dá vontade de chorar”.


A rainha

A trajetória de Priscilla Severo Rodrigues é bonita. Começou aos sete anos como componente de um carro. O pai e a mãe corujas foram acompanhá-la e nunca mais deixaram o barracão. O pai, Cilon Rodrigues, já foi presidente da Vale Samba. Hoje, junto com a esposa, Ane Rodrigues, está na coordenação de harmonia. Hoje com 22 anos, ela também já esteve em alas, comissão de frente e foi porta-bandeira mirim. Há cinco anos, detém a coroa da escola e mostra simpatia ao abrir o largo sorriso na sua performance pela avenida.O samba no pé é ensaiado em Florianópolis, onde atualmente trabalha como professora de educação física. A letra também tem de ser memorizada longe de casa, mas o coração permanece em Joaçaba. “É muito bom poder representar minha escola. É uma honra que me enche de emoção”, declara. Atleta de natação e envolvida com esporte e dança, Pitty, como é conhecida por todos, está sempre com o corpo em dia, mas intensifica a malhação e os cuidados com a alimentação nas semanas que antecedem o desfile.O gostinho de como será a sensação desse ano, Pitty já vai sentir nos próximos dias, numa apresentação que a Liga das Escolas de Samba de Joaçaba e Herval d´Oeste (Liesjho) fará na Capital catarinense. Ela já estará com a fantasia do enredo 2009. Roupa e adereços cheios de glamour que estão sendo preparados com todo amor e carinho pela mãe. Eufórica, não vê a hora chegar. “Todo ano me concentro nesse momento. Penso sempre em fazer o mais bonito que puder”.
Fonte: Liga das Escolas de Samba de Joaçaba e Herval do Oeste

* * *

A melhor das quatro

Há quem diga que a verdadeira musa da Vale Samba é essa nêga "mara". Hehehehe. Ela tem samba no pé, é da cor do pecado e ainda é de parar o comércio!!! Bom, se ninguém gaba, zecagaba....
Esse ano tem de novo. Ai ai...

Comentários

Um show de mulher!!!beijos

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…