Pular para o conteúdo principal

Cor de Rosa (16)

Autopromoção

Não tenho como evitar. Quem convive comigo sabe bem do que vou relatar. Não caibo em mim de contentamento (e não sou pequena) devido ao Prêmio Fatma de Jornalismo Ambiental que o Jornal Correio Hoje trouxe para Videira. Sim, para cá!
Na semana alusiva ao meio ambiente, especificamente na noite do dia 5, o nome do município figurou durante a cerimônia de premiação na Assembléia Legislativa do Estado e também em todas as rádios, tevês e jornais que concorriam na final do prêmio, no dia seguinte e no final de semana. Quem não sabia que Videira ficava no Meio-oeste catarinense, agora sabe. Quem não sabia que aqui também tem profissionais qualificados, agora sabe; e muito melhor, agora todos nós sabemos que somos capazes de concorrer de igual para igual, em qualquer lugar, área ou atividade, sem medo da opressão de grandes empresas, neste caso, dos jornais de circulação estadual.
É com prazer que divido os méritos com o colega Edélcio Lopes, mas também com os colegas de profissão dos jornais A Folha Regional, O Catarinense e A Coluna. Cada profissional atuante no município sabe das dificuldades que o cerca no exercício da sua função no cotidiano. Conosco da imprensa não é diferente. Elaborar pautas atrativas, de interesse público, de serviço, de entretenimento, informativa e que relatam os acontecimentos do dia-a-dia são tarefas que parecem simples, como sentar e escrever. Mas na prática é mais complexo e temos que fazer com cuidado. E quando cometemos atos falhos, porque somos passíveis disso, é o momento em que mais somos lembrados, por que estamos na vitrine.
Vale a pena ressaltar que estamos na vitrine novamente. Mas em nível estadual e sob um bom motivo. Pelo menos uma cidade, das 13 coordenadorias regionais da Fatma, conhece agora o trabalho executado pelos agentes promotores do reflorestamento do Pinheiro Araucária em Videira. Uma árvore nativa e que enfrenta a escassez da sua espécie em todo o Brasil. Menos aqui no município e na 9ª e 10ª regionais, cujos produtores são incentivados a plantar o pinheiro brasileiro. Onde o homem do campo recupera a importância e o valor de sua madeira, do seu fruto e da sua beleza.
São momentos como esse que se visualiza o resultado final de tanta dedicação - não somente dos envolvidos, mas dos que são representados também, como uma categoria, uma comunidade, uma cidade e uma região – que se percebe que o sabor da vitória é muito melhor. Merece autopromoção sim. Por isso que divido com vocês, que auxiliam no trabalho diário da imprensa concedendo entrevistas, dispondo de dados concretos e objetivos, com liberdade; a satisfação de ter sido a portadora e a representante deste destaque, na capital do Estado.
Divido também com os demais colegas de profissão e com os vencedores da categoria Impresso do Prêmio Fatma de Jornalismo Ambiental, porém, em nível regional. Pois é de Videira o reconhecimento de melhor do Estado no setor.


Pessoas e Cotidiano

Calçamento
Os moradores da Rua Arlindo de Matos estão colecionando paralelepípedos. Alguns carros que passam pela via acabam quase sendo avariados pelas pedras soltas do calçamento. Para evitar um dano maior, os vizinhos retiram a pedra e colocam-nas sobre o passeio. A cada 25 metros se avista um trio delas.

Abraços
Não há como não agradecer aos leitores deste espaço pelo carinho e atenção. Mas quero ressaltar aqui que essa coluna só se mantém devido a vocês, que sugerem temas a serem enfocados sob a minha opinião ou dedicam tempo para a leitura do conteúdo. Um abraço a todos vocês, em especial para a Leny Mariani, do Atelier Leny, e moradora do bairro Santa Tereza.

Colegas Premiadas
Na foto estão as jornalistas vencedoras da Coordenadoria Regional de São Miguel do Oeste, no Prêmio Fatma de Jornalismo Ambiental. Elas são do Jornal Voz Regional, da cidade de Pinhalzinho, e concorreram com a reportagem ‘Preservar Não Gera Lucro’. As duas são uns ‘doces’ de gurias, assim como vários outros colegas que estavam lá em Florianópolis, representando suas cidades, regiões, veículos e até trabalhando.
Todas as pessoas que conheci foram atenciosas, e claro, divertidíssimas. Um abraço para Ana Paula Roncaglio e Camile Antunes, do O Jornal de Concórdia; para Guto Kuerten, do Diário Catarinense de Lages, ao Elton Marinho, de Florianópolis e à equipe do Portal de Notícias Olhaaqui.com, de Tubarão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…

Atrás da folhinha verde?

Eu já cansei desse papo de superação feminina, até no sexo. A gente tem que saber plantar bananeira, beijar a brasileira, a japonês e agora até beijo grego. Tem doido que gosta de mal tempo inclusive na cama e pede para a parceira a chuva dourada ou a chuva negra. Ai, eu gosto de uma "pimentinha", como diz o Enfil, mas essa loucura eu estou passando.

"Eu quero a sorte de um amor [sexo] tranquilo, com sabor de fruta mordida". Pronto. Nem mais, nem menos. Sou a favor de um comportamento ecologicamente correto, mas não estou na pilha de aprender a fazer a folhinha verde. Não, não!

Agora, se quiser saber mais sobre minha indignação a respeito da liberdade sexual, vá no Sexo Verbal e leia meu texto sobre o assunto. Ah! E não esqueça de opinar. Eu gosto tanto de lero, lero... Principalmente sobre sexo.