Pular para o conteúdo principal

Coluna Cor de Rosa e Carvão


Nova ortografia da língua portuguesa

Os meses foram passando e virando anos. Agora, depois de passados 18 anos de sua elaboração, o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa promete finalmente sair do papel. Desde o ano passado o debate ficou acirrado e ações foram tomadas pelo governo brasileiro, que colocou o Brasil como o primeiro país que integra a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) a adotar oficialmente a nova grafia, já a partir do ano que vem.
Dessa vez, pelo menos desta vez, eu gostaria que fossemos os últimos. Para que tivéssemos mais tempo para que todos tivessem tido a oportunidade de conhecer as regras ortográficas atuais. Penso que é difícil ter o domínio do português. Até hoje eu aprendo um pouco mais a cada dia e mesmo assim é insuficiente, principalmente para mim, cuja morfologia correta e a gramática são meus instrumentos de trabalho. Mas confesso que considero a língua portuguesa uma das mais bonitas do mundo. Poética. Elegante.
Mas tudo isso vai acabar para mim a partir de 2009, quando todos teremos que reaprender a ler e escrever o português. A princípio, as novas regras serão obrigatórias inicialmente em documentos dos governos. Nas escolas, o prazo será maior, devido ao cronograma de compras de livros didáticos pelo Ministério da Educação. As mudanças mais significativas alteram a acentuação de algumas palavras, extingue o uso do trema e sistematiza a utilização do hífen. No Brasil, as alterações atingem aproximadamente 0,5% das palavras. Pode ser considerado pouco para a maioria, mas eu, no meu conservadorismo lingüístico, acredito que é muito. Nos demais países, que adotam a ortografia de Portugal, o percentual é de 1,6%.
Entre os países da CPLP já ratificaram o acordo Brasil, Portugal, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe. Ainda não definiram quando irão ratificar o documento, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau e Timor-Leste. A assinatura desses países, porém, não impede a entrada em vigor das novas regras em todos os países, pois todos concordaram que as mudanças poderiam ser adotadas com a assinatura de pelo menos três integrantes da comunidade. No Brasil, o acordo firmado em 1990 foi aprovado pelo Congresso, cinco anos depois. Agora, a implementação definitiva depende apenas de um decreto do presidente Lula, ainda sem data para ocorrer. Ainda bem!
Porém, minha felicidade é passageira. O MEC já iniciou o processo de adoção da nova ortografia. Entre 2010 e 2012 acontece o período de transição estipulado pela pasta para a nova ortografia passar a ser obrigatória nos livros didáticos para todas as séries. Mas como tudo pára quando acontece um processo eleitoral no meio, talvez o prazo seja espichado...

Comentários

Dois Rios disse…
Querida,

Como dizia a minha mãe, eu já fico imaginando o angú de caroço que isso vai dar.

A última mudança na acentuação gráfica ocorreu em 1971 e até hoje me deparo com um monte de gente acentuando o que não deve, rsrs...

Haja cabeça para tantas mudanças!

Beijos meus,

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…