Pular para o conteúdo principal

Cor de Rosa



O impacto do "verde" nos negócios


Mais uma vez abro espaço para referenciar o meio ambiente. Desta vez, o tema é o impacto do “verde” nos negócios. O tema foi abordado em pesquisa divulgada na revista Carta Capital da última semana. O estudo é da TNS InterScience sobre o impacto do "verde" no mundo corporativo e ouviu 100 executivos de empresas dos setores de alimentos e bebidas, têxtil, automotivo, de informática, de telecomunicações, de autopeças, de serviços, eletroeletrônico, farmacêutico, químico, metalúrgico, siderúrgico e petroquímico.
A grande maioria dos entrevistados, 80%, afirma que sua empresa mantém alguma iniciativa em favor do meio ambiente, mas a pesquisa não traz exemplos concretos, já que “alguma iniciativa” é um conceito bastante amplo e vago. Os resultados ficam mais interessantes, porém, quando mostram a forma como os executivos percebem a incidência da preocupação ambiental sobre os negócios.
Mais da metade, 52%, acredita que o comportamento verde influencia o seu mercado. Na questão “por que vale a pena adotar práticas ambientalmente responsáveis”, 35% responderam que a sociedade valoriza atitudes verdes. Outros 31% assinalaram que os clientes preferem marcas que demonstrem consciência ambiental; 23% destacaram que fornecedores e concorrentes já estão se adequando para oferecer soluções verdes e 13% disseram que atitudes verdes repercutem na imprensa.
Por fim, na opinião de 88% dos executivos, a tendência verde vai se consolidar no mundo das empresas. Agora a minha dúvida: Porque as indústrias e empresas deste segmento ainda não adotaram atitudes verdes em seus processos produtivos, se os benefícios são economicamente e socialmente positivos?

Fonte: Ecoagência de Notícias

PESSOAS E COTIDIANO

Responsabilidade no trânsito
“Quando os pais pensam em dar o volante de um carro ao filho, tem que pensar também em responsabilizar o filho sobre o instrumento fantástico que terá nas mãos, mas que se usado inadequadamente se transforma numa arma mortífera. No Brasil, infelizmente a gente não tem essa consciência. Um acidente de trânsito pode trazer conseqüências terríveis não só para a vítima, como principalmente ao causador do acidente”, comentou comigo o juiz Luiz Henrique.

Conselheiros Tutelares
Desde o dia 6 estão abertas as inscrições para quem estiver interessado em ser do defensor dos direitos das crianças e do adolescente. O candidato deve ter idade mínima de 21 anos e ter nível superior ou estar cursando o terceiro grau. Até o dia 24 do corrente mês, o setor de Serviço Social estará disponibilizando a lista de documentos necessários e a ficha de inscrição. A eleição acontece dia 13 de dezembro e todas as instituições cadastradas junto ao Conselho Municipal da Criança e do Adolescente têm direito a voto.

Coral de Vozes
Amanhã, 19 de outubro, o coral Suíço mais antigo de Zurich estará se apresentando em Videira. O grupo completa 180 anos e está fazendo uma viagem festiva e quem ganhará o presente é a comunidade videirense com a apresentação do grupo na Igreja Evangélica de Confissão Luterana do Brasil, no bairro Floresta, às 20 horas. A entrada é franca, mas quem puder contribuir com um quilo de alimento não perecível pode fazer.

Projeto Criança Feliz
A campanha da Farmácia Geremias que arrecadou brinquedos para serem distribuídos às crianças carentes foi um sucesso. Com a ajuda da comunidade, mais uma vez eles fizeram a diferença para um dia das Crianças mais justo com os menos favorecidos. Em Videira, os mimos foram entregues para a Pastoral das Crianças em três etapas. Em Fraiburgo, os funcionários das filiais ajudaram na distribuição dos brinquedos nas comunidades.

Comentários

Nanda Assis disse…
adorei as reportagens, principalmente a de responsabilidade no transito.
ta mais que provado que vc é uma ótima jornalista.

bjosss...

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…