Pular para o conteúdo principal

O que é esse tal de Vista?




Nossa, hoje fiz meu primeiro teste de trabalho com o tal do Windows Vista da Lacraia. Sim, ela veio com esse programa de fábrica. Original! A bicha fala em inglês comigo, literalmente. Eu, obviamente, faço-a calar a boca ou me dou ao trabalho de ficar repetindo as opções de trabalho que ela me dá. E que trabalho...

Meia manhã para configurar o IP, cuja ajuda consultei o vendedor. Um adolescente que aparentava ter 14 anos me disse passo-a-passo como chegar até o lugar para digitar os numerozinhos. Claro, ele deve ter pensado: "Que burra!" Mas me ensinou com uma paciência de criança. Então, hoje peguei as anotações (tive que anotar o caminho). Depois de algum longo tempo, estava conectada com o mundo. O problema é configura tudo de novo, transferir arquivos, salvar isso, jogar na lixeira aquilo... Mas o Windows Vista é a solução! Ele tem até um programinha de transferência de tudo isso. Fácil, fácil, que, lógico, não vou arriscar a usar. Com certeza vou perder alguma coisa.

No site do Windows eles propagandeiam tudo. Eles sabem fazer marketing. É tão convicente, que se eu tivesse que comprar o programa, já teria mandado buscar. "Execute suas tarefas e dê continuidade à sua vida! Nunca foi tão fácil e rápido localizar, usar, gerenciar e compartilhar informações no seu PC ou na Web." Mas na realidade a coisa é bem diferente. Mas eu sou teimosa e pão dura. Basta eu saber que com ele poderia atualizar meus programinha pela internet, sem precisar gastar mais nada ou correr atrás de alguém com CD's alternativos, que me "vendi" a ele.

O tal de Vista tem desde do sistema Starter, projetado para o usuário iniciante que deseja executar tarefas básicas com o computador, até o mais complexo; Enterprise - para atender melhor às necessidades de grandes organizações globais e daquelas com infra-estruturas de TI altamente complexas. Entre eles têm mais uns quatro tipo de sistemas específicos a cada realidade. Eu não me enquadro em nenhuma até agora... Êta vida... Porque eu não nasci "Nerd"?

A partir de agora minhas matérias vão sair todas sem acentos. Uma já saiu. Digo, uma revisão. Imaginem! Revisar e editar matéria com o Windows Vista? É o fim! Minha situação lembra uma crônica da Eunice Jacques, uma cronista que faleceu há anos. Ainda estava na faculdade, bem no início quando ela foi escrever outras histórias, em prados astrais. Os computadores eram novidade ainda. As universidades estavam recém montando os laboratórios. Abandonando as máquinas de escrever Olivetti manuais por PCs cujos comandos eram tudo Alt alguma coisa, pois não havia mouse ainda. Os disquestes eram aqueles grandões, de plástico, que sempre danificavam na pasta. Os mais sortudos, como eu, imprimiam no final da execução de cada um, pois sabia que uma vez na bolsa, ele poderia sair inutilizado.

Ela era jornalista do Grupo RBS. Editora premiada, inteligente, bem-humorada. Também escrevia livros. Mas suas crônicas, que escrevia toda terça-feira no jornal Zero Hora, eram o meu xodó. Sempre fui uma aficcionada por crônicas e contos. Por isso o Cor de Rosa foi criado, para publicar produções textuais minhas, de colegas e dos meus preferidos. Mas me disvirtuei pelo caminho. Enfim, era por ela que eu assinava o periódico. Era fãzona da mulher ao ponto de pensar um dia invadir a redação só para conhecê-la.

Eunice era uma fumante inveterada, que morreu em decorrência do vício, pelo que me lembro. Fez até o colega, Paulo Sant'Ana rever seus hábitos também (mas parece que por pouco tempo). Bom, minha "ídola" passou por isso. Queriam que ela trocasse sua máquina de escrever por um computador. A redação já estava toda informatizada, mas ela mantinha a máquina lá, no seu aquário. Depois de muita insistência sobre os benefícios da tecnologia, ela decidiu escrever sobre sua resistência. Era um poema...

Com bem menos glamour e, ainda, menos qualificação, mas igual confusão; me vi assim pela manhã. Perdida com o Windows Vista. Mas, no final, o que me deixa feliz de novo é saber que agora eu tenho a Lacraia... E o bom e velho Fred para salvar a pátria.

Comentários

Silvia Palma disse…
hahuuahua
Queria te ver com toda a coordenação motora que lhe é peculiar "luitando"com o Vista....hehheheh
betty boop disse…
lap com windows vista e que se chama lacraia é foda.
agora vc está chique no "URTIMO".
he he he

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe