Pular para o conteúdo principal

Insônia



Há umas duas semanas, talvez um pouco mais, tenho tido indícios de um processo de retomada de insônia. Noite sim, noite não eu acordo de madrugada e fico com os olhinhos fechados, em vão! Às vezes fico das 3 até as 6 horas assim... Tentando conter os pensamentos, as constatações, as idéias, ilusões, ou seja, qualquer tipo de função que mantenha o cérebro desperto. Tento fazer com que ele volte a dormir, mas não tenho tido êxito.
Minha primeira experiência com a insônia foi em 2006 e num ritmo tão intenso que não quero repetir. Então tenho ficado na cama, rolando de um lado para outro até que o corpo cansa, o cérebro cansa e durmo, mas isso lá se foi muito tempo, lá se foi uma noite inteira. Fico impressionada como o tempo passa de forma improdutiva quando se está nesse estágio. Fico na dúvida entre levantar e fazer algo como arrumar o quarto ou escrever e acabo permanecendo no mesmo lugar com medo de que se por os pés para fora da cama, até meu desejo de voltar a dormir vá embora. É nesse momento que olho o relógio do celular e percebo que já era. O que temia aconteceu e nada fiz.
Antigamente eu costumava ter DVDs no quarto. Sempre tinha vários filmes. Como o período era mais punk, todos eles eram comédias pastelões para gargalhar de rir, até molhar as calcinhas. O máximo que conseguia era esboçar um sorriso, depois de muito chorar, claro. E só corria o risco de molhar as calcinhas quando tinha preguiça de levantar para ir ao banheiro. Nessas noites atrás, o clima por aqui tava frio e nem cogitava a hipótese de levantar da cama, nem para fumar acompanhado do bom e velho vinho, companheiro, na sacada. Então loquei fitas, de novo, mas desta vez com belos dramas do cinema atual. Pronto, foi só eu saber que havia esquecido de pagar a locadora, há meses, que parei com essa bobagem. Decidi atualizar a série Lost e Heroes para que, além do sono, eu perca dinheiro com filmes que posso ver na Sky se souber aguardar.
Tentei todas as técnicas de antes. O de escrever no diário, o de ouvir música para dormir, aquela no estilo new age (adoro), ver filmes, ler e agora de escrever. Mas o processo não pode continuar. Essa quinta-feira eu li a coluna do pastor Sérgio, da Igreja Luterana do Brasil aqui de Videira – eu ainda recebo por e-mail, mesmo não trabalhando para mais para o Jornal A Coluna. A princípio fiquei curiosa com o título do e-mail e fui procurar o conceito no dicionário, mas não encontrei porque, na verdade, ele havia esquecido de digitar a letra O e ainda trocado o S de lugar. O tema era “Insônia”. Li antecipadamente o material...
“A preocupação com a atual crise na economia está roubando o sono de muita gente. Conforme pesquisa realizada na Inglaterra, 20% dos entrevistados têm dormido menos do que cinco horas por noite, enquanto 25% chegam a levantar três vezes da cama. Mas a insônia não vem de agora, é um problema comum no mundo ocidental dos últimos tempos. No Brasil, mais de 35 milhões de pessoas sofrem deste distúrbio. A agitação do dia-a-dia, as inúmeras obrigações, e as dificuldades financeiras são as principais causas, dizem os especialistas, e as conseqüências estão aí, na cara de gente mal humorada.” Assim abriu o texto para o jornal. Acredito que toda a pessoa que sofre de insônia sabe qual a causa do mal. Eu sei...
Mas, o que chamou minha atenção no texto do pastor Sérgio Mundstock foram as citações bíblicas. “Ora, se dizem que o mal da insônia são as preocupações, este Jesus à direita de Deus – que pede ao Pai em nosso favor (Romanos 8.34), ele mesmo sugere: ‘Não fiquem preocupados com o dia de manhã, pois o dia de amanhã trará as suas próprias preocupações. Para cada dia bastam as suas próprias dificuldades’ (Mateus 6.34)”. Então lembrei do meu lema de que vivo por prazer e é por prazer que eu vivo, sendo um dia de cada vez. E fiquei agradecia ao pastor me lembrar disso. Para ele, o problema no sono não é o tamanho da conta bancária nem das dificuldades, mas o tamanho da fé. É verdade!




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…