Pular para o conteúdo principal

Cor de Rosa 9

O mal do século


Estou começando a pensar que o mal do século, da modernidade, da globalização são os problemas sociais. Radicalizando o pensamento, diria até que pode ser o apocalipse. Antigamente, na literatura, o mal do século era o pessimismo, a melancolia, o sofrimento que abatia a maioria dos escritores, principalmente os ingleses. Com o tempo, esses sintomas evoluíram e na contemporaneidade tudo isso virou depressão. Cá na minha ignorância, a depressão é o reflexo de problemas calcados na área social; nas relações de trabalho, pessoais e familiares, principalmente. Afinal, é onde tudo se origina, no berço familiar.

Vocês todos já sabem que no exercício do jornalismo o contato com as pessoas é de extrema importância. É dessa relação que extraio minha reflexão da semana. Ouvi muitas pessoas relatando sobre qualidade de vida, dignidade, respeito ao ser humano, educação e ordem pública. Cada item abordado sob uma circunstância específica e sob um dos pontos: ou positivo ou negativo. O que me chamou a atenção foi a declaração de uma senhora, cujo perfil econômico é baixo e sem escolaridade. Porém, sua análise sobre o contexto social da comunidade onde vive foi de extrema lucidez e coerência.

Ela colocou que a condição social, a miséria na verdade, faz com que muitas pessoas acabem desvirtuando-se para a criminalidade. Sem perspectivas de melhorias no ambiente onde vive, aliado a falta de oportunidades, incentivos para freqüentar a escola e uma educação frágil na família, sem base aos preceitos morais, tudo isso junto e na mesma panela, é prato cheio para o desrespeito a própria vida. Quem diria então aos direitos do vizinho, do irmão, do comerciante... Porém, o que fazer quando a família falha, a fé é ausente e a escola insuficiente ou ineficaz?

Aonde mora, revela que a comunidade está dividida entre trabalhadores e desocupados. Entre os que zelam pelo local que residem, de forma higiênica e organizada, e os relaxados. Entre as famílias que buscam melhores condições de vida para os filhos, protegendo-os, se protegendo, e os núcleos desestruturados. É nesse ambiente que tenta criar uma filha adolescente, cujas dificuldades são muitas, e os caminhos são poucos.

Em outra situação, um irmão mata o outro, após passarem o Domingo bebendo. O motivo real ninguém vai ficar sabendo, um já está morto e o outro vai alegar o que for mais conveniente, mas nada justifica tirar a vida de outra pessoa. A morte natural ou em conseqüência de uma doença já é incompreensível para mim, quem diria um assassinato, e no domingo ainda, dia do convívio familiar. Há ainda os assaltos, cujos alvos dos últimos dias têm sido comerciantes da região.

São esses atos que considero as conseqüências do mal do século. Para conter essa onde de problemas sociais é preciso mais do que a vontade própria de cada indivíduo envolvido. O comandante do policiamento policial de Videira costuma dizer que a ordem pública é um problema de todos. Ele diz que faltam oportunidades às comunidades carentes, e que, além disso, a baixa estima e ausência de dignidade são fatores que contribuem para a criminalidade ou desequilíbrio social. O militar também acredita no trabalho conjunto entre os diversos setores sociais, como instituições públicas, privadas, organizações assistenciais, sociedade civil organizada, escolas, igrejas, clubes de serviço e cidadãos em geral. Então, mãos a obra!

Pessoas e Cotidiano

Turistas em Videira

Fiquei contente ao ver um ônibus de turistas no Sábado 18, circulando pela cidade. Eram 50 pessoas, de São Paulo, que estavam conhecendo a cidade. Eles passearam até de trenzinho, numa euforia característica de visitantes, cuja chuva não conseguiu abalar. A Alzira Scapin foi a cicerone deles – diga-se de passagem, ótima e culta guia.

Feira do Bolo

Na véspera do dia das mães, Sábado, 10 de Maio, acontece a Feira do Bolo na Igreja Evangélica Luterana “Cristo”, a partir das 13 horas, na Rua Bulcão Viana, 930.

Nova Direção

Com o slogam “O mundo é animal”, a Pet Shop Ducão está sob nova direção. A cara amiga, colega e amante dos animais, Estela Maris, tomou a frente do negócio, que, com certeza, vai se desenvolver de ‘vento em popa’. Então, já sabem: hospedagem, banho, tosa, vacinas, consulta médica e acessórios é tudo lá.

Colegas do Espanhol

Parabéns a todos nós, do curso de Letras-Espanhol da Educação a Distância da UFSC, que, com muita vontade, conciliamos tarefas profissionais, domésticas, acadêmicas e sociais. Um abraço especial para ‘las chicas’ Ângela, Ica e Rosângela. Êta gente boa!

Dia da Educação

Segunda-feira 28 é a data alusiva a Educação. Aproveito o momento para parabenizar todos os agentes promotores do setor: merendeiras, serventes, professores, pais, alunos, diretores, pedagogos, estagiários, voluntários, bibliotecários...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…

Atrás da folhinha verde?

Eu já cansei desse papo de superação feminina, até no sexo. A gente tem que saber plantar bananeira, beijar a brasileira, a japonês e agora até beijo grego. Tem doido que gosta de mal tempo inclusive na cama e pede para a parceira a chuva dourada ou a chuva negra. Ai, eu gosto de uma "pimentinha", como diz o Enfil, mas essa loucura eu estou passando.

"Eu quero a sorte de um amor [sexo] tranquilo, com sabor de fruta mordida". Pronto. Nem mais, nem menos. Sou a favor de um comportamento ecologicamente correto, mas não estou na pilha de aprender a fazer a folhinha verde. Não, não!

Agora, se quiser saber mais sobre minha indignação a respeito da liberdade sexual, vá no Sexo Verbal e leia meu texto sobre o assunto. Ah! E não esqueça de opinar. Eu gosto tanto de lero, lero... Principalmente sobre sexo.