Pular para o conteúdo principal

Coluna Cor de Rosa


Foto ilustrativa
Os buracos do caminho

Não é de hoje que ouvimos os condutores reclamarem das condições das rodovias estaduais que circundam nossa cidade. E o motivo é sempre o mesmo: os buracos que encontram pelo caminho. As vias estaduais, que dão acesso a cidade e municípios vizinhos, comportam grande circulação de veículos de passeio e principalmente os pesados, que levam a produção de uma local a outro. Mas seja qual for o motivo pelo qual se deslocam, os buracos são os grandes empecilhos a integridade física das pessoas e o aumento na preocupação de quem tem como obrigação o zelo do bem material, ou a conservação do seu patrimônio.
Mas o mais preocupante é com a possibilidade de ocorrer algum acidente e isso é bem possível de acontecer. Na última semana, o jovem Andrei Grassi passou por uma situação de risco, onde, felizmente, a única avaria foi no automóvel que conduzia. Porém, passado o susto de que algo pior pudesse ter acontecido, ele ficou com o ônus do conserto de um pneu furando e danos na lataria, que ficaram em torno de R$ 600,00. Ele circulava pela SC-303, na noite de 21, quando passou por um buraco na rodovia
Ele encaminhou um e-mail ao Deinfra relatando o fato e pedindo providências para a recuperação das rodovias estaduais da região, que na sua opinião está tomada de buracos. “Nas rodovias de Videira existem buracos fundos que ocasionam grandes riscos de acidentes. Já foi solicitada a recuperação do pavimento à SDR, mas alegaram que com o clima chuvoso não poderia executar nada”, diz um trecho do e-mail, onde ele ainda ressalta que mesmo que o tempo esteja seco há algum tempo, nenhuma operação tapa-buraco é realizada. “Estão esperando chover para dizer que não poderão ser fechados?”, coloca ele indignado com a situação. “Ontem à noite cai em um buraco e como conseqüência estorou o pneu e bati meu carro”.
A resposta que recebeu do Deinfra é fácil de adivinhar, mas vou relatar para vocês. O órgão “agradeceu” pela colaboração, pois acredita que é importante para que possam melhorar os serviços prestados. Fico imaginando que tipo de serviços prestados pode ser melhorado nas rodovias da região se os buracos estão sempre lá? Mas a mensagem ainda continua. “Dada a quantidade de chuva que castiga nosso Estado há dias, o senhor há de convir que não há pavimento asfáltico que resista, por melhor que tenha sido feito. Realmente a situação nessa rodovia, como em muitas outras por todo o território barriga-verde, merece urgente intervenção de nossa parte, e assim o estamos fazendo conforme nossos recursos e o tempo permite. Esta rodovia sofrerá manutenção nos próximos dias. Enquanto isso procure dirigir de forma prudente e defensiva sabedor da situação em que se encontram as estradas”.
Obviamente é necessário que todos os motoristas e motociclistas que são conhecedores das condições físicas das rodovias da região devem ficar atentos. Acredito até que eles já se habituaram a dirigir de forma defensiva, nelas. Mas e os que vêm de fora, que passam pela primeira vez por esses trechos e são surpreendidos com a conservação precária das vias? O que devem fazer? Provavelmente eles devem já terem adotado um comportamento defensivo, mas o condutor precisa de melhores estradas para circular. Afinal, não se pode esquecer que a segurança no trânsito também depende de estradas em boas condições. E se à noite todos os gatos são pardos, imaginem os buracos então...

Pessoas e Cotidiano

Preguiça Intelectual

O diretor do Centro de Pesquisas do Sono da Universidade de Loughborough, Jim Horne, afirmou à revista científica New Scientist que o "mito" de que a sociedade atual sofre de deficiência do sono é uma atitude intelectualmente preguiçosa. Além disso, contribui para a ansiedade das pessoas que acreditam ser preciso passar mais horas na cama. Horne diz que, ao longo dos últimos 40 anos, vários estudos mostraram que a maioria dos adultos saudáveis dorme entre sete e sete horas e meia por noite, um tempo, segundo ele, "perfeitamente adequado".

Responsabilidade no trânsito
“Quando os pais pensam em dar o volante de um carro ao filho, tem que pensar também em responsabilizar o filho sobre o instrumento fantástico que terá nas mãos, mas que se usado inadequadamente se transforma numa arma mortífera. No Brasil, infelizmente a gente não tem essa consciência. Um acidente de trânsito pode trazer conseqüências terríveis não só para a vítima, como principalmente ao causador do acidente”, comentou comigo o juiz Luiz Henrique.

Alunos especiais
A Escola Especial Tia Ana, de Videira, promoveu durante a semana uma noite especial. Foi a 11ª edição da Arte Especial, que contou com a participação das Apaes de Arroio Trinta e Salto Veloso. As duas unidades foram convidadas a participar do evento, que aconteceu na última quarta-feira (22), onde os alunos puderam expressar seus sentimentos e emoções por meio de dramatizações, dança e comédia.

Responsabilidade Social
A CNN, a Videfrigo e a Eletrovan investiram tempo, peças e mão-de-obra na recuperação de uma viatura da Polícia Civil. Esse é o tipo de atitude que chamo de responsabilidade social e merece os parabéns da sociedade, que será a maior beneficiada no resultado final.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…