Pular para o conteúdo principal

Um dia daqueles



Tem dias ruins e dias bons. Hoje foi um dia daqueles! Tudo correu tranquilamente, embora a escassez de pautas interessantes para produzir. Acordei com sono depois de dormir tarde ontem à noite, aliás, hoje de madrugada. Mas foi um bom dia de trabalho e diversão.

Fiz e pensei um pouco de quase tudo que gostaria. Tô no saldo positivo. E ainda aglutinei na minha agenda uma passagem pela sessão da Câmara de Vereadores. Nada mudou desde a última sessão que assisti, há quase um ano. Digo, com excessão da composição da mesa e sua presidência, o comportamento é o mesmo. Fica fácil entender, então, porque as pessoas não frequentam as reuniões dos edis.

Mas isso foi no início da noite. Durante o dia fui apurar umas informações. Adoro falar com as pessoas. Se aprende muito com este contato. Se pudesse, ficava os dias conversando com todo mundo que me sorrisse, pedisse informações ou que me abordasse para que possa prestar alguma ajuda. Poderia ficar oras conversando com o povo, em contato com as comunidades. Isso porque as pessoas me deixam feliz.

Algumas vezes, no auge do verão, caminhava por entre as ruas dos bairros de Videira e percebia senhoras ou casais de meia idade (e até de idade inteira), na varanda de suas casas, no meio da tarde, sorvendo um chimarrão e uma conversinha leve, para passar o mormaço. Morria de inveja e, sim, eu sei que é feio ter inveja. Que é um dos pecados antigos. Porém, via a cena e pensava: "daqui a alguns anos pode ser tu Elaine, a sentar ali na varanda da tua casa, a jogar conversa fora, com o primeiro desconhedico que passa, assim como acontece contigo agora".

Então, tudo passa rápido demais e o dia finda, assim como minha agenda de trabalho, porém, incompleta. No entanto, enquanto o meu lugar a sombra não se concretiza, sigo a vida entre um dia bom e um dia ruim. Mas torcendo para que sejam, na maioria das vezes, um dia daqueles. Um dia como esse: simples!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe