Pular para o conteúdo principal

Nicotina




Nicotina, nicotina, entra no meu pulmão

Corre nas minhas veias, mata o meu coração

Nicotina, nicotina, só me traz frustação

Aí, que cheiro de fumaça tá esse meu blusão



Nicotina, nicotina

Sem ela eu não vivo

Com ela eu sobrevivo

Pelo amor de Deus, me passa um crivo



Hoje é Domingo (2) e mais tarde, quando chegar às 21 horas, completarei os primeiros três dias de novos "ares". Sim, parei de fumar na quinta-feira à noite e até só fumei de forma passiva e psicológicamente, muitas vezes psicológicamente, diria...

Não é difícil. A primeira vez que parei também não, mas confesso que fui mais corajosa e audaciosa. Fiquei vendo, dois maços de cigarros cheios, na cristaleira lá de casa, enquanto sonhava que fumava, enquanto acordava pela manhã e dava aquela vontade. Ou quando comia e após, no início da digestão, vinha aquele desejo de nicotina invandindo o pulmão. E não fumei! Depois de uma semana eu não tinha mais vontade de fumar. Vinte e três dias depois eu não sonhava mais que acendia um cigarro e tragava profundamente, saboreando a nicotina e o tabaco, "num raro prazer".

Entre 2005 e 2006 o motivo de parar de fumar foi que não queria ser uma velhinha, de 60 anos, correndo com um cigarro nas mãos, fumando desesperada para não perdê-lo, atrás do Caldre Fião. Depois, entrar no coletivo e fazer com que as pessoas sintam o cheiro, nada agradável, de nicotina. Ou então, no verão, aquele sol pegando forte na beirola da praia ou caminhando pela Rua da Praia, em Porto Alegre, suando picas, numa mistura de hidratante e cigarro.

Agora, o motivo foi mais econômico do que saudável. Eu gostava de fumar. Sempre gostei. Talvez por isso meu psicológica esteja me dizendo: Elaine, fuma só um, que não vai fazer mal! E mais uma vez eu tenho sido ferrenha, forte e decidida. Às vezes eu penso: porque não sou assim também com outras questões da minha vida, como o amor insano e ingrato que mantenho ou os 13 quilos que engordei desde novembro passado? E sempre fico sem respostas...

Bom, o que sei é que eu gastava muito mais em cigarros ao mês do que se voltasse a fazer natação, e quem sabe, também yoga. Desde setembro estava pensando em voltar, mas a grana nunca dava e não iria dar nunca se não priorizasse. E se tivesse tomado essa decisão mais cedo, tavez tivesse engordado apenas cinco quilos, ao invés dos 13 de agora, pois, não teria parado com as braçadas em março, mas precisamente dia 17. A Adelaide pegou minha ficha e disse: "Tu está oito meses parada, mas ainda bem que voltou!" O que sei é que ou eu nadava ou eu fumava. Os dois juntos eu não conseguiria manter financeiramente e nem no fôlego.

Tambén não tenho tido grandes pretensões a respeito do físico, desde que não continue engordando. Não posso comprar roupas novas para o verão, porque não tenho dinheiro e paciência para isso, além delas ainda me agradarem, embora não me entrem. Mas o que sei é que já me sinto mais leve desde Terça-feira (28), quando recomecei o exercício. Mesmo com as dores nas pernas e braços desde então, já me sinto melhor - com exceção dos meus cabelos, claro. Duas horas de piscina e eles já estão palha.

Enfim, não importa que ainda mantenha o mesmo peso. A prática de exercício, aliado a ausência de nicotina têm me deixado menos triste ou mais feliz. Mesmo assim, ainda penso como uma fumante e fico me imaginando dizendo: "me dá um cigarro?!"



Me dá um cigarro

Me dá um cigarro
Me dá um cigarro, me dá o fogo
Me dá um cinzeiro, tô no banheiro
Meu coração dói tanto que eu não durmo mais

Me dá um cigarro, me dá o fogo
Me dá um cinzeiro, tô no banheiro
Me dá um cigarro, me dá o fogo
Me dá um cinzeiro, tô no chuveiro

Não tem mais jeito nem solução
Eu tô nervoso e tenho razão
Não estaciona no meu portão
Que eu vou entrar com o meu caminhão

Não tem mais jeito nem solução
Eu já cansei de arroz com feijão
Não incendeia o meu coração
Eu já não sei se é o inferno ou não

Me dá um cigarro, me dá o fogo
Me dá um cinzeiro, tô no banheiro
Me dá um cigarro, me dá o fogo
Me dá um cinzeiro, tô no chuveiro

(TNT)

Comentários

cade vc, sumiu?
beijos
Maurizio
o casalqseama* disse…
boa sorte...
tomara que vc consiga para em definitivo!

bjs da fê* =D

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…