Pular para o conteúdo principal

Cor de Rosa



O impacto do "verde" nos negócios


Mais uma vez abro espaço para referenciar o meio ambiente. Desta vez, o tema é o impacto do “verde” nos negócios. O tema foi abordado em pesquisa divulgada na revista Carta Capital da última semana. O estudo é da TNS InterScience sobre o impacto do "verde" no mundo corporativo e ouviu 100 executivos de empresas dos setores de alimentos e bebidas, têxtil, automotivo, de informática, de telecomunicações, de autopeças, de serviços, eletroeletrônico, farmacêutico, químico, metalúrgico, siderúrgico e petroquímico.
A grande maioria dos entrevistados, 80%, afirma que sua empresa mantém alguma iniciativa em favor do meio ambiente, mas a pesquisa não traz exemplos concretos, já que “alguma iniciativa” é um conceito bastante amplo e vago. Os resultados ficam mais interessantes, porém, quando mostram a forma como os executivos percebem a incidência da preocupação ambiental sobre os negócios.
Mais da metade, 52%, acredita que o comportamento verde influencia o seu mercado. Na questão “por que vale a pena adotar práticas ambientalmente responsáveis”, 35% responderam que a sociedade valoriza atitudes verdes. Outros 31% assinalaram que os clientes preferem marcas que demonstrem consciência ambiental; 23% destacaram que fornecedores e concorrentes já estão se adequando para oferecer soluções verdes e 13% disseram que atitudes verdes repercutem na imprensa.
Por fim, na opinião de 88% dos executivos, a tendência verde vai se consolidar no mundo das empresas. Agora a minha dúvida: Porque as indústrias e empresas deste segmento ainda não adotaram atitudes verdes em seus processos produtivos, se os benefícios são economicamente e socialmente positivos?

Fonte: Ecoagência de Notícias

PESSOAS E COTIDIANO

Responsabilidade no trânsito
“Quando os pais pensam em dar o volante de um carro ao filho, tem que pensar também em responsabilizar o filho sobre o instrumento fantástico que terá nas mãos, mas que se usado inadequadamente se transforma numa arma mortífera. No Brasil, infelizmente a gente não tem essa consciência. Um acidente de trânsito pode trazer conseqüências terríveis não só para a vítima, como principalmente ao causador do acidente”, comentou comigo o juiz Luiz Henrique.

Conselheiros Tutelares
Desde o dia 6 estão abertas as inscrições para quem estiver interessado em ser do defensor dos direitos das crianças e do adolescente. O candidato deve ter idade mínima de 21 anos e ter nível superior ou estar cursando o terceiro grau. Até o dia 24 do corrente mês, o setor de Serviço Social estará disponibilizando a lista de documentos necessários e a ficha de inscrição. A eleição acontece dia 13 de dezembro e todas as instituições cadastradas junto ao Conselho Municipal da Criança e do Adolescente têm direito a voto.

Coral de Vozes
Amanhã, 19 de outubro, o coral Suíço mais antigo de Zurich estará se apresentando em Videira. O grupo completa 180 anos e está fazendo uma viagem festiva e quem ganhará o presente é a comunidade videirense com a apresentação do grupo na Igreja Evangélica de Confissão Luterana do Brasil, no bairro Floresta, às 20 horas. A entrada é franca, mas quem puder contribuir com um quilo de alimento não perecível pode fazer.

Projeto Criança Feliz
A campanha da Farmácia Geremias que arrecadou brinquedos para serem distribuídos às crianças carentes foi um sucesso. Com a ajuda da comunidade, mais uma vez eles fizeram a diferença para um dia das Crianças mais justo com os menos favorecidos. Em Videira, os mimos foram entregues para a Pastoral das Crianças em três etapas. Em Fraiburgo, os funcionários das filiais ajudaram na distribuição dos brinquedos nas comunidades.

Comentários

Nanda Assis disse…
adorei as reportagens, principalmente a de responsabilidade no transito.
ta mais que provado que vc é uma ótima jornalista.

bjosss...

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…