Pular para o conteúdo principal

Banho de Tanque


‘Cê lembra? Você se lembra? Esse é o refrão da música de “Você se Lembra”, de Sá e Guarabira. Me lembrei dela ao lembrar de ontem à noite, quando parte do G6 rememorava fatos da infância. Eu recordei do tempo que era pequena e cabia dentro do tanque. No verão, tomar banho de tanque era a melhor parte do dia de uma criança, cujo dia só acabava quando fechava os olhos, de tão cansada, na hora de dormir.
Minha mãe fazia esses desejos para mim. Ela me mandava tomar banho e eu, quando dava sorte dela estar nos seus dias e com tempo, dizia que só tomava banho se fosse de tanque e com a concha. Sim! De concha ainda... Minha mãe tinha uma “conchona” furada, que deixava na área de serviço sei lá para quê. Mas na hora do banho de tanque eu achava a utilidade para ela. Então, ela enchia o tanque de água fresquinha e me colocava lá dentro.
Enquanto brincava com o sabão – sim, sabão, porque sabonete era caro demais para nós. Quando a grana folgava, meus pais compravam sabão de glicerina, daí minha fissura pelo tipo e pelos sabonetes glicerinados -, ela me lavava com as calcinhas que tinha lavado a pouco. De vez em quando eu soltava o tampão do tanque para ter motivo para abrir a torneira, enquanto ela se molhava todinha também. Mas a descoberta do banho de tanque não foi por brincadeira. Quando faltava água lá em casa, ela pegava balde do reservatório da vizinha, que era gente boa, e enchia meio tanque para que eu tomasse banho. Depois, reservava um balde daqueles brancos, grandes, para me enxaguar.
Mas o detalhe era que isso tudo começou no inverno e era frio pacas lá no morro, onde morava, principalmente no final da tarde. Não era nada engraçado quando isso acontecia e também nem queria brincar... A economia que fazíamos era tanta, que esquentávamos uma chaleira de água para quebrar o gelo do resto que ia ao tanque, assim eu não ficava com tanto frio e também não corria risco de um resfriado. A concha surgiu nessa época também, minha mãe usava-a para que eu não sentisse o “jato” forte da água gélida quando me enxaguava. Porém, no verão a coisa mudava de figura. Bando de tanque era tudo, só felicidade e alegria. Não tinha choro e nem vela!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe