Pular para o conteúdo principal

Cor de Rosa (7)

Abril, mês do livro e da educação

Estamos vivenciando o mês da educação e do livro. O último dia 2 foi a data alusiva ao Dia Internacional do Livro infanto-juvenil, homenagem feita ao poeta e escritor dinamarquês de histórias infantis,Hans Cristian Anderson – autor de contos como O Patinho Feio, A Pequena Sereia e A Roupa Nova do Rei, dentre outros.

No próximo dia 18 é a vez de um conhecido escritor: José Bento Renato Monteiro Lobato. Ele foi um dos mais influentes escritores brasileiros do século XX, que teve o livro infantil O Sítio do Picapau Amarelo consagrado em todo território nacional.

Já o dia 23 comemora-se o Dia Mundial do Livro e do Direito do Autor. Instituída pela Unesco em 1995, a data visa atrair a atenção das autoridades governamentais e da população para este que é um dos meios de transmissão de conhecimento mais universais e eficazes que existem. A escolha do dia deve-se ao fato que vários escritores consagrados, como Miguel de Cervantes e William Shakespeare, por exemplo, nasceram ou morreram em um 23 de abril.

Para encerrar o mês comemorativo, está o Dia da Educação, no dia 28 de abril. Data alusiva ao "processo de desenvolvimento da capacidade física, intelectual ou moral da criança e do ser humano em geral, visando à sua melhor integração individual e social".

Por essas datas, que faço questão de ressaltar a importância que é contribuirmos, em ações práticas, para o desenvolvimento cultural e educacional no nosso município. Um dos exemplos de sucesso nesse quesito é o Projeto Encontro Marcado, realizado anualmente em Videira por alunos e professores do Colégio Estadual Professora Adelina Régis. Uma iniciativa que nasceu modesta e hoje está se “espraiando” pelo Meio-oeste catarinense. Projeto este que incentiva a leitura e aproxima os estudantes leitores dos autores catarinenses, além de promover o senso crítico em cada um.

São ações desse tipo que a comunidade do município precisa. Porém, desejo mais quando se trata de leitura e educação. Queria que todos os cidadãos pudessem ter mais acesso aos livros. Que as pessoas se sentissem motivadas a lerem, ao ponto de buscarem obras do gênero que mais lhe agradassem. Mas, principalmente, que houvesse um projeto que visasse o incremento do acervo da nossa biblioteca pública. Então comemoraria com gosto, todas as datas alusivas ao livro e a educação.

Cotidiano e Pessoas

Ato Falho

Deixei passar o Dia do Jornalista, comemorado em 7 de abril, em brancas nuvens. Então, aproveito agora para corrigir o ato falho e parabenizar os colegas de profissão, que em sua maioria procuram buscar relatar os fatos de forma ética e fidedigna aos leitores.

Cenário Político I

Cidadãos me perguntam quem são os pré-candidatos ao Executivo de Videira. Com exceção de dois políticos que já declararam seus interesses publicamente, o cenário político está indefinido. Uma lástima para o cidadão que se interessa pelo desenvolvimento do processo político e eleitoral.

Cenário Político II

Por isso que a cada pleito o eleitor nunca sabe em quem votar. Ele não tem tempo para conhecer e analisar os perfis dos candidatos, que só se revelam ‘nos 45 minutos do segundo tempo’.

Mortes no trânsito

Mais um acidente vitimou duas pessoas no último Domingo, em Joaçaba. O jovem médico Shahid Schuquair, que trabalha em Videira há cinco anos, foi uma das perdas. A questão é: Quantas pessoas ainda vão precisar morrer na região e no município até que um programa permanente de segurança no trânsito seja criado? Está na hora dos cidadãos, governos, clubes de serviço, iniciativa privada, escolas, entre outros, se unirem e por as cacholas a pensar.

Comentários

Anônimo disse…
See Please Here

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Atrás da folhinha verde?

Eu já cansei desse papo de superação feminina, até no sexo. A gente tem que saber plantar bananeira, beijar a brasileira, a japonês e agora até beijo grego. Tem doido que gosta de mal tempo inclusive na cama e pede para a parceira a chuva dourada ou a chuva negra. Ai, eu gosto de uma "pimentinha", como diz o Enfil, mas essa loucura eu estou passando.

"Eu quero a sorte de um amor [sexo] tranquilo, com sabor de fruta mordida". Pronto. Nem mais, nem menos. Sou a favor de um comportamento ecologicamente correto, mas não estou na pilha de aprender a fazer a folhinha verde. Não, não!

Agora, se quiser saber mais sobre minha indignação a respeito da liberdade sexual, vá no Sexo Verbal e leia meu texto sobre o assunto. Ah! E não esqueça de opinar. Eu gosto tanto de lero, lero... Principalmente sobre sexo.