Pular para o conteúdo principal

Cor de Rosa (8)

Propaganda ou Ruído?!


Esses dias eu acordei pela manhã, olhei para o relógio, e pensei: “to atrasada!” Da rua vinha o som, alto, de um carro que anunciava ofertas de um mercado do Centro. Levantei correndo e comecei a me preparar para o primeiro compromisso do dia. Afinal, não é de bom tom chegar ‘em cima ou depois da hora’ para entrevistar uma pessoa que abriu brecha na agenda.

De repente veio a luz: Hoje é Domingo! Sim, agora, aqui em Videira os carros de som saem pelas ruas, ‘em alto e bom som’, como lembra o dito popular. Já não bastasse os vizinhos que com seus equipamentos super potentes fazem com que todos em sua volta saibam qual é seu estilo musical preferido. Não bastasse as igrejas evangélicas, que independente do dia e da hora, rompem o silêncio (ou não) do trânsito com os cultos. Não bastasse a gurizada, que nos finais de tarde ou nos inícios da manhãs, de Sábados e Domingos, com o porta-malas abertam, circulam pelas ruas a propagar suas músicas. Não bastasse tudo isso, agora temos os carros de sons aos Domingos (e ainda nem começou as propagandas eleitorais...)

Está na hora de chegarmos a um meio termo.Há um nível aceitável e saudável da manifestação desse instrumento. Acredito que para a nossa realidade e perfil, este meio de comunicação é muito eficaz. Como comunicadora, não posso ignorar a eficiência e eficácia desse veículo e apoio o seu uso. Porém, não dá para abusar. Como alerta a jurista e comunicadora nicaragüense, Doraldina Zeledón Úbeda, deve ser dar mais importância para o fato, antes que ele se torne um problema. Afinal, o ruído contamina o ambiente e afeta a saúde. Vejam bem, não quero o fim desse serviço, mas o uso racional desse equipamento.

Na semana passada, um comerciante encaminhou para a Câmara de Vereadores um abaixo assinado para que se tomem medidas com relação aos carros que fazem sonorização pelas ruas da cidade. O documento já foi direcionado para a Prefeitura de Videira, a fim de que se cumpra a lei municipal. No texto, mais de 200 assinaturas, na maioria de comerciantes, incentivava a tomada de alguma atitude. Penso que, quando um grande número de pessoas, do mesmo setor, vai contra um instrumento de comunicação muito utilizado por seus colegas, é porque o abuso está demais.

Portanto, vamos todos utilizar o bom senso. Assim, ninguém será prejudicado e a sociedade ainda poderá ficar tranqüila, sem fazer confusões, como no meu caso, que troquei a segunda pelo domingo.

PESSOAS E COTIDIANO

A Nicaragüense Doraldina Zeledón Úbeda fez alguns alertas e recomendações para que todos tenham, do que chama, de ‘Paz Sonora”. Se prestarmos bem atenção, serve bem para Videira:

1. Motorista, não buzine, revise o escapamento do seu carro, apague o motor quando estacionar e feche as janelas e portas do seu veículo se está ouvindo música.

2. Vizinho, condutor, comerciante, baixe o volume do equipamento de som; sua música é para você, permita que os demais escutem o que preferir.

3. Discotecas, igrejas, restaurantes, casas noturnas, adaptem seu prédio para evitar a emissão de ruídos à vizinhança.

4. Igrejas: evitem ruídos de discursos, sermões, cantigas e outros, especialmente durante a noite e a madrugada.

5. Pessoas afetadas pelo ruído, se não há acordo, denuncie os barulhentos à fiscalização ambiental, à prefeitura ou à polícia.

“O respeito ao direito alheio é a paz.”

Comentários

Anônimo disse…
nega que saudades de vc. não te acho mais no msn.
bjs
Oie queridona!!! Eu tenho entrado esporadicamente agora. Tô toda atrapalhada (mais do que o normal, hehehe). Saudades tb. Bjo enorme

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe