Pular para o conteúdo principal

Paul Newman is dead!



Washington, 27 set (EFE) - O ator americano Paul Newman, protagonista de filmes inesquecíveis como "Dois homens e um Destino", morreu hoje aos 83 anos devido a um câncer de pulmão, informou o Newman's Own Foundation.

"Sentiremos saudades de nosso amigo Paul Newman, mas temos sorte de ter conhecido uma pessoa tão formidável", disse Robert Forrester, vice-presidente da fundação criada pelo ator, em comunicado.

Em junho, veio a notícia de que Newman, que tinha sido um ávido fumante, estava com câncer de pulmão.

Nos últimos anos de vida, Newman vinha se dedicando ao trabalho filantrópico e destinou US$ 250 milhões a diversos projetos no mundo todo.

Grande parte desse dinheiro foi obtido com uma empresa de alimentação, a Newman's Own, que começou "como uma piada" no porão de sua casa, contou Forrester.

No entanto, a faceta de empresário de sucesso é só um detalhe em uma vida que esteve marcada pela interpretação, pela direção e pelos marcantes olhos azuis que transformaram Newman em uma das maiores estrelas de cinema do século XX.

Há 50 anos, o ator morava em Westport com a mulher, a atriz Joanne Woodward, com quem teve três filhas. De um casamento anterior, teve um filho e duas filhas.

Esse único filho homem, Scott, morreu devido a uma overdose em 1978, o que foi um grande golpe para Newman, que acabou criando o Scott Newman Center, um centro para a prevenção do uso de drogas.

O ator nasceu em 26 de janeiro de 1925, em Ohio (EUA), de pai judeu e mãe eslovaca.

Serviu na Marinha durante a Segunda Guerra Mundial como operador de rádio e, na volta, estudou interpretação em New Haven e Nova York.

Newman estreou em Broadway e dos palcos foi para o cinema, onde o papel como o boxeador Rocky Graziano no filme "Marcado pela Sarjeta" (1956), dirigido por Robert Wise, fez com que todas as atenções voltassem para ele.

Desde então, sua carreira decolou. Newman atuou em filmes que marcaram época, como "Exodus" (1960), "Os Criminosos não Merecem Prêmio" (1963), "Harper - O Caçador de Aventuras" (1966) ou "Butch Cassidy" (1969).

Newman dirigiu "Rachel, Rachel" (1968), que foi indicado ao Oscar de Melhor Filme, e "O Preço da Solidão" (1972), entre outros filmes. Também um Oscar ao melhor ator por "A Cor do Dinheiro" (1986), dirigido por Martin Scorsese. EFE

Comentários

Dois Rios disse…
Esse homem sempre alimentou os meus sonhos de adolescência. Sempre tive por ele um verdadeiro fascínio. Chegava até a sonhar com aquele lindos olhos.

Começo a ver os meus ídolos tomando o caminho do fim. O peito dói. O tempo finca a sua implacável marca.

Vou descolorindo.

Beijos meus,
Inês

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…