Pular para o conteúdo principal

Cor de Rosa



Campanha de conscientização do eleitor

Na reta final! Assim estão os candidatos a prefeito dos cerca de 5500 municípios que tem o Brasil. Amanhã, Domingo 5, após às 17 horas, vai ser o momento de cuidar para não começar roer as unhas. Tanto os candidatos e candidatas, quanto as equipes e familiares de todos os aspirantes a gestores públicos dessas cidades. Mas até chegar a este ponto, este ano houve outro tipo de campanha paralela, mas afim, ao pleito eleitoral: a de conscientização ao eleitor brasileiro.
O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Carlos Ayres Britto, deu o ponta pé inicial da campanha em pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão, no dia 31 de julho. Em um período de 15 dias, desde essa data, foram exibidos nas emissoras de TV de todo o país, dois filmes de 60 segundos cada, e dois spots de 30 segundos, nas rádios. Outro material com inserções de outros 15 VTs e 15 spots estão sendo veiculados até hoje. No conteúdo deles estão as orientações ao eleitor sobre a importância de se conhecer bem os candidatos e de se aproveitar bem o voto.
O objetivo da campanha de conscientização era prestar informações, em áudio e vídeo, à população sobre as eleições para prefeitos e vereadores nos 5.563 municípios brasileiros. Mas o mais bacana de tudo foi a intenção de comunicar ao eleitor que vender o voto não está com nada. Espero que aqui em Videira, a consciência política dos mais de 33 mil eleitores tenha se elevado frente as informações institucionais do TSE. Porque, afinal, não dá para chorar sobre o leito derramado, quando o vereador eleito pelo povo não souber legislar a favor de quem o elevou a uma das nove cadeiras da Câmara. Assim como também irá adiantar reclamar que o prefeito não investe em melhorias na cidade.
Então minha gente, esse é o momento que todos vocês, poderosos eleitores, têm de por o voto consciente na urna. Todos sabem que Videira tem sua economia baseada nas atividades industriais, comerciais e agrícolas, cujo setor primário destaca a fruticultura de pêssego, ameixa e uvas. Que na pecuária está a criação de suínos, aves e bovinos de leite; e no comércio e indústria, o forte são as cantinas de vinho, indústrias de sucos e a empresa Perdigão. Mas para estimular esses setores, empresas e indústrias, o perfil do representante tem que ser de um administrador bem articulado e com visão em resultados não apenas econômicos, mas sociais também – humanos!
Isso, porque afinal, na frente de tudo isto estamos todos nós: moradores desta cidade, que ainda tem muito para crescer e desenvolver. Portanto, seja esperto e abra os olhos.

Pessoas e Cotidiano

‘Beatles’ in concert


Em comemoração aos cinco anos de publicação da Revista Êxito, a Sirlus Promoções e Eventos e o Programa Alcir Bozanella apresentam a Cia. Filarmônica de SP com Beatles Songs. O espetáculo acontece dia 25 de outubro, Sábado, no auditório da Unoesc, às 20 horas. O show reúne doses de humor, mais a orquestra, efeitos especiais e, claro, músicas dos Beatles interpretadas com arranjos únicos. Em cinco anos em cartaz, rodando todo o país, mais de 180 mil pessoas já assistiram.

Sensualidade Africana
Freqüentemente visito o Espaço Vip Perdigão e fiquei encantada com o que vi na semana passada. Estava exposto 19 peças, sendo duas esculturas em gesso e as demais pinturas em técnica acrílica sobre tela, da artista paranaense Edite Cecília Tavares Tessari. Sensualidade Africana tem uma forte tendência ao cubismo, que em traços simples desvendam-se figuras femininas com forma e cores vibrantes, oriundas da inspiração no povo africano. Lindo demais!

Festival de Danças

No próximo dia 10 de outubro, sexta-feira, acontece a quarta edição do Festival de Danças de Videira, no Ginásio Medalhão. O objetivo do evento é unir e confraternizar todas as pessoas que apreciam a arte de dançar e prestigiar todos os grupos de dança que existem no município. Vinte e um grupos se apresentarão no ginásio.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…