Pular para o conteúdo principal

Codornada


Sabia que deveria ter feito uma listinha... Quando tenho muitas coisas para relatar aqui, acabo esquecendo ou se misturando com as novidades. Enfim, o que lembro apenas é que tinha comentando "an passan" sobre o almoço na comunidade Passo da Felicidade. Isso faz uma semana, já que no último fomos, cheia de ressaca (eu, Silvitcha e Rou) degustar umas codornas.

Nunca tinha comido o bicho, embora oportunidades não tivessem faltado para isso. Confesso que estava um pouco com receio porque dessas carnes, tipo de "caça" eu fico com receio. Talvez seja porque tenha comido tanta capivara e marreco na infância e juventude, que fique com o "pé atrás" até para comer galinha caipira... Mas que nada.

A primeira mordida da coxinha das codornas do Rissi e não parei mais de comer. Uma delícia!!! As bacias de codornadas com alho e óleo, purinhas ou com bacon não paravam de chegar. Para completar uma massa caseira e polenta frita com queijo, ai... Até aquela salada amarga, raditi, tava gostosa. Tudo isso aliada a minha ressaca e voltei para casa que nem o Radicci: pançuda e ainda tontinha dos goles da noite anterior...
.

Comentários

Silvia disse…
Ai..olhando esse pintinho?codorninha aí até dá dó de comer...hehehimagina tu atracada na coxinha desse bichinho..hehe
Rou disse…
Codorna não é caça não...eles criam em aviários tá...fica tranquila!!!! E pelo menos vc não quis esconder as codornas no peitão né....hehehehe, só a Sílvia mesmo, q tava desviando codorna nos peitos para comer depois em casa...
Rou disse…
PS: gostei do Rou...pelo menos diferencia daquela outra né...KKKKKKKKKKKKKKK
Silvia disse…
Opaaaa...garantindo o jantar né..hehehe e o pior que não achei mais aquele pedaço que caiu nas peitolas.heheh
Silvitcha: He he he. Literalmente uma mulher de peito!

Kokuska: Eu tb prefiro Rou, a outra não gosta de concorrência, ha ha ha. Acho ótima a quarta-feira... Vou ter que me organizar mesmo se quiser viajar na quinta à noite.
o casalqseama* disse…
como vc é má, hein?! coloca a foto das bichinhas vivinhas e depois fala que as comeu... buáááááá, tenho medo de vc! rsrsrsrsrsrsrsrs



delicioso seu programa!


bjs da fê =D

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…