Pular para o conteúdo principal

Bê-A-Bá


Desde pequena eu sonho em ter uma ONG. Uma organização voltada a ajudar as crianças carentes e de rua. Queria acabar com a infelicidade e a pobreza entre os anjos da terra. Mas então fui crescendo e percebendo que isso era uma ilusão. Que não poderia irradicar a miséria, a fome, a tristeza, as dificuldades, a falta de oportunidades e de educação na vida desses pequenos seres.

Com o tempo desenvolvi o desejo de participar de alguma insituição como voluntária, mas nunca me identifiquei profundamente com nenhuma para que me dedicasse. Depois, tinha que ser com crianças, no máximo adolescentes. Mas os jovens me cansam rápido. Muito mais do que as crianças, cujo o cansaço é apenas físico e não intelectual como no caso dos maiores. É que reviver o processo juvenil me entedia muito e interferir na experiência dessa galera nem pensar, mas isso não quer dizer que tenha que fazer parte do cotidiano dos jovens, revivendo todas as dúvidas e situações comuns em que todos vivemos nessa fase.

Quando cheguei aqui em Videira mantive a vontade de fazer algo no campo social. Pensei nos velhinhos do Asilo, mas duas visitas a trabalho no local bastou para me deixar deprimida para o resto da vida. Não suporto abandono gente. E pensar que familiares podem abandonar seus próprios pais, por desavenças e desafetos é algo que não entendo. Por isso que eu amo minha família: a gente se pega no pau, mas nos amamos. Quando um precisa do outro, basta uma ligação e tá feita a confusão. Um maremoto acontece na família Barcellos de Araújo. Cada um de seu jeito e a sua maneira, mas sempre ajudam.

Depois de abandonar a idéia de prestar ajuda aos velhinhos pensei nos alunos da Escola Especial Tia Ana (Apae), mas várias visitas e participações em eventos da instituição, também a trabalho, me remeteram a lembranças familiares tristes demais para mim. Em alguns momentos lembro do Vinicius, meu primo lindo que tão prematuramente foi embora desse plano. Crianças nunca deveriam morrer... Mesmo doentes, com síndromes ou abandonadas. Deveria ter uma regra celestial que as protegessem da morte e só as cometessem de felicidades, mesmo sob situações difíceis como a falta de saúde ou dinheiro.

Também descartada essa possibilidade, firmei pensamento nas crianças da Casa Lar. Estava imaginando o que poderia amenizar as dores em suas jovens vidas, além de comida e histórias, que é o que sei fazer e contar. No meio desse plano todo veio o Programa Brasil Alfabetizado, que propões erradicar o analfabetismo no município entre o público a partir de 15 anos. O trabalho é quase voluntário porque a bolsa auxílio de R$ 250 provavelmente será usada para alguma big idéia que tenha a ser desenvolvida junto aos alunos. Afinal, é demais esperar que o governo custeie material didático, projetos, atividades e visitas técnicas ou educativas.

Enfim, me propus a ser alfabetizadora. Se tudo der certo, ou seja, se conseguir captar pelo menos 14 alunos no bairro para ativar uma turma, vou ensinar jovens e adultos a ler e escrever. Já tenho mil idéias em mente e propostas de trabalho com a turma, que nem sequer tem um aluno. Sei que crio expectativas demais, mas seria tri legal se ao final dos primeiros oito meses eles conseguissem identificar as vogais, as consoantes e as famílias silábicas, além de só escrever o próprio nome.

Espero realmente ter êxito nesse projeto e atender as minhas próprias expectativas, além do grupo ao qual possa estar orientando. E sim, sou do tempo do Bê-A-Bá!


Comentários

Rokoku disse…
Que coisa linda vc está fazendo, parabéns pelas idéias...e que esse projeto prospere muito. Admiro as pessoas que têm essa força de vontade de ajudar ao próximo...eu, infelizmente, ainda não cheguei a esse nível de ser humano.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…