Pular para o conteúdo principal

Mar de gente (2)!

Atirei-me ao mar
Mar de gente onde
Eu mergulho sem receio
Mar de gente onde
Eu me sinto por inteiro...

De forma alguma eu gosto dos finais de semana em Videira. Sim, tenho que confessar. E digo o por que. Nesses quase 36 meses, nunca usei tanto a Internet como agora. Nunca estive tão sozinha como antes, com poucos amigos em volta, sem aquele mar de gente no entorno. Foi desse jeito que cresci. De repente me vejo numa cidade “nova”, com novas pessoas e lugares para desvendar e paro para analisar se nesse tempo todo eu conheci pessoas e lugares, a resposta é: “bem menos do que poderia, bem menos do que devia, bem menos do que gostaria...”
Antes, minha necessidade em me comunicar com as pessoas era saciada com contato físico, mas agora, meus relacionamentos são todos virtuais e há gente que pense que isso seja o ideal. Que dá para aliar o trabalho, o lazer e as atividades de casa quase ao mesmo tempo. Digo-vos: O ideal um caralho! Eu gosto mesmo é da força do abraço, da verdade ou da mentira no olhar, da umidade do beijo, da força no aperto de mão. E isso eu pouco faço por aqui e lastimo muito por isso.
É tempo demais para se adaptar a uma cidade... A novos valores e cultura. Em janeiro farei três que estou aqui no Meio-oeste catarinense, contente por ter conquistado as amizades que tenho ao meu lado, mas ainda insatisfeita. O perfil das pessoas na cidade ainda é a impessoalidade – que contraditório – e isso não é algo que me agrada. Em períodos como os de final de ano e aniversário, essa situação alimenta minha solidão e ressalta minha tristeza.
A pouco menos de três anos, meu MSN servia para agendar encontros com os amigos. Era uma medida econômica para quem tinha internet banda larga em casa (DSL de 400 kb) ou no trabalho. Mais prático que discar o número no celular – se bem que eu tinha um Motorola que discava com o comando da voz (amava aquele aparelho até me roubarem num hotel daqui). Não consigo entender porque as pessoas preferem ficar em casa, atrás de monitores, conversando umas com as outras quando podem estar em suas companhias pessoalmente... Era sempre um prazer encontrar os amigos, mesmo depois de 12 horas de trabalho, ou oito de trampo e quatro de estudos. Era o nosso relax...
Por isso que quando as pessoas me convidam para ir nas suas casas; eu vou (obrigada Silvia pelo encontro de mulheres)! Por isso que quando elas me convidam para conhecer o seu lar, eu aceito (obrigada Miriam). Por isso que hoje eu vou na inauguração da iluminação de Nata, ver o bom velhinho chegar no carro dos bombeiros. Por isso que quando me convidaram para ir na formatura de uma turma de informática em Arroio Trinta, eu disse sim, bem feliz (obrigada Muriel e Vanderson). Por que é nesse mar de gente que eu me atiro sem receio.

Mar de Gente – O Rappa

Comentários

Jamille Lobato disse…
"Voltar com a maré
Sem se distrair
Tristeza e pesar
Sem se entregar
Mal, mal vai passar
Mal vou me abalar"

Mudanças e situalções "alone"... conheço-as muito bem e, pode não ser uma casa nova, uma cidade nova, mas mesmo sem a intenção percebo que sempre estou em processos de mudanças.
Coisas que vão, coisas que ficam e as que virão.
Pois é minha cara, como diz a música "vai passar".

Bjus
Rosana disse…
O Nêga, eu sei bem o que vc passa...vc veio de PoA e eu Ctba...e ainda sinto o que vc sente, mas se te fizer sentir melhor, eu me empresto para vc abraçar tá, agora já aquele negócio de umidade eu não posso te quebrar o galho tá!
E já vá marcando para essa semana para me ajudar com a garrafa de vinho...eu faço um rango e a gente papeia tá!!!!
Bjinhos desde Curitiba!

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…