Pular para o conteúdo principal

Insônia



Há umas duas semanas, talvez um pouco mais, tenho tido indícios de um processo de retomada de insônia. Noite sim, noite não eu acordo de madrugada e fico com os olhinhos fechados, em vão! Às vezes fico das 3 até as 6 horas assim... Tentando conter os pensamentos, as constatações, as idéias, ilusões, ou seja, qualquer tipo de função que mantenha o cérebro desperto. Tento fazer com que ele volte a dormir, mas não tenho tido êxito.
Minha primeira experiência com a insônia foi em 2006 e num ritmo tão intenso que não quero repetir. Então tenho ficado na cama, rolando de um lado para outro até que o corpo cansa, o cérebro cansa e durmo, mas isso lá se foi muito tempo, lá se foi uma noite inteira. Fico impressionada como o tempo passa de forma improdutiva quando se está nesse estágio. Fico na dúvida entre levantar e fazer algo como arrumar o quarto ou escrever e acabo permanecendo no mesmo lugar com medo de que se por os pés para fora da cama, até meu desejo de voltar a dormir vá embora. É nesse momento que olho o relógio do celular e percebo que já era. O que temia aconteceu e nada fiz.
Antigamente eu costumava ter DVDs no quarto. Sempre tinha vários filmes. Como o período era mais punk, todos eles eram comédias pastelões para gargalhar de rir, até molhar as calcinhas. O máximo que conseguia era esboçar um sorriso, depois de muito chorar, claro. E só corria o risco de molhar as calcinhas quando tinha preguiça de levantar para ir ao banheiro. Nessas noites atrás, o clima por aqui tava frio e nem cogitava a hipótese de levantar da cama, nem para fumar acompanhado do bom e velho vinho, companheiro, na sacada. Então loquei fitas, de novo, mas desta vez com belos dramas do cinema atual. Pronto, foi só eu saber que havia esquecido de pagar a locadora, há meses, que parei com essa bobagem. Decidi atualizar a série Lost e Heroes para que, além do sono, eu perca dinheiro com filmes que posso ver na Sky se souber aguardar.
Tentei todas as técnicas de antes. O de escrever no diário, o de ouvir música para dormir, aquela no estilo new age (adoro), ver filmes, ler e agora de escrever. Mas o processo não pode continuar. Essa quinta-feira eu li a coluna do pastor Sérgio, da Igreja Luterana do Brasil aqui de Videira – eu ainda recebo por e-mail, mesmo não trabalhando para mais para o Jornal A Coluna. A princípio fiquei curiosa com o título do e-mail e fui procurar o conceito no dicionário, mas não encontrei porque, na verdade, ele havia esquecido de digitar a letra O e ainda trocado o S de lugar. O tema era “Insônia”. Li antecipadamente o material...
“A preocupação com a atual crise na economia está roubando o sono de muita gente. Conforme pesquisa realizada na Inglaterra, 20% dos entrevistados têm dormido menos do que cinco horas por noite, enquanto 25% chegam a levantar três vezes da cama. Mas a insônia não vem de agora, é um problema comum no mundo ocidental dos últimos tempos. No Brasil, mais de 35 milhões de pessoas sofrem deste distúrbio. A agitação do dia-a-dia, as inúmeras obrigações, e as dificuldades financeiras são as principais causas, dizem os especialistas, e as conseqüências estão aí, na cara de gente mal humorada.” Assim abriu o texto para o jornal. Acredito que toda a pessoa que sofre de insônia sabe qual a causa do mal. Eu sei...
Mas, o que chamou minha atenção no texto do pastor Sérgio Mundstock foram as citações bíblicas. “Ora, se dizem que o mal da insônia são as preocupações, este Jesus à direita de Deus – que pede ao Pai em nosso favor (Romanos 8.34), ele mesmo sugere: ‘Não fiquem preocupados com o dia de manhã, pois o dia de amanhã trará as suas próprias preocupações. Para cada dia bastam as suas próprias dificuldades’ (Mateus 6.34)”. Então lembrei do meu lema de que vivo por prazer e é por prazer que eu vivo, sendo um dia de cada vez. E fiquei agradecia ao pastor me lembrar disso. Para ele, o problema no sono não é o tamanho da conta bancária nem das dificuldades, mas o tamanho da fé. É verdade!




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…