Pular para o conteúdo principal

Pai, afaste de mim o armário!


Sou uma mulher gorda. E uma gorda feliz, que acha o perfil arredondado, bonito. Tenho consciência de que não é o padrão estético social, e como costumo dizer, preta gorda muito menos. "A culpa de tudo é sempre de quem? Da preta gorda", he he he. Mas depois de uma juventude sofrida de pré-conceitos dos dois tipos, tanto pela etnia quanto pelo físico, hoje eu tiro de letra tudo isso. Sou linda! E não canso de ressaltar isso.

Mas já fui bem mais gorda do que hoje. Quando cheguei aqui, me deparei com tantas escadas e lombas para subir e descer que entrei em pânico. Era então ex-fumante (mas já voltei ao tabagismo) e tinha meu fôlego de volta, mas, o preparo físico era zero. De tanto caminhar sob o verão infernal de Videira em 2006, mais as preocupações do dia-a-dia, com a saúde dos pais, com amor mal resolvido, a saudade de amigos, fui afunilando. Emagreci 27 quilos. Fiquei feliz! Continuei redonda, mas menos gorda.

Só que, de dezembro do ano passado até agora já engordei 7 mil gramas! Agora que emagreci tudo isso, sem fazer dietas mirabolantes, não quero voltar a engordar. Mas tá sendo difícil contornar a ansiedade do cotidiano, ignorar o armário cheio de delícias, os doces que ajudam a aquecer o corpo no inverno... O pior de tudo é que todos esses quilos estão concentrados na cintura que nunca tive. As roupitchas voltaram a ficar ajustadas e aquelas que aposentei e esqueci de doar, estão em uso de novo... É o fim da várzea!

Hoje fui descansar as vistas, as mãos e as idéias no Big Pastel. Lá meti dois leves e light's pastéis. Um de strognoff com queijo e bacon e outro de chocolate branco, preto e morango. Comi sem culpa, claro, mas comi. Já que não consigo fechar a boca, ter auto-controle, só me resta rezar. Pai, afaste de mim o armário! Seja o que Deus quiser e que ele seja bonzinho comigo (mais uma vez).

Comentários

Sandra Lara disse…
huahuahuahua... figura... outra igual a vc não existe. Se precisar d ajuda pra detonar as guloseimas me chama... hehehe.
Bjóks
Queridona!!! Que bom ter ver por aqui. Bjo no coração. Eu te amo.
Em tempo: não vou fazer essa maldade contigo! Esse corpitcho que Deus te deu tem que continuar assim. Já o teu cônjuge tá do meu lado, huahuahua!
Sandra Lara disse…
Tb t amoooo.
betty boop disse…
ulálá...
negona detonando nos lanches.
qdo o Pp for aí coloca um cadeado nesse armário se não tu já viu!!!!!
vem aqui em poa que vou encher a tua rabisteca com a POLENTRA FRITA COM MUITO QUEIJO do pinguim.
Clara disse…
Meu Deus!, pq ser tao descritiva assim??,
Ontem lembrando de vc e tdo isto, ataquei um pastel que parecia meio travesseiro, com tdo o que tem direito dentro...

Mas que curti, curti!!.

Beijao grande,


Obs:depois da tormenta (ansiedade louca)vem a calma.Don't worry, como diria B,marley e tb Tracy Chapman.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe