Pular para o conteúdo principal

Banho de Tanque


‘Cê lembra? Você se lembra? Esse é o refrão da música de “Você se Lembra”, de Sá e Guarabira. Me lembrei dela ao lembrar de ontem à noite, quando parte do G6 rememorava fatos da infância. Eu recordei do tempo que era pequena e cabia dentro do tanque. No verão, tomar banho de tanque era a melhor parte do dia de uma criança, cujo dia só acabava quando fechava os olhos, de tão cansada, na hora de dormir.
Minha mãe fazia esses desejos para mim. Ela me mandava tomar banho e eu, quando dava sorte dela estar nos seus dias e com tempo, dizia que só tomava banho se fosse de tanque e com a concha. Sim! De concha ainda... Minha mãe tinha uma “conchona” furada, que deixava na área de serviço sei lá para quê. Mas na hora do banho de tanque eu achava a utilidade para ela. Então, ela enchia o tanque de água fresquinha e me colocava lá dentro.
Enquanto brincava com o sabão – sim, sabão, porque sabonete era caro demais para nós. Quando a grana folgava, meus pais compravam sabão de glicerina, daí minha fissura pelo tipo e pelos sabonetes glicerinados -, ela me lavava com as calcinhas que tinha lavado a pouco. De vez em quando eu soltava o tampão do tanque para ter motivo para abrir a torneira, enquanto ela se molhava todinha também. Mas a descoberta do banho de tanque não foi por brincadeira. Quando faltava água lá em casa, ela pegava balde do reservatório da vizinha, que era gente boa, e enchia meio tanque para que eu tomasse banho. Depois, reservava um balde daqueles brancos, grandes, para me enxaguar.
Mas o detalhe era que isso tudo começou no inverno e era frio pacas lá no morro, onde morava, principalmente no final da tarde. Não era nada engraçado quando isso acontecia e também nem queria brincar... A economia que fazíamos era tanta, que esquentávamos uma chaleira de água para quebrar o gelo do resto que ia ao tanque, assim eu não ficava com tanto frio e também não corria risco de um resfriado. A concha surgiu nessa época também, minha mãe usava-a para que eu não sentisse o “jato” forte da água gélida quando me enxaguava. Porém, no verão a coisa mudava de figura. Bando de tanque era tudo, só felicidade e alegria. Não tinha choro e nem vela!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…

Eu, entre o público e o privado

Adoro quando tomo decisões. E agora nem sofro mais. Este ano está sendo tão importante e definitivo para algumas questões, que está me fazendo amadurecer com tranqüilidade e consciência de forma em geral. E isso tem me trazido paz de espírito. Isso é muito bom!

Hoje, eu vejo um possível problema e o tento resolver de imediato. Se não consigo, continuo buscando uma solução ponderada e sem interferência em outros aspectos e pessoas. Por fim, se isso não é possível, trato tudo da melhor maneira possível. E claro, sem perder a graça, a irreverência e o meu jeito todo especial de ser.

Assim também acontece com inutilidades. Apenas listo as tranqueiras da minha vida, ainda dou uma avaliada profunda nos prós e contras, para logo dizer BASTA! Em seguida abro um sorriso e digo a mim mesma: “Estou orgulhosa de ti, Elaine!” E o dia todo cinza de um inverno chuvoso se torna luminosamente ensolarado. E passo a gostar ainda mais de mim e dessa vida.

Nesta terça, a alegria ficou por conta de uma simple…